Intervenções em Redes Urbanas (espaços cíbridos e expandidos na arte e na cidade contemporânea)

Objetivos:

Discutir a emergência do processo de cibridização (interconexão entre redes on e off-line) e suas implicações na percepção e representação do espaço urbano. Analisar as configurações estéticas das noções de cidade global, território informacional, zonas autônomas temporárias, entre outras. Mapear e apresentar algumas das principais formas e vertentes da produção artística atual, notadamente as voltadas para intervenções no espaço urbano, com mídias locativas, dispositivos móveis, internet e redes sociais. Interrogar as zonas de contato dessas vertentes artísticas com a produção arquitetônica e do design contemporâneos.

Justificativa:

A disciplina visa fornecer subsídios para uma reflexão sobre formatos de intervenção artística que operam nos fluxos e nas redes, e não em locais específicos, permitindo novas perspectivas críticas de ação no espaço público, incluindo-se aí os territórios informacionais das redes de comunicação. Destaque especial será dado às intervenções artísticas mediadas por celulares na medida em que esses dispositivos complexos e cada vez mais populares, abrem possibilidades inéditas de fomento ao consumo, ao controle e ao uso crítico e criativo das mídias existentes, e apontam para diferentes concepções e tendências políticas da ecologia midiática atual. A interrogação das nuances estéticas das paisagens informacionais que sugerem a investigação do repertório criado pelas intervenções em contextos cíbridos – mediados por redes on e off-line — podem contribuir para novas intersecções entre o pensamento sobre a arte, a arquitetura e a cidade.

Conteúdo:

Leituras críticas sobre os conceitos de cibridismo, ecologia midiática, território informacional e Zonas Autônomas Temporárias. Mapeamento dos principais núcleos, artistas e referências teóricas relacionados à arte em rede em contextos urbanos. Discussão e reconhecimento das diferenças e particularidades entre as diferentes modalidades de criação com dispositivos móveis (arte móvel, arte com dispositivos móveis, mídias locativas) e suas abordagens do espaço. Compreensão das estratégias “ready media” e de apropriação, procedimentos de infiltração e ocupações, reprogramação dos circuitos de distribuição, arquiteturas de informação e estéticas da transmissão. Reflexão sobre as dimensões políticas dos dispositivos, especialmente no que tange às novas relações entre público e privado.

Forma de Avaliação:

Leitura dos textos recomendados Participação nas atividades propostas em sala de aula Trabalho individual sobre tema relacionado ao conteúdo abordado

Observação:

Projetos artísticos: Lista dos projetos disponível em: http://www.desvirtual.com/mobile-art-links/

Bibliografia:

APPADURAI, ARJUN. Modernity at Large. Cultural Dimensions of Globalization. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2005.
ARNS, Inke. “And It Exists After All: On The Contemporaneity of the Medial Arts”. In: HMKV HARTWARE MEDIENKUNSTVEREIN 1996 – 2008. Dortmund: HMKV, 2008, p. 65-79.
BAZZICHELLI, Tatiana, “A Reflexion on the Activist Strategies in the Web 2.0 era. Towards a New Language Criticism”. Em Vector b, no 22, janeiro de 2009. Disponível em http://virose.pt/vector/b_22/bazzichelli.html.
BEIGUELMAN, Giselle. Link-se (arte/mídia/política/cibercultura). São Paulo: Peirópolis, 2005.
BEIGUELMAN, Giselle et. al. Apropriações do (in)comum: espaço público e privado em tempos de mobilidade. São Paulo: Instituto Sergio Motta, 2009. Disponível em http://hrenatoh.net/curso/textos/_artemov_port_.pdf.
BEIGUELMAN, Giselle e LA FERLA, Jorge. Nomadismos tecnológicos. São Paulo: Senac, 2011.
BEY, Hakim. TAZ – Zona Autônoma Temporária. São Paulo, Conrad, 2001
BOLTER, Jay David e GRUSIN, Richard. Remediation (Understanding New Media). Cambridge/Mass.: MIT Press, 2001
BOSMA, Josephine. Nettitudes. Amsterdan: Nai Publishers. 2011
BOURRIAUD, Nicolas. Radicante – Por uma estética da globalização. Trad. Dorotheé de Bouchard. São Paulo: Martins Fontes, 2011.
BRISSAC, Nelson. As máquinas de guerra contra os aparelhos de captura. Uma fotonovela sci-fi. São Paulo: Arte/Cidade, 2002. Disponível em http://www.pucsp.br/artecidade/novo/publicacoes/fotonovela/maquinas_de_guerra_ebook_pt.pdf.
CANCLINI, Néstor G. Consumidores e cidadãos. Trad. Mauricio Santana Dias. 7a ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.
CASTELLS, Manuel. Communication Power. Nova York: Oxford University Press, 2009.
CASTELLS, Manuel – The Informational City. Londres: Blackwell, 1989.
COLOMINA, Beatriz. Privacy and Publicity – Modern Architecture as Mass Media. MIT Press, Cambridge/ Mass, 1996.
CRITICAL ART ENSEMBLE. Digital Resistance – Explorations in Tactical Media. Nova York, Autonomedia, 2001.
DEBORD , G. A Sociedade do espetáculo. São Paulo, Contraponto. 1988
DUARTE, Fábio – A crise das matrizes espaciais. São Paulo: Perspectiva, 2002.
FOSTER, Hal. Design and Crime (and other diatribes). Nova York: Verso, 2002.
FRIELING, Rudolf et. Al. The Art of Participation (1950 to Now). SFMoMA/Thames & Hudson, 2010.
GALLOWAY, Alexander. Protocol: How Control Exists after Decentralization, Cambridge /Mass., MIT Press, 2004
GRAHAM, Beryl e COOK, Sarah. Rethinking Curating – Art after New Media. Cambridge/Mass.: MIT Press, 2010.
GRAU, Oliver (ed.). MediaArt Histories. Cambridge/Mass.: MIT Press, 2010.
GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Trad. Ana Lúcia de Oliveira & Lúcia Claudia Leão. São Paulo: 34, 2006.
HUHTAMO, Erik e PARIKKA, Jussi (eds.) Media Archaeology. Berkeley: UC Press, 2008.
JOHNSON, Steven. Emergência. São Paulo, Jorge Zahar, 2003.
INTERVENÇÕES EM MEGACIDADES: Wodiczko. 1998. Disponível em http://www.sescsp.org.br/sesc/hotsites/brasmitte/portugues/idg.htm.
KERN, Stephen. The Culture of Time and Space (1880-1918). Cambridge /Mass., Harvard University Press, 2003.
LEMOS, André. “Mobile Communication and New Sense of Places: a Critique of Spatialization in Cyberculture”. Em Galáxia, no 16, São Paulo, dezembro de 2008.
LOVEJOY, MARGOT. Digital Currents: Art in the Electronic Age. Nova York: Routledge, 2004.
LOVINK, Geert e GERRITZEN, Mieke. Everybody is a Designer in the Age of Social Media. Amsterdan: BIS Publishers, 2010.
MCQUIRE, Scott; MARTIN, Meredith & NIEDERER, Sabine. Urban Screens Reader. Amsterdã: Institute of Networks Culture, 2009.
MITCHELL, William J. Me++ The Cyborg Self and the Networked City. Cambrisge/Mass.: MIT Press, 2003.
PAUL, Christiane. Digital Arts. 2a ed. revista e ampliada. Nova York: Thames & Hudson, 2008.
SANTAELLA, LUCIA. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2010.
STALABRASS, JULIAN. “Negative Dialectics in the Google Era: A Conversation with Trevor Paglen”, October, 138, p. 3-14, 2011.
VESNA, VICTORIA (ed.). Database Aesthetics. Art in the Information Overflow. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2008.
WEIBEL, Peter. Net Condition. Cambridge/Mass.: MIT Press, 2000.

Código
Créditos
Área de Concentração