Design Temporário: Nomadismo e Sustentabilidade

Objetivos:

a) Debater as relações entre o nomadismo e a sustentabilidade; b) Refletir sobre as possibilidades de construções temporárias, quer sejam estas portáteis, relocáveis ou desmontáveis; c) Discutir o papel do arquiteto frente a problemas decorrentes de impactos ambientais; d) Trabalhar com métodos de desenvolvimento de projetos em grupos com os alunos e) Elaborar projetos de equipamentos e mobiliários que possam ser transportados inteiros ou em partes para diferentes localidades; f) Exercitar técnicas para a concepção de mecanismos retráteis, desmontáveis, móveis, infláveis ou têxteis.

Justificativa:

A disciplina está dividida em dois módulos, um com ênfase em apresentação de conceitos e outro com ênfase em leituras de projetos: Módulo 1 – Conceitos de sustentabilidade e nomadismo; Módulo 2 – Projetos e construções nômades.

Conteúdo:

Módulo 1- Conceitos de sustentabilidade e nomadismo; 1.1. Discussão teórica da sustentabilidade a partir do comportamento nômade; 1.2. Linguagem e estética nômade; 1.3. As contribuições de Victor Papanek e Bernard Rudofsky; 1.4. Apresentação da conceituação do projeto pelos grupos: Nômades por necessidade e Nômades por escolha. Módulo 2- Projetos e construções nômades; 2.1. Ferramentas nômades: mecanismos retráteis e desmontáveis; 2.2. Ferramentas nômades: veículos e equipamentos móveis; 2.3. Ferramentas nômades: estruturas infláveis e têxteis; 2.4. Estratégias para sobrevivência e infraestruturas locais; 2.5. Diretrizes e oportunidades para mudanças; 2.6. Apresentação do projeto, detalhamento e maquete física pelos grupos: Nômades por necessidade e Nômades por escolha.

Forma de Avaliação:

Observação:

Avaliação de seminários em grupo após primeiro módulo, com discussão teórica e conceituação do projeto. Avaliação de trabalho prático após segundo módulo, com apresentação de proposta de projeto com modelo físico.

Bibliografia:

ARCHITECTURE FOR HUMANITY (editor). Design like you give a damn: architectural responses to humanitarian crises. New York: Metropolis Books, 2006. ARCHITECTURE FOR HUMANITY (editor). Design Like You Give a Damn 2: Building Change from the Ground Up. New York: Abrams, 2012.
BARBOSA, L. L. [Re] Design: Uma aproximação à abordagem transdisciplinar da sustentabilidade através do mobiliário contemporâneo. Dissertação de mestrado. São Carlos: EESC-USP, 2003.
BARBOSA, L. L. Design sem fronteiras: a relação entre o nomadismo e a sustentabilidade. São Paulo: Edusp/ FAPESP, 2012.
BARBOSA, L. L. Design without borders: the nomadic journey towards sustainability. In: ICDHS 2012 – 8th Conference of the International Committee for Design History & Design Studies, 2012, São Paulo. Design frontiers: territories, concepts, technologies. São Paulo: Blucher, 2012. p. 126-130.
BARBOSA, L. L. Habitar o desastre: projetos urgentes em situações emergentes. Vírus. São Carlos, n. 5, jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 Fev. 2015.
BARBOSA, L. L. Projeto colaborativo para preparação e resposta após desastres. In: ENTAC 2014 – XV Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído – Avanços no desempenho das construções – pesquisa, inovação e capacitação profissional, 12 a 14 de novembro de 2014. Maceió, AL. p. on line.. Disponível em: . Acesso em: 12 Jan. 2015. BEIM, A.; NIELSEN, J.; VIBÆK, K. S. Cinark research. Three ways of assembling a house. Copenhagen: CINARK – Centre for Industrialised Architecture at The Royal Danish Academy of Fine Arts, School of Architecture, 2010. pp.34-51.
BERGDOLL, B. Home delivery: viscidities of a modernist dream from taylorized serial production to digital customization. In: BERGDOLL, B.; CHRISTENSEN, P. Home delivery. Fabricating the modern dwelling. New York: The Museum of Modern Art, 2008. pp.12-26.
CLARKE, S. E. B.; O’MAHONY, M. Techno Textiles 2. London: Thames & Hudson, 2007. pp.136-149.
DAVIS, Ian. Arquitectura de emergência. Barcelona, Gustavo Gili, 1980.
DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Tratado de Nomadologia: a máquina de guerra. In: Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia, vol.5. São Paulo: Editora 34, 1997.
FONTES, A.S. Amabilidade urbana: A qualidade do espaço-tempo da intervenção temporária. In: Cadernos Proarq, Rio de Janeiro, n. 17, p. 22-41, 2011.
GABRIEL, T. H. Ruin and the other: towards a language of memory. In: Seminar organized by the Center for Cultural Studies at Rice University, November 1992. GABRIEL, T. H. Thoughts on nomadic aesthetics and the black independent cinema: Traces of a journey. In: Blackframes.Critical perspectives on black independent cinema. London: MIT Press, 1988. pp.62- 79.
HAILEY, C. Camps. A guide to 21 st-century space. London: The MIT Press, 2009. pp.1-19.
HENNESSEY, J. The Nomadic handbook. New York: Pantheon Books, 1979. KRONENBURG, R. Flexible. Architecture that responds to change. London: Laurence King, 2007.
KRONENBURG, R. Houses in motion. The Genesis, History and Development of the Portable Building. London: Academy, 2002.
LOUEKARI, M. The time and space in nomadic culture [Extended essay]. Glasgow School of Art, 2000.
MAFFESOLI, M. Sobre o nomadismo: vagabundagens pós-modernas. Rio de Janeiro: Record, 2001.
MANZINI, E.; VEZZOLI,C. O desenvolvimento de produtos sustentáveis. Os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: Edusp, 2002.
MURLIS, J. The role of the designer in disaster relief. In: BICKNELL, J.; MACQUISTON, L. (ed.) ICSID Design for need. The Social Contribution of Design. An anthology of papers presented to the Symposium at the Royal College of Art, London, April 1976. Oxford: Pergamon Press, 1977. pp.54-63.
PAPANEK, V. Arquitectura e design. Lisboa: Edições 70, 1995.
PAPANEK, V. Design for Human Scale. New York: Van Nostrand Reinhold, 1983.
PAPANEK, V. Design for the real world: human ecology and social change. New York : Bantam Books, 1973.
PAPANEK, V; HENNESSEY, J. Nomadic furniture. New York: Pantheon Books, 1973.
PAPANEK, V. The Green imperative. Ecology and ethics in Design and Architecture. London: Thames & Hudson, 1995.
PIETROMARCHI, B. (editor). Antarctica. Lucy + Jorge Orta. Milano: Electa, 2008. RESTANY, P . Quinta pele: o meio global – ecologia e humanidade. In: O poder da arte. Hundertwasser o pintor-rei das cinco peles. Köln: Taschen, 2003. pp. 79-93.
RUDOFSKY, B. Architecture without architects, an introduction to nonpedigreed architecture. New York : Museum of Modern Art, 1965.
RUDOFSKY, B. Lessons from Bernard Rudofsky: Life as a Voyage. Basel: Birkhäuser, 2007. RUDOFSKY, B. Streets for people; a primer for Americans. NewYork: Doubleday, 1969. RUDOFSKY, B. The kimono mind. An informal guide to Japan and the Japanese. New York: Doubleday & Company, 1965.
RUDOFSKY, B. The unfashionable human body. New York: Doubleday & Company, 1971.
SANTOS, M.C.L. Cidades de Plástico e Papelão. O Habitat informal dos moradores de rua em São Paulo, Los Angeles e Tókio. Tese de livre-docência. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo, 2003.
SANTOS, M.C.L. (1999c). Makeshift Houses in Tokyo Metropolitan Área. Shelter-less. Newa of Resource Centerfor Homeless Human Rights 2(1999): 2,3-12; SANTOS, M.C.L. (1999d). Castoff/Outcast Living on the Street. In T. Corre! and P. Polk (Eds.) The Cast-off Recast Recycling and the creative Transformation of Mass-Produced Objects. Los Angeles: UCLA Fowler Museum of Cultural History, 111-139., 1999;
SANTOS, M.C.L. et Pereira, A. F. Packaging: Function, Re-function and Malfunction. From Consumer Society to the Homeless Material Culture. In H. Yoshikawa et ai. (Eds.) Proceedings First International Symposium on Environmentally Conscious Design and Inverse Manufacturing. Los Aiamitos: Computer Society, 492-496, 1999. SANTOS, M. C. L. Móvel Moderno no Brasil. São Paulo: Studio Nobel/ Fapesp/ Editora da Universidade de São Paulo, 1995.
SIMPSON, D.; STOLLMANN, J. Leisure Nomads, Down-Agers and Scapees: Nomadic Network Urbanism of the Senior Recreational Vehicle Community. In: Instant Urbanism. S AM n.2 Basel: Swiss Architecture Museum, September 2007.
WIN de WIT. Rudofsky’s Discomfort: A Passion for Travel. In: RUDOFSKY, B. Lessons from Bernard Rudofsky: Life as a Voyage. Basel: Birkhäuser, 2007. pp.98-122.

Código
Créditos
Área de Concentração