Arquitetura, Energia e Sustentabilidade

Objetivos:

Apresentar as novas metodologias de pesquisa na área de Tecnologia da Arquitetura tais como: Eficiência Energética em Edificações, Edifícios com Zero Consumo de Energia e Certificações Ambientais.

Justificativa:

O momento atual na área da tecnologia da arquitetura sugere reflexões acerca da relação entre o projeto de arquitetura e as certificações ambientais que estão surgindo, e as tecnologias passivas, ativas e proativas, que cada vez mais vem sendo utilizadas em todo o mundo. Tal reflexão crítica se faz necessária, porque a academia é por excelência, o local correto para ocorrer estes debates e onde se encontram os laboratórios de pesquisa tecnológica de ponta.

Conteúdo:

1. Panorama da energia nacional de mundial; 2. Ferramentas de sustentabilidade: LEED, AQUA, PROCEL; 3. Conceito de tecnologias ativas, passiva e proativas; 4. Geração e consumo de energias renováveis e não renováveis; 5. Zero Energy Building (ZEB Building); 6. Retrofit em edifícios;7. Tecnologias sustentáveis em edifícios: panorama norte-americano; 8. Tecnologias sustentáveis em edifícios:panorama europeu. 1ª Aula: Apresentar o programa. Explicitar o conceito de tecnologias ativas, passivas e proativas. 2ª Aula: Panorama energético mundial: apresentação do panorama energético nacional e mundial levando em conta os principais blocos econômicos como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), a União Europeia (EU) e analisar a geração e o consumo de energias renováveis e não renováveis e realizar prospecções para o século XXI, até o seu término. A aula proporcionará uma análise crítica das principais políticas brasileiras em vigor nesta área. 3ª Aula: Ferramentas de sustentabilidade: apresentar a certificação LEED que vem sendo operada no Brasil. 4ª Aula: Ferramentas de sustentabilidade: apresentar a certificação AQUA e o selo PROCEL que vem sendo adotado no Brasil. Inicia-se o atendimento às equipes de trabalho. 5ª Aula: Zero Energy Building (ZEB Building): apresentar o conceito de ZEB – Zero Energy Building, ilustrando com o caso do ediflcio CECAS- Centro de Estudo de Clima e Ambientes Sustentáveis. 5ª Aula: os alunos, em grupo, apresentarão seminário sobre Tecnologias Passivas. 6ª Aula: os alunos, em grupo, apresentarão seminário sobre Tecnologias Ativas. 7ª Aula: os alunos, em grupo, apresentarão seminário sobre Tecnologias Proativas. 8ª Aula: Retrofit em edifícios: conteúdo conceitual sobre retrofit em edifícios. 9ª Aula: Retrofit em edifícios: conteúdo técnico sobre sistemas de retrofit de iluminação artificial. Atendimento às equipes do trabalho 2. 10ª Aula: Retrofit em edifícios: conteúdo técnico sobre sistemas eletro-mecânicas tais como elevadores, escadas rolantes, instalações e automação. Atendimento às equipes do trabalho 2. 11ª Aula: Retrofit em edifícios: conteúdo técnico para retrofit de fachadas nos seus componentes opacos e transparentes e sistemas de proteção solar ativa. . Atendimento às equipes do trabalho 2. 12ª Aula: Tecnologias sustentáveis em edifícios: um panorama europeu. 13ª Aula: Tecnologias sustentáveis em edifícios: um panorama norte americano. 14ª Aula: Apresentação dos seminários. 15ª Aula: Apresentação dos seminários.

Forma de Avaliação:

Observação:

Método: Nota para os seminários E1 e E2 (relatório + seminário) Critério Alunos com frequência inferior a 70% não terão direito ao aproveitamento de créditos de acordo com o artigo 84 do Estatuto da USP. Nota máxima nos trabalhos: T1 (relatório 5,0 + seminário 5,0): 10,0 Nota final: MF = 0,5 E1 + 0,5 E2

Bibliografia:

ABNT. NBR 15220. Desempenho térmico de edificações- Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social. Associação Brasileira de Normas técnicas, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). (2013). NBR 15575:1
Edifícios habitacionais – Desempenho. Rio de Janeiro.

CARAM de Assis, R.M. Caracterização ótica de Materiais Transparentes e sua Relação com o Conforto Ambiental. Tese de Doutorado. FEC/UNICAMP, 1998.

CHVATAL, K. M. S. Relação entre o nível de isolamento térmico da envolvente dos edifícios
e o potencial de sobreaquecimento no verão. Tese de Doutorado. FEUP/Universidade do
Porto, 2007.

CIB -INTERNATIONAL COUNCIL FOR RESEARCH AND INNOVATION IN BUILDING AND CONSTRUCTION. (1990). Prediction of service life of building materials and components.
CIB Report Publication 96.

CIB (1975). The performance concept and its terminology.

CIB (1977). Setting performance criteria for lhe building products.

CIB (1982). Working with lhe performance approach in building. CIB Report Publication 64.

CROISET, M., L’Hygrothermique dans le bâtiment Confort Thermique d’hiver et d’été.
Condensations, Ed. Eyrolles, Paris, 1968

FUNDAÇÃO VANZOLINI Processo AQUA Construção Sustentável. Guia de certificação.

GIVONI, B., Man, climate and architecture, Elsevier, London, 1976 8.HAMZAH T.R.; YEANG
S.B. Bioclimati Skyscrapers. Ellipsis. London, 1994
GONZÁLEZ, F. J. Arquitectura Biocimática em um entorno sostenible. Ed. Munilla-Leria,
2004.

GONZÁLEZ, F. J. e FRUTOS, C. B. Técnicas arquitectónicas y constructivas de acondicionamiento ambiental. Ed. Munilla-Lería, 1997.

HERZOG, T. Solar Energy in Architecture and Urban Planning. Prestel. Munich, 1996

INCROPERA, F. P. and de WITI, D. P., Fundamentals of Heat and Mass Transfer, 3. ed., J.
Wiley, NY, 1990

INTERNATIONAL STANDARD ORGANIZATION – IS06243 (1997) Climatic data for building design – Proposed system of symbols.

INTERNATIONAL STANDARD ORGANIZATION. ISO 9699 (1994) Performance standards in building – Checklist for briefing – Contents of brief for building design.

KOENIGSBERGER, O. H., INGERSOLL, T. G., MAYHEW, A., SZOKOLAY, S. A., Viviendas y edificios en zonas cálidas y tropicales, Ed. Paraninfo, Madrid, 1977

Lamberts, R., Dutra, L., Pereira, F. O. R. Eficiência Energética em Edificações. Ed. PW, São
Paulo, 1997.

LEED 2008 for homes Rating System. January 2008. http://www.gbcbrasil.org.br/sistema/certificacao/RaitingSystemforHome.pdf

LEED 2009 for Core & Shell Development Rating System USGBC Member Approved November 2008 (Updated August 2011). http://www.gbcbrasil.org.br/sistema/certificacao/RaHingSystemCS.pdf

LEED 2009 for Existing Buildings: Operations & Maintenance Rating System. USGBC
Member Approved November 2008 (Updated August 2011). http://www.gbcbrasil.org.br/sistema/certificacao/RaitingSystemEBOM.pdf

LEED 2009 for New Construction and Major Renovations Rating System With Alternative
Compliance Paths For Projects Outside lhe U.S. USGBC Member Approved November
2008 (Updated November 2011).
http://www.gbcbrasil.org.br/sistemacertificacao/RaHingSystemNC.pdf

OLGYAY, V. Arquitectura y Clima. Manual de diseno bioclimatico para arquitectos y urbanistas. GG, Barcelona, 1963

Referencial Técnico de Certificação – Processo AQUA http://pga.pgr.mpf.gov.br/licitacoes­
verdes/sustentabilidade-e-compras-publicas/certificacao%20Aqua.pdf/view

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL ELETROBRAS DE ECONOMIA DE ENERGIA (Revisão – 111) 13/01/2011. PROCEL / ELETROBRAS. PFD – DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

RIVERO, R., Arquitetura e Clima: Acondicionamento Térmico Natural, D. C. Luzzatto, Ed., Porto Alegre, 1986

ROMÉRO, Marcelo de Andrade & REIS, Lineu Belico Eficiência energética em edifícios. Ed.
Manole. ISBN 978-85-204-3079-8. 2012. 195 pg.

SILVA, V.G. (2001). Avaliação da sustentabilidade de edifícios de escritórios brasileiros: diretrizes e base metodológica. Tese (Doutorado). Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. 210p.

Código
Créditos
Área de Concentração