Espaços Livres Públicos Coletivos Urbanos

Objetivos:

A disciplina tem por objetivo o estudo dos espaços livres públicos das cidades brasileiras enquanto territórios de sociabilidade e o estudo das relações entre as dimensões culturais e políticas desses espaços públicos e os aspectos paisagísticos da urbanização contemporânea brasileira.

Justificativa:

O espaço público urbano assume inúmeras formas, medidas e escalas, abrigando, em sua conceituação, calçadas, ruas, praças, parques e lugares urbanos de dimensão cotidiana, regional ou metropolitana. Tais espaços devem seus atributos públicos ao fato de serem abertos e acessíveis a todos, de abrigarem a vida pública e, por isso, de exigirem, para o desempenho dessas funções, a copresença de indivíduos de todas as classes e segmentos sociais. Mas têm, também, a função específica de, em inter-relação com outros sistemas – de drenagem, de transportes, de proteção – tecer relações de conectividade e complementaridade com a preservação, a conservação e a requalificação ambientais, a circulação e a drenagem urbanas e as atividades de lazer na escala regional. Formas de apropriação indevida dos espaços livres públicos podem estar relacionadas tanto a problemas corriqueiros de projeto quanto, num nível mais profundo de entendimento, ao desaparecimento da noção de território comum, suprimida com a redução das formas mais profundas de sociabilidade, redução que vem marcando as relações humanas contemporâneas. Espaços livres públicos são elementos singulares na formação da paisagem urbana e, como tais, exigem estudos e discussões que apontem para a valorização de seu significado cultural e de sua dimensão política. A disciplina tem como proposta central, não apenas a abordagem da gênese desses espaços como também, e especialmente, seu entendimento como instrumentos de acesso ou de ampliação dos direitos de todos ao uso das cidades.

Conteúdo:

1. Os espaços livres e a esfera da vida pública; 2. Aspectos paisagísticos da urbanização contemporânea brasileira; 3. Sistemas de espaços livres e sua relevância socioambiental; 4. Entre as regiões e os lugares urbanos: recortes operacionais e discussão de critérios para proposições de espaços livres públicos – aspectos culturais, econômicos e ambientais; 5. Notas sobre a gestão dos espaços livres públicos urbanos: políticas públicas – discursos e práticas.

Forma de Avaliação:

Os alunos serão avaliados pela participação nas discussões, apresentação de seminários e elaboração de monografia.

Observação:

Bibliografia:

ARENDT, Hannah. A condição humana. 5. ed. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.
BAUMAN, Zygmunt. Confiança e Medo na Cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009
BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CALDEIRA, Teresa P. do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Ed. 34/ EDUSP, 2000.

FREHSE, Fraya. Ô da Rua: O Transeunte e o Advento da Modernidade em São Paulo. São Paulo: EDUSP, 2011.

FRÚGOLI Jr., Heitor. Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo: Cortez/Edusp, 2000.

GEHL, Jan. Cidades Para Pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GOMES, Paulo Cesar. A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002

HAYDEN, Dolores. The power of place. Cambrige: MIT press, 1997

LAVALLE, Adrián Gurza. Vida pública e identidade nacional: leituras brasileiras. São Paulo: Globo, 2004
NESBITT, Kate. Uma nova agenda para a arquitetura: antologia teórica (1965-1995). São Paulo: Cosac Naif, 2006.
PAISAGEM E AMBIENTE no 21. São Paulo: FAUUSP.

PANZINI, Franco. Projetar a natureza. São Paulo: Senac, 2013

PEREIRA LEITE, Maria Angela F. As tramas da segregação. São Paulo: FAUUSP, 1998. Inédito.
QUEIROGA, Eugenio. A megalópole e a praça: o espaço entre a razão de dominação e a razão comunicativa. 2001. 351 p. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
______. Dimensões públicas do espaço contemporâneo: resistências e transformações de territórios, paisagens e lugares urbanos brasileiros. 2012. 284 p. Tese (Livre Docência em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

TASSARA, Eda Terezinha de O.; RABINOVICH, Elaine P. A invenção do urbano e o poético: uma cartografia afetiva – estudo sobre o bairro paulistano da Barra Funda. In: TASSARA, E. T. O. (org) Panoramas Interdisciplinares para uma psicologia ambiental do urbano. São Paulo: EDUC; FAPESP, 2001. p211-267.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.
______. Da totalidade ao lugar. São Paulo: EDUSP, 2005.
SERPA, Angelo. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007.
SOLÀ-MORALES, Manuel. Espaços públicos e espaços coletivos. In: HUET, Bernard et al. Os centros das metrópoles: reflexões e propostas para a cidade democrática do século XXI. São Paulo: Terceiro Nome, 2001. p. 101-107.
VENTURI FERRIOLO, Massimo. Percepire paesaggi. Torino: Bollati Boringhieri, 2009