O Planejamento de Transporte como Instrumento de Ordenação/ Expansão do Espaço Urbano

Objetivos:

Introduzir os alunos de Pós-Graduação ao estudo da dinâmica da relação entre o uso e ocupação do solo e o sistema de transporte urbano a partir da identificação das características do espaço urbano que moldam as condições de deslocamento da população; dos atores sociais envolvidos; da análise da congruência dos impactos resultantes de investimentos no setor de transporte com os interesses desses atores sociais; das divergências / convergências desses interesses nas relações de força entre atores sociais.

Justificativa:

O conhecimento ministrado na disciplina é útil àqueles que aplicam o planejamento de transporte não apenas para racionalizar a oferta desse serviço mas também como instrumento para ordenar a distribuição espacial do uso e ocupação do solo das cidades e dirigir sua expansão, viabilizando a implementação de direttrizes físico-territoriais definidas em planos urbanísticos. Trata-se de um enfoque distinto do apresentado em disciplinas da engenharia de transporte, que em geral não associam o planejamento de transporte à produção do espaço urbano.

Conteúdo:

1ª aula – Apresentação da disciplina Objetivos, seqüência das aulas programadas, calendário, apresentação da bibliografia, dos exercícios e do trabalho final. 2ª aula – A formação do espaço urbano e o papel da acessibilidade A formação do espaço urbano e o papel da acessibilidade segundo teorias da economia urbana e regional (Adam Smith, David Ricardo, Von Thünen, Marshall, Christaller, Losch, Marx, Lefebvre, Lojkine, Harvey). Conceitos e indicadores sobre acessibilidade. 3ª aula – A relação entre a oferta de acessibilidade e o uso do solo no planejamento de transporte A representação da relação entre a oferta de acessibilidade e o uso do solo, no planejamento de transporte, através dos modelos desenvolvidos por Alonso, Wingo, Lowry e De La Barra. 4ª aula – Características do espaço urbano que moldam as condições de deslocamento da população As características do espaço urbano: fragmentado, articulado, reflexo da sociedade, condicionante dos processos de produção e reprodução, simbólico, mutável e campo de lutas sociais. Identificação dos atores sociais envolvidos na produção do espaço urbano e da infra estrutura de circulação. 5ª aula – Mobilidade da população e condições de deslocamento Conceitos de mobilidade, orçamento espaço-tempo, consumo estático do espaço de circulação, consumo dinâmico do espaço de circulação. Tempos gastos em viagens, por modo de transporte e segundo a renda familiar mensal. 6ª aula – O planejamento de transporte e a organização do espaço urbano A relação entre a oferta de acessibilidade e o uso do solo. Dinâmicas associadas à redução das desigualdades na distribuição da acessibilidade e à reorganização do espaço urbano e regional. Exemplos internacionais de intervenções associadas ao transporte e à organização territorial: Madrid, Montreal, Toronto, Paris, Londres, Hong Kong, Stuttgart. 7º aula – Alterações no espaço urbano decorrentes de intervenções no sistema de transporte Estudos empíricos dos efeitos de intervenções do sistema de transporte sobre o espaço urbano: modelos estatísticos, estudos de impacto e estudos de acompanhamento (“études de suivi”). 8º aula – O papel da acessibilidade na conformação espacial da Região Metropolitana de São Paulo Apresentação das principais dinâmicas socioeconômicas, dos modos de transporte predominantes, da estrutura de circulação e da estrutura urbana no planalto paulista, desde o século XVI até meados do século XIX; de meados do século XIX até a segunda guerra mundial; da segunda guerra mundial até 1960; de 1960 até 1980; de 1980 até 1990; após 1990. 9º aula – As viagens na Região Metropolitana de São Paulo A espacialização das viagens na RMSP: população, empregos, renda, viagens por modo, viagens por motivo, duração das viagens, mobilidade. A relação entre o transporte coletivo e a localização das atividades na RMSP. Dinâmicas da metrópole paulista propícias à ordenação do espaço urbano. 10º aula – A Política Nacional de Mobilidade Urbana Apresentação da (Lei 12.587/12). Análise da viabilidade da diretriz que determina a priorização de projetos de transporte público coletivo estruturadores do território e indutores do desenvolvimento urbano integrado (Artigo 6o, Inciso VI dessa Lei). 11º até a 15º aula – Apoio à elaboração do exercício individual Exercício: Traçar o perfil de um ator social envolvido na expansão da rede de transporte de massa da RMSP. O perfil do ator social deverá ser bem construído (com um pensamento/discurso que deixe claro o que ele faz e pretende fazer, nas circunstâncias do cenário proposto), conveniente ( com traços do caráter do ator social quanto à sua ética, conhecimento, legislação e outros instrumentos em que se apóia, adequados às ações que dele se esperam), verossimilhante (convincente como modelo da realidade que pretende apresentar) e coerente (com ações adequadas às “regras do jogo”, ou seja, às convenções a que o ator social está submetido na realidade em que atua, bem como a seu caráter).

Forma de Avaliação:

presença em aula e nota do exercício individual.

Observação:

não há possibilidade de recuperação caso a presença em aula seja inferior a 70% e a nota do exercício individual seja inferior a 5.

Bibliografia:

ALONSO, W. Location and land use. Toward a general theory of land rent. Harvard University Press, Cambridge, Massachusetts, 1965.
BRASIL, UNIÃO. LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Diário Oficial da União, 4 de janeiro 2012.

CAMARGO, Candido P. F. et alii. São Paulo 1975: crescimento e pobreza. São Paulo, Loyola, 1974. Ler o capitulo: “ A lógica da desordem”.
CORREA, R. L. O espaço urbano. São Paulo: Editora Ática. 1989

DE LA BARRA, T. et alii. TRANUS. Modelación integrada de usos del suelo y transporte. MODELISTICA, Caracas , Venezuela. 2005. (www. modelistica.com)

DRAIBE, S.M. Uma nova institucionalidade das políticas sociais? Reflexões a propósito da experiência latino-americana recente de reformas dos programas sociais. Fundação SEADE. São Paulo em Perspectiva,11(4), 1997.

FARRET, R. L. O espaço da cidade. São Paulo: Projeto Editores Associados.1985
FERREIRA, L. A. C. A Incorporação de Empreendimentos Associados às Etapas de Planejamento e Concepção de Novas Linhas de Metrô: em prol de um controle mais efetivo dos processos de transformação urbana no entorno das estações. 13º Congresso ANTP, Porto Alegre: Companhia do Metropolitano de São Paulo, 2001.

GOTO, M. Uma Análise de Acessibilidade sob a Ótica da Eqüidade – O Caso da Região Metropolitana de Belém. São Carlos. Dissertação (Mestrado) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. 2000.

HANSEN, W. H. How accessibility shapes land use. Journal of americam institute of Planners, v.25, n.2, 1959.
HANSON, S. The geography of urban transportation. New York/London, The Guilford Press., p.3-25. 1995.

HARVEY, D. A justiça social e a cidade. Editora Hucitec, São Paulo, 1980. Cap.2 O processo social e a forma espacial: a redistribuição da renda real em um sistema urbano; e Cap.5. Valor de uso, valor de troca e a teoria de uso do solo urbano. . pag. 39 a 78 e pg 131 a 166.

LANGENBUCH,J.R. Estruturação da Grande São Paulo. IBGE. Rio de Janeiro, 1971

LEFEBVRE, H. La production de l’espace. Editions Anthropos, Paris, 1974.
LOBATO CORREIA, R. O que é espaço urbano? Quem produz o espaço urbano? In: Espaço urbano. São Paulo. Ática, 1989. pag 7 a 35.

LOJKINE, J. O estado capitalista e a questão urbana. Livraria Martins Fontes Editora, São Paulo, 1981.
LOWRY, I. S. A model of Metropolis. The Rand Corporation, Santa Monica, California,1964.

MARX, K. O capital. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 2008.
MARX, K. Teorias sobre a mais valia. Cartago, Buenos Aires, 1975.

MEJÍA, L. et VASSALLO, J. M. Does a new metro line promote business activities close to its stations? Case study of METROSUR in Madrid. Madri: Universidad Politécnica de Madrid, Centro de Investigación del Transporte, 2010.

NIGRIELLO, A. O valor do solo e sua relação com a acessibilidade. Tese de mestrado. COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, 1977.
NIGRIELLO, A. Conservar para desenvolver. Tese de doutorado. FAU/USP, São Paulo, 1987.
NIGRIELLO, A. O impacto do sistema de transporte sobre o espaço urbano. Pós – Revista do programa de Pós – Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAU/USP, São Paulo, v.1, n.2, p. 47-54.

NIGRIELLO, A. A Expansão da Rede de Metrô em São Paulo in Revista dos Transportes Públicos, n.º 83, p. 7 a 23. Associação Nacional dos Transportes Públicos. São Paulo, 1999.

NIGRIELLO, A. e OLIVEIRA, R. H. A rede de transporte e a ordenação do espaço urbano. Revista dos Transportes Públicos, v.133, p.101 – 122, 2013.

RICHARDSON, H. W. Urban economics. Penguin Books, Middlesex, England, 1971.
ROLL, E. História das doutrinas econômicas. Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1962.

ROCHEFORT, M. Redes e sistemas: ensinando sobre o urbano e a região. São Paulo: Hucitec, 1998.

SILVA BRUNO, E. História e Tradições da Cidade de São Paulo (Vol 1: Arraial de Sertanistas 1554-1828). Editora Hucitec. São Paulo, 1984. Ler o capitulo IV: As Tropas e as várzeas.

SÃO PAULO (ESTADO) Secretaria dos Transportes Metropolitanos. PITU 2020: Plano Integrado de Transportes Urbanos para 2020. Região Metropolitana de São Paulo. São Paulo: STM, 1999.

SÃO PAULO, Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos de. Pitu 2025 – Plano Integrado de Transportes Urbanos. Síntese. Documento eletrônico em PDF. Governo do Estado de São Paulo. São Paulo, 2007.
SÃO PAULO (Estado), Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos. Pesquisa Origem e Destino 2007 – Região Metropolitana de São Paulo: Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar. São Paulo: STM, 2008.
STIEL, W. C. História do Transporte Urbano no Brasil. Pini Editora. Brasília, 1984.

TAGORE, M. RE SIKDAR, P. K. A new accessibility measure accounting mobility parameters. 7th World Conference on Transport Research. The University of New South Wales, Sydney, Austrália. 1995.
VASCONCELOS, E. A. Transporte Urbano nos Países em Desenvolvimento, São Paulo, Editora Unidas. 1996.
VASCONCELLOS, E. A. Transporte Urbano, Espaço e Eqüidade. Análise das políticas públicas. Editora Unidas. São Paulo, 1996. (cap. 2 e 3).

VILLAÇA, F. et ZIONI, S.M. Os Transportes sobre Trilhos na Região Metropolitana de São Paulo: O Poder Público Acentuando a Desigualdade. In: Companhia Brasileira de Trens Urbanos, CBTU. 1º Concurso de Monografias – A Cidade nos Trilhos: transporte metroferroviário, mobilidade e desenvolvimento urbano – monografias premiadas. Rio de Janeiro: CBTU, 2005. pg 223.
WILSON, A.G. Entropy in Urban and Regional Modelling. Pion, London ,1970.

Código
Créditos
Área de Concentração