Avaliação Pós-ocupação (APO) do Ambiente Construído

Objetivos:

A Avaliação Pós-Ocupação (APO) vem sendo aplicada sistematicamente nos países desenvolvidos, a exemplo dos EUA, França, Grã-Bretanha, Japão, além de outros como a Nova Zelândia, e se baseia no princípio básico de que edificações e espaços livres postos em uso, qualquer que seja a função, devem estar em permanente avaliação, quer do ponto de vista construtivo e espacial, quer do ponto de vista de seus usuários. O objetivo desta avaliação é obter subsídios para corrigir, sistematicamente, as falhas e aferir eventuais acertos, bem como, a partir da realimentação do processo projetual, definir diretrizes para novos projetos semelhantes. A APO vem sendo desenvolvida junto ao Departamento de Tecnologia da Arquitetura da FAUUSP desde 1984. Neste período, tem focalizado especialmente a avaliação de edificações, tratando predominantemente de habitações, de edifícios institucionais como escolas e hospitais, de edifícios de escritório, além de áreas livres como praças e parques. A proposta da disciplina consiste no estudo e aplicação de métodos e técnicas de APO, incluindo não só as já consolidadas como também outras ainda pouco exploradas no âmbito das pesquisas desenvolvidas na FAUUSP. Mais recentemente, os procedimentos de APO são discutidos no contexto mais amplo, da gestão da qualidade do processo de projeto.

Justificativa:

A APO é um conjunto de métodos e técnicas o qual, a partir de pesquisas aplicadas, procura fornecer insumos para a realimentação do processo projetual, definindo-se diretrizes para novos projetos semelhantes. Em sua aplicação, a APO dá ênfase ao ponto de vista dos usuários finais dos ambientes construídos e procura desenvolver, a partir de avaliações de desempenho de ambientes em uso, o espírito crítico dos pós-graduandos em relação a seus próprios projetos, bem como no que se refere aos estudos de caso objeto da APO. Desta forma, a disciplina colabora na definição de programas de manutenção de curto e médio prazo em edificações, assim como na revisão e formulação de diretrizes/normas para novos projetos. Além disto, a APO procura aprimorar a visão interdisciplinar na arquitetura e no urbanismo, sobretudo no que se refere aos métodos e técnicas de pesquisa, uma vez que tem estreita interface com outras áreas do conhecimento tais como, a engenharia civil e a psicologia ambiental.

Conteúdo:

1ª aula: Apresentação geral (do programa e dos alunos). Organização das equipes e escolha preliminar dos estudos de caso. Introdução a APO. 2ª aula: Conceitos básicos de APO. 3ª aula: Métodos e técnicas de APO. 4ª aula: Técnicas de Coleta e Análise de Dados. 5ª aula: Exemplos de aplicação de APO no ambiente construído. 6ª aula: Apresentação do estudo de caso ou de textos sobre o assunto a ser resenhado pelos alunos. Critérios para Avaliação de Desempenho do Ambiente Construído. 7ª aula: APO e Acessibilidade no Projeto Arquitetônico. 8ª aula: APO e Segurança em Edificações. 9a aula: APO e Conforto Ambiental. 10ª aula: Planejamento do levantamento de campo. Atendimento às equipes. 11a aula: Elaboração dos instrumentos de APO ou apresentação e discussão de resenhas. 12a aula: Visita técnica – Levantamento de campo. 13ª aula: Atendimento às equipes. Roteiro para elaboração do relatório final. 14ª aula: Atendimento às equipes. 15ª aula: Apresentação do seminário e entrega do relatório final pelas equipes. Tanto os seminários como o relatório final (que deverão incluir os projetos de intervenção) visam a descrição e a análise dos métodos e técnicas de APO e seus resultados aplicados no estudo de caso específico. Todos os alunos/equipes deverão participar do seminário, apresentando o diagnóstico, as recomendações e as propostas preliminares de projeto, associados a uma apresentação e análise crítica dos métodos e técnicas utilizados. O relatório final deverá ser elaborado para entrega pelas equipes contendo o diagnóstico, as recomendações e as propostas finais de projeto e também deverá conter os procedimentos metodológicos incluindo a análise crítica e comparativa dos instrumentos adotados.

Forma de Avaliação:

A avaliação do aproveitamento na disciplina será feita por equipe e individualmente, com base no trabalho final e na participação em todas as atividades previst

Observação:

A disciplina será desenvolvida por meio de aulas expositivas, exercícios práticos, desenvolvimento de projetos e seminários. As aulas expositivas serão ministradas pelos docentes responsáveis e quando pertinente, por docentes e pesquisadores convidados. Os seminários serão realizados pelos alunos participantes com base na APO aplicada em estudos de casos ou em resenhas de textos sobre o assunto indicados pelos docentes. As equipes deverão elaborar roteiros de pesquisa utilizando os métodos e as técnicas discutidos para aplicação no estudo de caso proposto e analisar os resultados, obtendo-se um diagnóstico, com a finalidade de propor recomendações para realimentação de novos projetos e para o estudo de caso. O conteúdo poderá sofrer ajustes a cada edição da disciplina.

Bibliografia:

AIA – THE AMERICAN INSTITUTE OF ARCHITECTS. Security Planning and Design: a guide for architects and building design professionals. New Jersey: John Wiley & Sons, 2003.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos (NBR 9050). Rio de Janeiro, 2004.
____________________________. Saída de emergência em edifícios (NBR 9077). Rio de Janeiro, 1993.
BECHTEL, Robert B.; MARANS, Robert W. & MICHELSON, William. Methods in Environmental and Behavioral Research. New York: Van Nostrand Reinhold, 1987.
FABRICIO, M.M.; ORNSTEIN, S.W. (org.). Qualidade no Projeto de Edifícios. São Carlos: RIMA, 2010.
FEDERAL FACILITIES COUNCIL. Learning from Our Buildings – a state of the practice summary of post-occupancy evaluation. Washington, DC: National Academy Press, 2001 (Federal Facilities Council Technical Report n.º 145). [http://www.nap.edu/catalog.php?record_id=10288].
HERSHBERGER, Robert G. Architectural Programming and Predesign Manager. New York: Mc Graw-Hill, 2000.
JONG, T.M. DE; VOORDT, D.J.M VAN DER. (editores). Ways to Study and Research. Urban, Architectural and Technical Design. Delft, Holanda: Delft University Press, 2002.
ORNSTEIN, Sheila W.; ONO, Rosaria; LOPES, P.A.; FRANÇA, A.J.G.L.; KAWAKI9TA, C.Y.; MACHADO, M.D.; ROBLES, L.V.L.; TAMASHIRO, S.H.; FERNANDES. P.R. Performance evaluation of a psychiatric facility in São Paulo, Brasil. Facilities, Vol. 27, no. 3/ 4, 2009, pp.152-167. [ www.emeraldinsight.com]
ORNSTEIN, Sheila Walbe; FORMOSO, Carlos T. (editores). Ambiente Construído V.9/ N.2/ 2009. Revista on-line da ANTAC – Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. Edição especial sobre desempenho no ambiente construído. Heep://www.antac.org./br ambienteconstruido/ [ Edição especial sobre Qualidade do Projeto].
ORNSTEIN, Sheila Walbe; MOREIRA, Nanci Saraiva; ONO, Rosaria; FRANÇA, Ana J.G.L.; NOGUEIRA, Roselene A.M.F. Improving the quality of school facilities through building performance assessment in educational reform and school building quality in São Paulo, Brazil. Journal of Educational Administration. Building High Quality School for Learners and Communities. Número 3, 2010. pp.350-367. [www.emeraldinsight.com].
PINHEIRO, José de Queiroz; GÜNTHER, Hartmut (organizadores). Métodos de pesquisa nos estudos pessoa-ambiente. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.
PRADO, A.R.A.; LOPES, M.E.; ORNSTEIN, S.W. (organizadoras). Desenho Universal: Caminhos da Acessibilidade no Brasil. São Paulo: Annablume, 2010.
PREISER, Wolfgang F. E.; VISCHER, Jacqueline C. (editors) Assessing Building Performance. Oxford, U.K.: Elsevier, 2005.
ROMÉRO, Marcelo de Andrade; ORNSTEIN, Sheila Walbe. (coordenadores/ editores). Avaliação Pós-Ocupação. Métodos e Técnicas Aplicados à Habitação Social. São Paulo: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído; Financiadora de Estudos e Projetos, 2003. [http://habitare.infohab.org.br/projetos/publicacoes, asp].
SANOFF, Henry. School Building Assessment Methods. Washington, DC: National Clearinghouse for Educational Facilities, 2001 [NCEF Web site-www.edfacilities.org].
SÃO PAULO (Estado). Secretaria dos Negócios da Segurança Pública. Decreto Estadual no. 46.076 de 31 de agosto de 2001, institui o Regulamento de Segurança contra Incêndio das edificações e áreas de risco e apresenta outras providências.
SÃO PAULO (Município). Lei 11228, 25/06/92 e Decreto 32329, 23/09/92. Código de Obras e Edificações do Município de São Paulo.
SILVA, V.P.; VARGAS, M.R., ONO, R. Prevenção contra Incêndio no Projeto de Arquitetura, Rio de Janeiro: IABr/CBCA, 2010.
TASSARA, Eda T. de O. (editora convidada). Psicologia e Ambiente. Número especial da Revista Psicologia USP: Instituto de Psicologia, volume 16, Número 1/2, 2005.
VOORDT, D.J.M. Van Der; WEGEN, H.B.R. Van. Architecture in use – an introduction to the programming, design and evaluation of buildings. Elsevier, 2005.
YIN, Robert K. Estudo de Caso. Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.
ZEISEL, John. Inquiry by Design: Environment/Behavior/Neuroscience in Architecture, Interiors, Landscape and Planning. GB: W.W.Norton & Company, 2006.

Código
Créditos
Área de Concentração