Cidade, História e Patrimônio Cultural

Objetivos:

Problematizando e refletindo sobre o lugar do patrimônio cultural na contemporaneidade, a disciplina pretende formar pensamento crítico sobre o campo disciplinar da preservação. Trabalhando com a história das ações e das práticas da preservação urbana, com especial atenção para as cidades brasileiras, pretende trazer para discussão temas como o lugar da memória e dos seus direitos na configuração urbana, as relações entre transformação e preservação, os instrumentos de identificação, reconhecimento e proteção. Buscará debater a história das atribuições de valor, das práticas seletivas e a legislação de proteção ao ambiente urbano, tal como constituídas historicamente no Brasil e seus desdobramentos na atualidade. Pretende colocar em questão o papel da memória e da história nas ações preservacionistas a partir de uma perspectiva multidisciplinar, incorporando ao debate temas e autores de campos disciplinares diversos como história, antropologia, arquitetura e urbanismo e geografia.

Justificativa:

A partir dos anos 1990, as ditas cidades históricas e as áreas urbanas centrais no Brasil ganham força e interesse público no debate sobre a cidade contemporânea, tanto no contexto metropolitano, quanto nas cidades pequenas e médias. Muitas das intervenções urbanas recentes no Brasil terão como objeto as áreas de formação mais precípua por seu lugar de destaque na composição urbana ou pelo lugar cada vez mais importante do passado na sociedade contemporânea. As áreas com valor cultural, histórico ou memorial tornaram-se projetos âncoras de renovação urbana em diversas cidades brasileiras, com vistas, muitas vezes a forjar uma imagem distintiva e criar atmosfera de lugar de tradição por meio da revalorização de atributos ambientais, históricos e culturais. Tombamentos em centros urbanos serão realizados nas diversas esferas públicas, atendendo às solicitações de atribuição de valor, mas também a interesses de viabilidade financeira, possibilidade de recursos e isenções fiscais que as áreas protegidas podem oferecer. A temática da memória e das relações com o espaço urbano encontra-se, portanto, na ordem do dia. O patrimônio cultural e as políticas de preservação destacam-se em decorrência do aumento da ação efetiva dos órgãos de preservação em todo país e por seu confronto defensivo frente às demandas do setor imobiliário. Se as práticas de projeto arquitetônico buscam de um lado dar conta da demanda por crescimento e construção imobiliária gerada pelas políticas de desenvolvimento, por outro, elas se aproximam, cada vez mais, dos temas do patrimônio e da preservação de cidades. Interessará no contexto da área de concentração História e Fundamentos Sociais da Arquitetura e do Urbanismo colocar em diálogo as análises do urbano e da história da urbanização e do urbanismo na sua relação com os temas da história, historiografia, memória e identidade, discutindo-os por meio da bibliografia pertinente.

Conteúdo:

O Estado brasileiro e a construção da memória nacional como instrumento de integração do território e sua constituição histórica. História das políticas de preservação no Brasil e na América Latina. As políticas públicas e as práticas estatais na construção de um mapa desigual da memória nacional e do passado. As práticas seletivas do patrimônio nacional e o lugar do urbano. As estratégias do planejamento urbano e a espetacularização das cidades. O caráter político do universo cultural: a atribuição de valores e de significados aos patrimônios. O enfoque urbano do patrimônio nos conceitos de cidade-documento, cidade-monumento e patrimônio ambiental urbano. Os novos objetos de reconhecimento: o patrimônio natural, o imaterial e a paisagem cultural. O lugar da memória e construção das lembranças e do esquecimento nas cidades e nas políticas de preservação. A luta pelo patrimônio como direito à memória em contraponto aos valores estético-estilísticos. Os lugares de memória na metrópole. Habitação social e patrimônio cultural no Brasil. Centros urbanos e intervenções.

Forma de Avaliação:

Observação:

Participação no debate em sala de aula sobre a bibliografia indicada. Participação nos seminários de textos indicados para leitura. Apresentação de trabalho final da disciplina, constando de texto reflexivo e problematizador das questões trabalhadas durante as aulas, utilizando-se como base a bibliografia abordada. Realização de trabalho de campo com carga horária de 8 horas/aula.

Bibliografia:

ABREU, M. Sobre a memória das cidades. In: CARLOS, A.F.A.; LOPES, M.; SPOSITO, M.E. (orgs) A produção do espaço urbano. Agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011.
ARGAN. G.C. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
BONDUKI, N. Intervenções urbanas na recuperação de Centros Históricos. Brasília: Iphan, 2010.
BOSI, E. O tempo vivo da Memória. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.
CANCLINI, N. O patrimônio cultural e a construção imaginária do nacional. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, no 23, p.95-115, 1994.
CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: estação Liberdade/Ed. Unesp, 2001.
CURY, I. (org.). Cartas patrimoniais. Rio de Janeiro: Iphan, 2004
DEPARTAMENTO DE PATRIMÔNIO HISTÓRICO (DPH). O direito à memória: patrimônio histórico e cidadania. São Paulo: DPH, 1992.
FONSECA, M.C.L. Da modernização à participação: a política federal de preservação nos anos 70 e 80. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, no 24, p.153-164, 1996.
FONSECA, M.C.L. O patrimônio em processo. Trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/MINC/Iphan, 2005.
GONÇALVES, C.S. Restauração arquitetônica. A experiência do Sphan em São Paulo, 1937-1975. São Paulo: Annablume/Fapesp. 2007.
JEUDY, H.P. Espelho das cidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005.
IPHAN. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional 23, Cidade. Brasília, 1994.
IPHAN. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional 32, Patrimônio imaterial e biodiversidade. Brasília, 2005.
MARINS, P.C.G. Trajetórias de preservação do patrimônio cultural paulista. In: SETUBAL, M.A. Terra Paulista: trajetórias contemporâneas. São Paulo: Cenpec, Imprensa Oficial, 2008.
MENESES, U.B.T. Os usos culturais da cultura. Contribuição para uma abordagem crítica das práticas culturais e políticas culturais. In: YAZIGI, E.; CARLOS, A.F.A.; CRUZ, R.C.A. (orgs) Turismo Espaço Paisagem e Cultura. São Paulo: Hucitec, 1996.
NASCIMENTO, Flávia Brito. Blocos de memória. Habitação social, arquitetura moderna e patrimônio cultural. Doutorado (Tese) – FAU/USP, 2011.
NIGRO, C.R. Territórios do patrimônio: tombamento e participação social na cidade de São Paulo. Metrado (Dissertação). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.
NIGRO, C.R. Territórios do patrimônio: tombamentos e mobilizações sociais. In:
RABELLO, S. O Estado na preservação de bens culturais. O tombamento. Rio de Janeiro: Iphan, 2009.
RUBINO, S. O mapa do Brasil passado. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, no 24, p.97-105, 1996.
SANTANA, M. Da cidade-monumento à cidade-documento. A trajetória da norma de preservação de áreas urbanas no Brasil (1937-1990). Dissertação (Mestrado). Universidade Federal da Bahia, 1995.
SANTOS, M.V.M. Nasce a academia Sphan. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, no 24, p.77-96, 1996.
SCIFONI, S. Os diferentes significados do patrimônio natural. Revista Diálogos, DHI/UEM, vol 10., n.3, p, 55-78, 2006.

Código
Créditos
Área de Concentração