Fundamentos Sociais da Arquitetura e do Urbanismo

Objetivos:

Exploraremos neste curso o processo de trabalho como foco iluminador para a construção da cidade, não apenas do ponto de vista material, mas também do ponto de vista histórico, social e cultural. Para tanto, avançaremos para as definições econômicas, políticas e culturais que informaram a construção de cidades desde a Revolução Industrial, no final do século XVIII até o início de século XXI. Os problemas e impasses enfrentados pela Arquitetura e pelo Urbanismo serão abordados deste ângulo.

Justificativa:

Conteúdo:

Unidade I: A cidade da Primeira Revolução Industrial 1.1. A destruição dos ofícios artesanais, manufatura e mecanização do trabalho 1.2. As transformações do processo de trabalho nas construções: o parcelamento das tarefas e a força da manufatura serial 1.3. A cidade do século XIX e a emergência da “questão social” Unidade II: A cidade da Segunda Revolução Industrial 2.1. A “maquinização” do trabalhador: taylorismo/fordismo 2.2. O surgimento das novas profissões: Arquitetura e Urbanismo como disciplinas acadêmicas 2.3. A industrialização da construção e as propostas modernas de habitação Unidade III: A Revolução Científico-Tecnológica e a cidade 3.1. O “novo” paradigma da organização industrial e a compressão espaço-tempo 3.2. Conflitos em torno do espaço construído 3.3. Arquitetura e Urbanismo como crítica e como proposição

Forma de Avaliação:

Observação:

A avaliação levará em conta: a) participação nas aulas e atividades do curso (2 pontos); b) apresentação e organização de debate (2 pontos); c) participação nos painéis de apresentação dos projetos de monografia (1 ponto); d) elaboração de monografia que evidencie um diálogo entre a pesquisa do pós-graduando e as questões teóricas aportadas pela disciplina (5 pontos). As monografias, no caso dos alunos que já dispõem ou estão preparando de projeto de pesquisa vinculado à pós-graduação, podem relacionar a bibliografia discutida no curso com os seus projetos, buscando-se fazê-los avançar. No caso dos demais alunos, a monografia pode versar sobre um tópico da temática do curso a escolha. As monografias ficarão entre 15 e 20 páginas.

Bibliografia:

Arantes, Otília. O Lugar da Arquitetura depois dos Modernos. São Paulo,
EDUSP/NOBEL/FAPESP, 1993.
Arrighi, Giovanni. O Longo Século XX. Dinheiro, poder e as origens de nosso tempo.
Rio de Janeiro/São Paulo, Contraponto/Editora da UNESP, 1996.
Aymonino, C. La vivienda racional: ponencias de los CIAM, 1929-1930. Barcelona,
Gustavo Gilli, 1973.
Braverman, H. Trabalho e Capital Monopolista. A Degradação do Trabalho no século
XX. Rio de Janeiro, Zahar, 1977, p.47-123 e p. 137-147.
Bonduki, N. . Origens da habitação social no Brasil. Arquitetura Moderna, Lei do
Inquilinato e Difusão da Casa Própria. São Paulo, Estação Liberdade, 1998.
Campos, C.; Oliveira, E.R. e Gitahy, M.L.C. Território e cidades. Projetos e representações, 1870-1970.. São Paulo, Alameda Editorial, 2011.
Connor, Steven. Cultura Pós-Moderna. Introdução às teorias do contemporâneo. São
Paulo, Loyola, 1992.
Durand, José Carlos Garcia. A Profissão de Arquiteto. São Paulo, CREA, 1973.
Durand, José Carlos Garcia. Arfe, Privilégio e Distinção. São Paulo, Perspectiva, 1989.
Farah, M. F.S. “Estratégias diante da crise: Mudanças no processo de trabalho na
construção habitacional” in Ciências Sociais Hoje, 1993. São Paulo,
ANPOCS/HUCITEC, 1994, p.175-194.
Ferro, Sérgio. O Canteiro e o Desenho. São Paulo, Projeto, 1982.
Fisher, Sylvia. Os Arquitetos da Poli. Ensino e Profissão em São Paulo. São Paulo:
Edusp, 2005
Frampton, Kenneth. Historia Crítica de la Arquitectura Moderna.
Barcelona/Madrid/Buenos Aires, Gustavo Gilli, 1991.
Gitahy, Leda. A New Paradigm of Industrial Organization. The Diffusion of
Technological and Managerial Innovations in the Brazilian Industry. Uppsala, Uppsala
University, 2000, Gitahy, M.L.C. “Qualificação e Urbanização em São Paulo: A experiência do Liceu de Artes e Ofícios (1873-1934)” in Ribeiro, Maria Alice Rosa (org). Trabalhadores
Urbanos e Ensino Profissional. Campinas, Ed. UNICAMP, 1986.
Gitahy, M.L.C. Ventos do Mar. Trabalhadores do Porto, Movimento Operário e Cultura
Urbana em Santos, 1889-1914. São Paulo/Santos, Ed. UNESP/Prefeitura Municipal de
Santos, 1992.
Gitahy, M.L.C. “O papel do Gabinete de Resistência dos Materiais da Escola
Politécnica de São Paulo na transferência da tecnologia do concreto para São Paulo, 1899-1925″ in Cadernos do IG/UNICAMP, Campinas, Ed. UNICAMP, vol.4, n.2,
setembro de 1994.
Gitahy, M.L.C. “Os trabalhadores da construção civil na belle époque,1889-1914” in
Anais do II Congresso Brasileiro de História Econômica,vol.ll, 1997:118-132.
Gitahy, M.L.C. “Adaptando e Inovando: O Laboratório de Ensaios de Materiais da
Escola Politécnica de São Paulo, 1926-1934″ in Manguinhos. História, Ciência, Saúde.
Rio de Janeiro, FIOCRUZ, Vol.7, N.3, nov.2000-fev.2001: 675-690.
Gitahy, M.L.C, e Pereira, P.C .X. (orgs.) O Complexo Industrial da Construção e a
habitação Econômica Moderna. São Paulo/São Carlos, FAPESP/RiMa, 2002,
Gitahy, M.L.C, (org.) Desenhando a Cidade do Século XX. São Paulo/São Carlos,
FAPESP/RiMa, 2005.
Gorz, A. (org.) Crítica da Divisão do Trabalho. São Paulo, Martins Fontes, 1980, p. 39-
77.
Harvey, D. A Condição Pós-Moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudança
cultural. São Paulo, Loyola, 1992, cap.7, 8 e 9, p.117-162.
Harvey, David. The New Imperialism. Oxford, Oxford University Press, 2003.
Harvey, David. Espaços de Esperança. São Paulo, Loyola, 2004,
Harvey, David. O Enigma do Capital e as crises do capitalismo. São Paulo, Boitempo Editorial, 2011.
Hobsbawm, E. Da Revolução Industrial Inglesa ao Imperialismo. Rio de Janeiro,
Forense Universitária, 1986.
Hobsbawm, Eric J., “Uma Economia Mudando de Marcha” in A Era dos Impérios. Rio
de Janeiro, Paz e Terra, 1988.
Hochschild, Arlie Russel. The Commercialization of Intimate Life. Notes from Home and
Work. Berkeley/Los Angeles/London, University of California Press, 2003.
Kopp, A. Quando o moderno não era um estilo e sim uma causa. São Paulo,
Nobel/EDUSP, 1990.
Landes, David S. The Wealth and Poverfy of Nations. Why some are só rich and some
are só poor. New York/London, Norton, 1998.
Lampedusa, Tomasi di. O Gattopardo. Rio de Janeiro, Record, 2000.
Lawrence, R.J., Gil, M.P., Flückger, Y., Lambert, C., Werna, E. “Promoting Decent Work in the Construction Sector: The role of local authorities” in the ISA (International Sociological Association) RC21 Research Committee on Regional and Urban Development Conference “Inequality, Inclusion and the Sense of Belonging”, São Paulo, Brasil, August 23-25,2009
Mantoux, P. “Introdução” in A Revolução Industrial no século XVIII. São Paulo, Martins
Fontes, 1980.
Marglin, S. “Origens e funções do parcelamento das tarefas.” in Gorz, A. (org.) Crítica
da Divisão do Trabalho. São Paulo, Martins Fontes, 1980.
Marx, Karl. O Capital. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1971.
Noble, D. F. America by Design. Science, Technology, and the Rise of Corporate
Capitalism. New York, Alfred A. Knopf, cap.1-3, p. 3-49.
Pereira, Paulo César Xavier. “Questão da Construção: Urbanização e Industrialização
em São Paulo (1872-1914).” São Paulo, Depto. de Ciência Política/FFLCH/USP, 1990
(tese de doutoramento), p.1 .4/1-31.
Perrot, Michelle. Os Excluídos da História, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1988.
Pursell Jr., Carol W. Technology in America. A History of Individuals and Ideas.
Cambridge, Mss/London. The MIT Press, 1990. Rossi, Paolo. / Filosofi e le Machine. Milano, Feltrinelli, 1984. Sassen,Saskia.As Cidades na Economia Mundial. São Paulo: Studio Nobel,1998 Schorske, Cari. Viena fin-de-siècle. São Paulo, Ed.UNICAMP/Companhia das Letras, 1988.
Schorske, Cari. Pensando com a História. Indagações na passagem para o modernismo. São Paulo,Companhia das Letras, 2000.
Sennett, Richard. O Declínio do Homem Público. As Tiranias da intimidade. São Paulo, Companhia das Letras, 1993.
Sennett, Richard. Flesh and Stone. The Body and the City in Western Civilization. New York/London, Norton, 1994.
Sennett, Richard. Respect: in a World of lnequafíty. New York/London, Norton, 2004.
Sennett, Richard. O Artífice. Rio de Janeiro/São Paulo, Ed. Record, 2009.
Shimbo, Lucia Zanin. “Por dentro de uma grande empresa construtora financeirizada: o processo de produção da habitação social de mercado,” Comunicação apresentada ao Simpósio Memória, Trabalho, Arquitetura, CPC/USP, 6-7 de dezembro de 2010
Thompson, E. P. William Morris. Romantic to Revolutionary.New York, Pantheon Books, 1976, p.22-60, p.88-109 e p.641-731.
Williams, Raymond. Cultura e Sociedade. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1969.
Williams, Raymond. O Campo e a Cidade. Na história e na literatura. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.
Valladares, L.P. “Quebra-quebras na construção civil: o caso dos operários do metrô do Rio de Janeiro.” Dados. Rio de Janeiro,vol.24, n°1, 1981, p.61-84.
Weber, Max. On Charisma and Institution Building. Chicago/London. The University of Chicago Press, 1968.
Vargas, Nilton. “Racionalidade e Não-Racionalização:O Caso da Construção Habitacional” in Fleury, Afonso C. C. e Vargas, N. (orgs.). Organização do Trabalho. Uma abordagem interdisciplinar. Sete estudos sobre a realidade brasileira. São Paulo, Atlas, 1983.
Filmes:
Daens (Bélgica, Stijn Coninx, 1994)
Tempos /Modernos (USA,Charles Chaplin, 1936)
O Leopardo (Itália, Luchino Visconti, 1963)
Sábado (Brasil, Ugo Giorgetti,1994).
Blade Runner (U.S.A., Ridley Scott, 1980)

Código
Créditos
Área de Concentração