Metodologia Científica Aplicada a Arquitetura e ao Urbanismo

Objetivos:

Os objetivos da disciplina Metodologia Científica Aplicada à Arquitetura e ao Urbanismo. São: a) ampliar as alternativas de técnicas, instrumentos e procedimentos metodológicos a serem utilizados nos projetos de pesquisa do Programa de Mestrado e Doutorado na área de Arquitetura e Urbanismo; b) discutir, através da apresentação de casos escolhidos de pesquisas nos diferentes assuntos de interesse, os limites, vantagens e desvantagens e as formas mais comuns de combinação coerente dos principais procedimentos metodológicos; c) criar uma situação de exercício para cada aluno formular e tentar resolver os problemas metodológicos de seu programa de pesquisa; d) fornecer bibliografia auxiliar mínima necessária ao futuro aprofundamento das questões de métodos, técnicas e instrumentos de pesquisa.

Justificativa:

O amplo espectro do campo de conhecimento e de atuação da Arquitetura e do Urbanismo implica necessariamente uma grande diversidade de conteúdos e métodos incorporados de diferentes ciências e disciplinas, como instrumentos da prática do Projeto. Projeto como processo de organização e produção de espaços construídos, continentes das atividades e relações da sociedade em constantes transformações. Sem prejuízo dos traços característicos de intuição, poder de síntese, capacidade criativa e visão estética, a prática do Projeto não prescinde dos métodos científicos, especialmente, quando os objetos da Arquitetura e do Urbanismo são tratados como temas de pesquisa, de elaboração teórica, de revisão crítica ou ainda de programas de ensino-aprendizagem. A dinâmica da ação em suas fases de percepção, reflexão, opção e intervenção, necessárias ao desenvolvimento dos projetos, é sempre mediada pelo exercício da análise, da criação e da crítica. Tais fases comportam, assim, procedimentos metodológicos que asseguram ao pesquisador, professor ou projetista, maior eficácia na sua inserção e no seu desempenho como um dos agentes das transformações da sociedade. Esses métodos de trabalho são, de forma incipiente propostos em várias disciplinas de graduação. Em última instância, a necessidade da proposta síntese – projeto de um ser possível, em que se deverá elaborar um conjunto de respostas prévias a todas as questões previsíveis na fase de execução – não só como utopia ou forma poética, mas também, como síntese de construção possível – exige, concomitantemente, um processo de conhecimento. Tal processo tem, por conseqüência, alguns desdobramentos analíticos preparatórios e condutores da concretização de novos objetos, de espaços reestruturados ou de sistemas de espaços suportes de atividades complexas.

Conteúdo:

A correta especificação das novas situações projetadas deve supor um conhecimento mínimo dos campos científicos que elas envolvem. Mais do que isto, exigem o domínio dos procedimentos metodológicos mais utilizados nas pesquisas em Arquitetura e Urbanismo referentes: 1. Á gênese, evolução e prognósticos da problemática concreta que cada pesquisador deverá enfrentar, isto é, o conhecimento da história do problema envolvendo suas interpretações. As diferentes abordagens teóricas e as soluções práticas já experimentadas, dependerão do domínio de métodos e instrumentos utilizados na pesquisa histórica; 2. Ao levantamento, sistematização e controle dos dados empíricos dos objetos de estudo, das variáveis e estruturas significativas, com suas escalas, incidência e frequência de fenômenos, amplitude e significado dos problemas, dimensões e condicionantes das situações concretas; 3. Á identificação dos sujeitos e agentes associados às situações-problemas, para explicitar o jogo de interesses, as diferentes representações e aspirações, e as reivindicações em conflito. Serão indispensáveis outros métodos e instrumentos de pesquisa que poderão ser adaptados de procedimentos científicos já desenvolvidos em outros campos ou disciplinas das Ciências Sociais. 4. Trata-se portanto de aprofundar a reflexão e o exercício de métodos de trabalho intelectual comumente utilizados, em teses e dissertações envolventes da Arquitetura e do Urbanismo em sentido amplo e do seu projeto.

Forma de Avaliação:

Média ponderada entre as notas das resenhas dos textos dos seminários e o trabalho final. NOTA SOBRE OS SEMINÁRIOS E O TRABALHO FINAL DA DISCIPLINA Os semin

Observação:

Para o trabalho final cada aluno deve escolher dentro da sua revisão bibliográfica, uma leitura que aprofunde os problemas e soluções encontrados pelos seus autores do ponto de vista de métodos e técnicas de pesquisa. TRABALHO FINAL DA DISCIPLINA será um PLANO DETALHADO E JUSTIFICADO DA PESQUISA E ESTUDOS, em que o pós-graduando organize suas atividades visando acumular os conhecimentos, dados e informações necessárias e suficientes para a elaboração de sua DISSERTAÇÃO/ TESE.

Bibliografia:

BLALOCK, H. – Estatística Social – Fondo de Cultura Economico, México, 1981.

BOURDIER, P.; CHAMBOREDON, J.C. e PASSERON, J.C. – Le Metier de Sociologue. Paris, Mouton, 1973.

BRUYNE, P. et alii. – Dinâmica da Pesquisa em Ciências Sociais, Liv. Francisco Alves, Rio de Janeiro, 1977.

BUNGE, M. – La Investigación Científica – Su Estratégia y su Filosofia. E. Ariel, Barcelona, 1973.

COHEN, M. e NAGEL, F. – Introduccion a la lógica y al metodo científico. Amorruter, Buenos Aires, 1976.

COHN, Gabriel – Critica e Resignação: Fundamentos da Sociologia de Marx Weber. São Paulo, T.A. Queiroz. 1979.

FERNANDES, Florestan – Fundamentos Empíricos da Explicação Sociológica. São Paulo, Cia. Ed. Nacional, 1959.
Parte I – A Reconstrução da Realidade nas Ciências Sociais. (pag. 1-42).
Parte II – itens IV, V, VI – As Soluções Fundamentais. Durkheim, Weber e Marx, (pag.75-127).
Parte III – cap.II – Natureza e Significado da Análise Funcionalista (pag.254-307) cap.III – Consequências da Interpretação Funcionalista (pag.308-346).

KORN, F. et alii – Conceptos y Variables en la Investigación Social. E. Nueva Visión, Buenos Aires. 1973.

MERLEAU-PONTY, M. – Las Aventuras de la Dialética. Buenos Aires, Siglo Veinte.

MILLS, C.W. – A Imaginação Sociológica. Zahar Editores, Rio de Janeiro, 1969.

MONGENBESSER, S. – Filosofia da Ciência. São Paulo, Ed. Cultrix. 1971.

MONDOLFO, R. – Figuras e Idéias da Filosofia da Renascença. São Paulo, Ed. Mestre Jou. 1967.

PHILLIPS, B.S. – Metodologia della Ricerca Sociale, Il Molino, Bologna, 1972.

SALMON, C.W. – Lógica, Zahar Editores, Rio de Janeiro, 1973.

SZMRECSANYI, Maria Irene de Q.F. – Educação e Fecundidade: Idelologia, Teoria e Método na Sociologia da Reprodução Humana. São Paulo, Hucitec-EDUSP, 1986.

THOMPSON, E. P. – Tradición, revuelta y consciência de classe: estudios sobre la crisis de la sociedad preindustrial. Barcelona, Critica, 1984.

VARGAS, Milton – Metodologia da Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro: Ed. Globo. 1985.

MATES, Benson – Lógica Elementar. São Paulo: EDUSP, trad. L.H.B. Hegenberg e o D.S. Mota, 1967.

ROSSI, Paolo – Francis Bacon da magia à ciência. Londrina: Editora U.F.P.R., 2006.

TEIXEIRA, Anísio – Pequena Introdução à Filosofia da Educação, Rio de Janeiro, DP&A editora, 2.000.

KATINSKY, J. R. – A pesquisa Acadêmica na FAU. São Paulo: FAU, 2003.