Introdução à Metodologia de Pesquisa em Design

Objetivos:

Oferecer a alunos matriculados no mestrado ou no doutorado da área de concentração de Design e Arquitetura, bem como a alunos especiais aspirantes a estes programas, uma introdução panorâmica a alguns elementos: da filosofia da ciência, dos principais paradigmas de pesquisa, de determinadas técnicas específicas de coleta e tratamento de dados e da estruturação de projetos de pesquisa para o mestrado e doutorado em design, bem como de dissertações de mestrado e teses de doutorado. Serão adotados os modelos de estruturação e representação de pesquisas acadêmicas mais atuais e mais aceitos internacionalmente. Ainda que também aborde questões da evolução histórica do pensamento científico, o caráter desta disciplina está centrado, sobretudo, em aspectos teóricos, técnicos e operacionais do planejamento, condução e conclusão de pesquisas de mestrado e doutorado. Esta ênfase mais técnica da disciplina visa equipar os alunos para que compreendam algumas principais características do universo científico. Busca, com isto, familiarizá-los com aspectos associados à identificação de um tópico pesquisável e à elaboração de seus projetos pessoais de pesquisa e de executá-los com rigor, proficiência técnica e segurança intelectual, culminando na redação final de suas dissertações e teses.

Justificativa:

Em vista da carência de informações sistematizadas e objetivas acerca da natureza da atividade científica, dos grandes métodos e paradigmas de pesquisa, das técnicas específicas em que estes grandes modelos se desdobram e de como elaborar, com acerto conceitual e metodológico, projetos de pesquisa, dissertações e teses na área do design, esta disciplina disponibiliza a alunos da área de concentração de Design e Arquitetura da FAU-USP a necessária plataforma de referências, informações e insumos capazes de auxiliá-los no processo de elaboração e implementação de seus projetos pessoais de pesquisa e na redação de suas dissertações e teses. Espera-se, também, que os conteúdos e discussões desta disciplina possibilitem aos alunos desenvolver maior compreensão crítica de suas próprias pesquisas e das de outros autores, sobretudo as desenvolvidas na área do design. Alunos de outros campos do saber científico, tais como arquitetura, artes, moda, comunicação e ergonomia, poderão, igualmente, acompanhar e aproveitar o sentido geral da disciplina, beneficiando-se também da maior parte de seus conteúdos.

Conteúdo:

(Parte 1: Noções introdutórias.) Método e metodologia. Método científico. Ciência e pesquisa. Elementos da filosofia da ciência. Absolutismo e relativismo epistemológico. Aspectos do pensamento de Thomas Kuhn, Karl Popper, Alan Sokal e outros filósofos da ciência do século XX. Ética da pesquisa. Comitês de ética da pesquisa. Pesquisa em design e em seu ensino. Objetivos e modalidades da pós-graduação em geral. Pós-graduação em design. O programa de pós-graduação em design e arquitetura da FAU. // (Parte 2: Tipos fundamentais de métodos de pesquisa.) Paradigma positivista e o interpretacionista. Métodos qualitativos, quantitativos e combinados. Processos dedutivos e indutivos. Validação e refutação de hipóteses versus indução e geração das mesmas. Correlação e causalidade. Isolamento de variáveis contaminantes. Classificação dos modelos de pesquisa qualitativos e dos modelos quantitativos. // (Parte 3: Técnicas de pesquisa qualitativa voltadas para o design.) Técnicas e instrumentos de coleta de dados. Entrevistas (não-estruturadas, estruturadas e semi-estruturadas), questionários, diferenciais semânticos, observações “in loco”, observações diretas e observações participantes, “storytelling”, sondas, revisões bibliográficas, buscas em arquivos e acervos, registros documentais, missivas, e-mails, internet, fotografias, vídeos etc. Amostras e amostragens em estudos quantitativos e qualitativos. Técnicas de tratamento de dados. Hermenêutica. Fenomenologia. Fontes primárias, secundárias e terciárias. Dados brutos e dados interpretados. Critérios de admissibilidade de dados. Análise do discurso. Análise de conteúdo. Indexação temática em categoriais conceituais. Interpretação e análise de padrões abstratos de associação emergentes entre os dados. Redação do esboço dos resultados. Edição final do texto. Narrativa científica de teses e dissertações e narrativa menos acadêmica de livros de divulgação. // (Parte 4: Seções constitutivas de projetos de pesquisa, dissertações e teses.) Projetos de pesquisa, dissertações e teses em design: objetivos, função, natureza, espectro, amplitude, originalidade, exeqüibilidade, mérito e seções. Complementaridades e rebatimentos entre os projetos de pesquisa e as dissertações e teses. Zonas de interesse de pesquisa e problemas pesquisáveis. Definição do tópico de pesquisa em design. Declaração técnica do enunciado da questão fundamental norteadora. Problemas e subproblemas. Recortes. Enfoques. Amarrações do problema fundamental. Definições de termos-chave. Pressuposições. Delimitações. Objeto e corpus da pesquisa. Hipóteses versus indagações exploratórias. Justificativas. Revisão preliminar da bibliografia especializada. Descrição e detalhamento do método de investigação. Cronogramas. Resumos. Recomendações práticas. Regras de estilo e ortografia técnica. Normas de notação e formatação.

Forma de Avaliação:

Observação:

Avaliação: Alunos já matriculados no mestrado ou no doutorado em design da FAU terão ocasião, ao longo do semestre, de aprimorar, expandir, complementar, melhor sistematizar e, eventualmente, retificar, no âmbito desta disciplina, seus projetos originais de pesquisa. Tais modificações poderão ser aceitas e levadas a efeito, a critério de seus orientadores, no contexto maior das pesquisas que realizam ou estariam prestes a iniciar. Entretanto, os trabalhos executados no âmbito desta disciplina deverão ser compreendidos como estando, em princípio, unicamente a ele restritos, de modo a não interferir na pesquisa dos alunos com orientação de docentes externos à disciplina. Os alunos serão convidados a elaborar, em parcelas semanais, atividades e tarefas que culminarão na redação, passo-a-passo, das seções de um projeto de pesquisa próprio. Estas entregas parciais corresponderão, entre outras etapas: à geração de uma ampla lista de possíveis tópicos de pesquisa, à seleção de um tópico pesquisável tecnicamente exeqüível, à declaração formal do problema fundamental da pesquisa, à revisão preliminar da bibliografia, à elaboração de justificativas, ao planejamento de estratégias metodológicas e à proposição de um cronograma. Quanto ao método pedagógico, esta disciplina prevê aulas expositivas na primeira parte dos encontros semanais, seguidas de sessões de discussão após breve intervalo. Os alunos serão convidados a realizar leituras sobre tópicos específicos e a produzir textos ao longo do semestre.

Bibliografia:

BEAUD, Michel. L’art de la thèse: Comment préparer et rédiger une thèse de doctorat, un mémoire de D.E.A. ou de maîtrise ou tout autre travail universitaire. Paris: La Découverte, 1986. // BLOOR, Michael e WOOD, Fiona. Keywords in qualitative methods: A vocabulary of research concepts. Londres: Sage, 2006. // BOOTH, Wayne C., COLOMB, Gregory G e WILLIAMS, Joseph M. The craft of research. Chicago: University of Chicago, 2008. // BOTHAMLEY, Jennifer. Dictionary of theories. Londres: Gale Research, 1993. // BULLOCK, Alan e TROMBLEY, Stephen (eds.). The new Fontana dictionary of modern thought. Londres: HarperCollins, 1999. // BUNGE, Mario. Dicionário de filosofia. São Paulo: Perspectiva, 2002. // CHARMAZ, Kathy. A construção da teoria fundamentada: Guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009. (Trad. COSTA, Joice Elias.) // CRESWELL, John W. Qualitative inquiry and research design: Choosing among five traditions. Londres: Sage, 1998. // CRESWELL, John W. Research design: Qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. Thousand Oaks (Califórnia): Sage, 2009. // DAVIS, Gordon B. e PARKER, Clyde A. Writing the doctoral dissertation: A systematic approach. Nova Iorque: Barron’s, 1979. // DURBIN, Paul T. Dictionary of Concepts in the Philosophy of Science. Westport (Connecticut): Greenwood, 1988. // ECO, Humberto. Como se faz uma tese em ciências humanas. Lisboa: Presença, 1977 e 1982. // FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. (3a. ed.) Porto Alegre: Artmed, 2009. (Trad. COSTA, Joice Elias.) // GALL, Meredith D., GALL, Joyce P. e BORG, Walter R. Educational research: An introduction. Boston: Allyn and Bacon, 2006. // GIL, Antonio Carlos. Estudo de caso. São Paulo: Atlas, 2009. // GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. (5a. edição.) São Paulo: Atlas, 2010. // GRAY, David E. Pesquisa no mundo real (2a. ed.). Porto Alegre: Penso, Artmed, 2012. // HOUP, Kenneth W., PEARSALL, Thomas E., TEBEAUX, Elizabeth e DRAGGA, Sam. Reporting technical information. Nova Iorque: Oxford, 2002. // HYMAN, Herbert H. Interviewing in social research. Chicago: University of Chicago, 1975. // ISKANDAR, Jamil Ibrahim. Normas da ABNT comentadas para trabalhos científicos. Curitiba: Juruá, 2009. // KLIMENT, Stephen A. Writing for design professionals. Nova Iorque: Norton, 1998. // KUHN, Thomas S. The structure of scientific revolutions. Chicago: University of Chicago, 1996. // LAUREL, Brenda (ed.). Design research: Methods and perspectives. Cambridge: MIT Press, 2003. // LEEDY, Paul D. e ORMROD, Jeanne E. Practical research: Planning and design. (10a. ed.) Upper Saddle River (Nova Jérsei): Prentice Hall, 2012. // LOCKE, Lawrence F., SPIRDUSO, Waneen Wyrick e SILVERMAN, Stephen J. Proposals that work: A guide for planning dissertations and grant proposals. Thousand Oaks (Califórnia): 2007. // MACHI, Lawrence A. e McEVOY, Brenda T. The literature review: Six steps to success. Thousand Oaks (Califórnia): Corwin, 2009. // McCRACKEN, Grant. The long interview. Beverly Hills (Califórnia): Sage, 1988. // MICHEL, Ralph, BONSIEPE, Gui, CROSS, Nigel e BUCHANAN, Richard. Design research now: Essays and selected projects. Board of International Research in Design. Basiléia: Birkhäuser, 2007. // Modern Language Association. MLA handbook for writers of research papers. Nova Iorque: Modern Language Association, 2009. // NEUMAN, W. Lawrence. Social research methods: Qualitative and quantitative approaches. Boston: Pearson Education e Allyn and Bacon, 2003. // O’GRADY, Jenn Visocky e O’GRADY Ken Visocky. A designer’s research manual. Beverly (Massachusetts): Rockport, 2006. // OKASHA, Samir. Philosophy of science: A very short introduction. Oxford: Oxford University, 2002. // POPPER, Karl R. The logic of scientific discovery. Nova Iorque: Routledge, 2002. // ROZAKIS, Laurie E. The complete idiot’s guide to research methods. Nova Iorque: Alpha, 2004. // SANTILLANA, Giorgio de. The origins of scientific thought. Nova Iorque: Mentor, 1961. // SILVERMAN, David. Interpretação de dados qualitativos: Métodos para análise de entrevistas, textos e interações. (3a. ed.). Porto Alegre: Artmed, 2009. (Trad. LOPES, Magda França.) // SOKAL, Alan D. e BRICMONT, Jean. Imposturas intelectuais: O abuso da ciência pelos filósofos pós-modernos. Rio de Janeiro: Record, 2006. // STERNBERG, David. How to complete and survive a doctoral dissertation. Nova Iorque: St. Martin’s, 1981. // TAYLOR, F. Sherwood. A short history of science and scientific thought with readings from the great scientists from the Babylonians through Einstein. Nova Iorque: Norton, 1963. // TURABIAN, Kate L. A manual for writers of research papers, theses, and dissertations: Chicago style for students and researchers. Chicago: University of Chicago, 2007. // WEBB, Eugene J., CAMPBELL, Donald T., SCHWARTZ, Richard D. e SECHREST, Lee. Unobtrusive measures: Nonreactive research in the social sciences. Chicago: Rand McNally, 1966. // YIN, Robert K. Estudos de caso: Planejamento e métodos. (4a. ed.) Porto Alegre: Bookman, 2010. (Trad. TRORELL, Ana.)

Código
Créditos
Área de Concentração