Lugares de Memória e Consciência: Teoria e Intervenção

Objetivos:

Alguns territórios destacam-se por expressar de forma emblemática a memória de grupos sociais específicos, outros consagram-se como lugares estratégicos para a construção de identidades nacionais ou regionais, outros perpetuam-se na memória coletiva como palco de experiências individuais ou coletivas de sofrimento, outros ainda revestem-se de significados específicos para a narrativa histórica de grupos religiosos. Tais espaços – lugares de memória e consciência – constituem um desafio específico para as cidades e sociedades onde se inserem, desafio que merece tratamentos arquitetônicos e urbanísticos também específicos. O Objetivo da disciplina é realizar um balanço crítico e historiográfico a respeito dos lugares de memória e consciência no espaço urbano, assim como estudar um conjunto de soluções projetuais e urbanísticas dirigidos a lugares desse tipo. A disciplina objetiva delimitar os lugares de memória e consciência como uma categoria espacial, em que pese a diversidade de significados a ela intrínseca. A partir disso, objetiva uma sistematização de experiências no campo da arquitetura, do urbanismo e do paisagismo que enfrentam os atributos desses lugares e constroem soluções espaciais para os desafios por eles colocados.

Justificativa:

Tanto do ponto de vista de sua interpretação e análise – histórica, sociológica, antropológica – quanto do ponto de vista das decisões projetuais, muitos lugares apresentam significados específicos em termos da memória que eles carregam. Tais aspectos devem ser problematizados, dos pontos de vista teórico e metodológico, produzindo insumos para a reflexão acadêmica em torno dessa temática, além de apoiar os aspectos das pesquisas dos alunos que sejam pertinentes a essa temática. A disciplina viabiliza, portanto, o enfrentamento da temática da memória e consciência no Programa de Pós Graduação da FAU-USP, com autonomia em relação ao debate em torno da preservação, do patrimônio arquitetônico, do restauro e do projeto urbano no tecido urbano pré-existente.

Conteúdo:

A disciplina constrói um balanço historiográfico e teórico a respeito dos lugares de memória e consciência, delimitando assim conceitualmente essa categoria de espaços. Explora a diversidade interna à categoria dos lugares de memória e consciência: lugares relevantes para a construção de identidades locais, regionais ou nacionais; lugares que foram palco de tragédias individuais e coletivas; lugares que possuem significados especiais para minorias étnicas e religiosas; lugares relevantes para a narrativa histórico-mítica de crenças ou religiões; lugares fisica e simbolicamente disputados por diferentes grupos da sociedade; lugares que guardam a memória de regimes políticos autoritários envolvendo violência e negação de direitos; lugares relacionados à privação de liberdade de diversas ordens; lugares emblemáticos para movimentos sociais ligados às questões de gênero, raça, diversidade sexual. Problematiza a construção de políticas públicas, projetos arquitetônicos, urbanísticos e paisagísticos que tratam desses espaços, assim como as dimensões pedagógica e de afirmação de direitos que pode ser operada por atores públicos e privados a partir deles. De possse desses conceitos, a disciplina problematiza os projetos de pesquisa individuais dos alunos, que podem assim acionar o repertório teórico e metodológico que evoca a memória, a consciência, a afirmação de direitos associados a lugares específicos na cidade. Realiza-se assim uma discussão que vai além da história e da memória, atingindo as dimensões de projetos arquitetônicos e urbanos, técnicas de restauro e metodologias de educação que utilizam-se do próprio território da cidade como insumo.

Forma de Avaliação:

Observação:

A avaliação será feita com base: 1. na participação em aulas e seminários; 2. em fichas individuais de leitura e fichas de trabalho em grupo organizado para seminário; 3. em ensaio monográfico individual a ser elaborado ao final do curso.

Bibliografia:

ADLER, Sy, BRENNER, Johanna. Gender and Space: Lesbians and Gay Men in the City. International Journal of Urban and Regional Research. Volume 16, Issue 1, pages 24–34, March 1992
AGUILLERA, Carolina e CACERES, Gonzalo. Signs of State Terrorism in Post-Authoritarian Santiago: Memories and Memorialization in Chile. Dissidences. vol. 4 n. 8 (2012).
AL SAYYAD, Nezar e MASSOUMI, Mejgan (eds), The Fundamentalist city: religiosity and the remaking of urban space. New York: Routledge, 2011.
BRITO, F. N. ; SCIFONI, S. . A paisagem cultural como novo paradigma para a proteção: a experiência do Vale do Ribeira – SP. Revista CPC (USP), v. 10, p. 1-12, 2010.
BUTTLAR, Adrian et al. (ed.). Denkmalpflege statt Attrappenkult: Gegen die Rekonstruktion von Baudenkmälern – eine Anthologie. Basel: Birkhäuser, 2010.
CYMBALISTA, Renato. Sangue, Ossos e Terras: os mortos e a ocupação do território luso-brasileiro. São Paulo: Alameda/FAPESP/Cátedra Jaime Cortesão, 2011.
CYMBALISTA. Renato. “Um roteiro pelos territórios da morte em São Paulo” In: CYTRINOWICZ, Roney (ed). Dez Roteiros a pé em São Paulo. São Paulo: Narrativa Um, 2008.
DESCHPANDE, Satish. “Hegemonic spatial strategies: the nation-state and Hindu communalism in twentieth Century Índia”. In: CHATTERJEE, P. e JENAGANATHAN, P (eds), Subltern studies XI: Community, gender and violence: essays on the subaltern condition. Delhi: Permanent Black and Ravi Dayal Publishers, 2000.
DOLFF-BONNEKAMPER, Gabi. “Sites of memory and sites of discord: Historic monuments as a medium for discussing conflict in Europe”. In Fairclough, Graham J.; Harrison, Rodney; Schofield Jr., John; Jameson, John H. (eds.). The heritage reader. London: Routledge, 2008, p. 134-138
DOLFF-BONNEKAMPER, Gabi. “Die Denkmaltopographie der Diktatur in Buenos Aires: Vorschlag für ein thematisches Inventar”. In: Dolff-Bonekämper, Gabi; Franz Birgit (Hrsg.): Sozialer Raum und Denkmalinventar : Vorgehensweisen zwischen Erhalt, Verlust, Wandel und Fortschreibung. Dresden: Sandstein Verlag, 2008 (Veröffentlichung des Arbeitskreises Theorie und Lehre der Denkmalpflege e. V., 17), p. 87-91.
DOLFF-BONNEKAMPER, Gabi. The Memorial Landscape Surrounding the Construction Site of the Planned Memorial to the Homosexuals Persecuted under the National Socialist Regime: Reflections on the Semantic Field and Topographic Environment. in: Senate Administration for Science, Research and Culture Urban and architectural Art (ed.) Memorial to the Homosexuals Persecuted under the National Socialist Regime: Dokumentation des Auftaktkolloquiums / Documentation of the Colloquium, p. 102-113, 2005.
DOLFF-BONNEKAMPER, Gabi. “Sites of historical significance and sites of discord: Historic monuments as a tool for discussing conflict in Europe”. In: Forward Planning: the function of cultural heritage in a changing Europe. Strasbourg: Cultural Heritage Committee of the Council of Europe, 2001.
DOLFF-BONNEKAMPER, Gabi. “Sites of Hurtful Memory”. In: Conservation: The Getty Conservation Institute Newsletter 17, summer 2002.
FARRAN, Carlos-Jerez e AMAGO, Samuel (ed.). Unearthing Franco’s legacy: mass graves and the recovery of historical memory in Spain. Notre Dame, Indiana: University of Notre Dame Press, 2010.
GOLDHILL, Simon. Jerusalém, city of longing. Cambridge, Massachussets: The Belknap Press of Harvard University press, 2008.
GONÇALVES, José Reginaldo Santos. O patrimônio como categoria de pensamento. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mário (Orgs.). Memória e Patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 21-29.
GRUNEBAUM, Heidi. Memorializing the past: Everyday life in South Africa after the truth and reconciliation commision. Johannesburg: Transaction Publishers, 2011.
HISRCH, Mariane and MILLER, Nancy K. Rites of return diaspora poetics and the policits of memory. Columbia: University Press, 2011.
LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora UNICAMP, 1990.
LIGHT, Duncan. An Unwanted Past: contemporary tourism and the heritage of communism in România International Journal of Heritage Studies, Volume 6, Issue 2, 2000, pages 145-160.
MANN, Barbara E. A place in history: modernism, Tel Aviv, and the creation of Jewish Urban space. Stanford: University Press, 2006.
MEMORIA ABIERTA. Memórias en La ciudad: Señaels Del terrorismo de Estado en Buenos Aires. Buenos Aires: Memória Abierta/EUDEBA, 2009.
NAIDU, Ereshnee. From memory to action: a toolkit for memorialization in post-conflict societies. New York: the International Coalition of sites of Conscience, 2012.
NEVES, Deborah Regina L. O símbolo de uma história escolhida: o patrimônio cultural e a difícil tarefa de construir a memória da ditadura. Revista Memória em Rede vol. 2 n. 6 (2012).
NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História 10. São Paulo: PUC-SP, 1993, pp. 7-29
PELEGRINI, Sandra C.A. Patrimônio cultural: consciência e preservação. São Paulo:
Brasiliense, 2009.
SCIFONI, S. (Org.) . Bom Retiro: memória urbana e patrimônio cultural. 1. ed. São Paulo: 9ª Superintendência Regional do Iphan de São Paulo, 2007. v. 1. 88 p.
SILBERMAN, Neil. Heritage interpretation and human rights: documenting diversity, expressing identity, or establishing universal principles? International Journal of Heritage Studies, Volume 18, Issue 3, May 2012, pages 245-256
SILVA, Francisco P e TAVARES, Edgley F. “A inscrição da memória no espaço urbano: efeitos de sentido na contação da invasão de lampião a Mossoró feita monumento”. In: MILANEZ, Milton e SANTOS, Janaína (orgs), Análise do duscurso: objetos, sujeitos e olhares. São Carlos: Claraluz, 2009.
STERN, Steve J. The memory question in democratic Chile, 1989-2006. Durham, North Coarolina: Duke University Press, 2010.
STUMP, Roger W. The Geography of religion: faith, place and space. Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield, 2008.
WATSON, Sophie. “Symbolic spaces of difference: contesting the eruv in Barnet, London and Tenafly, New Jersey”. Environment and planning: Society and space 2005, volume 23, pp. 597-613.

Código
Créditos
Área de Concentração