Paisagem Cultural Brasileira: Encontros, Trocas e Hibridismos

Objetivos:

1. Examinar a paisagem cultural brasileira desde uma perspectiva interdisciplinar, articulando as áreas de Ciências Naturais, História, Arquitetura e Urbanismo, Ciências Humanas e Sociais. 2. Ressaltar a multiplicidade de fontes de informação existentes sobre o assunto e desenvolver uma visão crítica sobre a falta de integração observada entre as várias áreas do conhecimento envolvidas. 3. Analisar o processo que levou à construção da paisagem cultural brasileira existente nos dias de hoje, ressaltando as principais mudanças observadas ao longo do tempo. 4. Discutir a natureza da paisagem cultural brasileira contemporânea como produto de profundas alterações e numerosos intercâmbios levados a cabo com diferentes biotas e contextos sociais, fruto da constante circularidade de sujeitos, objetos e espécies. 5. Examinar as tendências atuais e perspectivas futuras.

Justificativa:

Na contramão de uma história eurocêntrica, os “encontros” (CERTEAU, 1990) e trocas culturais em escala “global” (BROTTON & JARDINE, 2000; BROTTON, 2009; GOODY, 2010) têm inspiraram cada vez mais questões, resultando em paisagens culturais híbridas, fruto da ampla circulação de sujeitos, artefatos, idéias, formas e espécies da fauna e da flora. Ancorada nos recentes conceitos de “Paisagem Cultural”, “Encontros Culturais” e “História Global”, a disciplina visa ensinar a ler e desconstruir, nas “rugosidades” do espaço (SANTOS, 1994), processos de interação entre o fazer humano e a natureza em uma perspectiva de longa duração (BRAUDEL, 1979a, 1979b). A partir da década de 1970, as relações dos homens com o “mundo natural” passaram a despertar cada vez mais interesse, dando margem ao aparecimento de trabalhos mais abrangentes ligados tanto ao estudo da paisagem (e.g. SCHAMA, 1995; PERLIN, 1989; WILLIAMS, 2006), quanto às mudanças resultantes da expansão européia (e.g. CROSBY, 1986, 1994, 2003; GERBI, 1975; TURNER, 1983). Não obstante, abordagens que levem em conta a paisagem natural e suas interações ainda são muito escassas em nosso país, mesmo considerando o aparecimento de análises recentes voltadas sobretudo para a destruição da chamada “Mata Atlântica” (e.g. DEAN, 1995). Partindo de uma perspectiva interdisciplinar, o presente curso pretende discutir tanto a natureza da paisagem cultural brasileira quanto as mudanças observadas ao longo da história até sua conformação atual, tendo como pano de fundo os testemunhos produzidos desde o século XVI – cronistas, naturalistas viajantes, cartógrafos etc. – até as mídias atuais – audiovisuais, impressas, literatura especializada etc.

Conteúdo:

1. Os conceitos de natureza, paisagem e correlatos como paisagem cultural, encontro cultural, hibridismo cultural e história global. 2. A paisagem cultural do mundo mediterrâneo até o começo da Idade Moderna 3. A descoberta do Novo Mundo e a noções da paisagem americana 4. A natureza da paisagem cultural americana e as interações do período pré-colombiano 5. A descoberta do Brasil e a natureza da paisagem cultural brasileira 6. Os primórdios da colonização e os primeiros intercâmbios entre as paisagens culturais do Novo e Velho Mundo 7. A expansão da agro-pecuária e os núcleos urbanos: a derrocada da paisagem natural 8. As representações da paisagem brasileira na cartografia e artes plásticas 9. Problemas de Preservação das Paisagens Culturais 10. Desafios e perspectivas futuras

Forma de Avaliação:

Considerando a natureza multidisciplinar da matéria proposta, a participação dos alunos, a leitura de textos e a apresentação de seminários surgem como os melho

Observação:

Bibliografia:

ACCIAIUOLI, Margarida, LEAL, Joana Cunha, MAIA, Maria Helena (Coords.), 2006. Arte & Paisagem. Lisboa: Instituto de História da Arte; Estudos de Arte Contemporânea
AMARAL, L., 1939-1940. História Geral da Agricultura Brasileira. São Paulo: Companhia Editora Nacional.
ARNOLD, D., 1996. The Problem of Nature: environment, culture and European expansion. Cambridge: Cambridge University Press.
BETHENCOURT, F., 1998. História da Expansão Portuguesa. Navarra: Círculo de Leitores.
BETHENCOURT, F. & CURTO, D. R. (ed), 2007. Portuguese Oceanic Expansion, 1400-1800. Cambridge University Press.
BELLUZZO, A.M.. 1994, O Brasil dos Viajantes. São Paulo: Metalivros.
BLOCH, M., 1968. Les caractères originaux de l’Histoire Rurale Française. Paris: Armand Collins.
BRAUDEL, F., 1995. Civilização Material, Economia e Capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, Vol 1 As estruturas do cotidiano.
BRAUDEL, F., 2009. Civilização Material, Economia e Capitalismo. São Paulo: Martins Fontes. Volume II O jogo de trocas.
BROTTON. J., 2003. Trading territories: mapping the early modern world. London: Reaktion Books.
BROTTON, J. & JARDINE, L. 2000. Global interests: Renaissance art between East and West. London: Reaktion Books – Picturing History.
BROTTON, J., 2009. O Bazar do Renascimento: Da Rota da Seda a Michelangelo. São Paulo: Grua.
BURKE, P., 20010. Hibridismo Cultural. Madrid: Akal Ediciones.
CAMUS GAYAN, Pablo 2006. Ambiente, bosques y gestión forestal en Chile. 1541-2005. Santiago: Dirección de Bibliotecas, Archivos y Museos; LOM Ediciones.
CARITA, H. & CARDOSO, A. H. Tratado da grandeza dos jardins em Portugal ou originalidade e desaires desta arte. 2ª. ed. Venda Nova: Bertrand Editora, 1998.
CERTEAU, M. de. 2001. A invenção do cotidiano.Rio de Janeiro: Vozes.
CERTEAU, M. de, 2008. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
CHARTIER, R., 2009. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica Editora.
CHOAY, F., 2001. A alegoria do patrimônio. São Paulo: UNESP.
CLARK, K., 1966. Landscape into Art. Harmondsworth: Penguin Books.
CROSBY Jr., A.W., 1986. Ecological Imperialism: the biological expansion of Europe, 900-1900. Cambridge: Cambridge University Press.
CROSBY Jr., A.W., 1994. Germs, seeds and animals: studies in Ecological History. New York: M.E. Sharpe.
CROSBY Jr., A.W., 2003. Columbian exchange: biological and cultural consequences of 1492. Praeger: Westport.
DEAN, W., 1996. A Ferro e Fogo: A história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.
FERRÃO, J.E.M., 2005. A aventura das plantas e os Descobrimentos Portugueses. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical.
FUNARI, P. P., 2007. Teoria e a arqueologia histórica: a América Latina e o mundo. Vestígios, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 49-56.
FUNARI, P. P. & NOELLI, F.S., 2005. Pré-História do Brasil. São Paulo: Contexto.
FURTADO, C., 1959. Formação Econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.
GARCIA, J.C. (Org.)., 2002. A Mais Dilatada Vista do Mundo: Inventário da colecção cartográfica da Casa da Ínsua. Lisboa: CNCDP.
GERBI, A., 1996. O Novo Mundo. São Paulo: Companhia das Letras.
GERBI, A., 1975 La natura delle Indie Nove: Da Cristoforo Colombo a Gonzalo Fernández de Oviedo. Milan: Adelphi Edizione.
GIANESELLA, R., 2008. Paisagens no Tempo: vilas litorâneas paulistas. Tese (Mestrado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo.
GOODY, J., 2010. Renaissances: the one or the many? New York: CambridgeUniversity Press.
GROVE, R.H., 1995. Green Imperialism: Colonial Expansion, Tropical Island Edens and the Origins of Environmentalism 1600-1860. Cambridge: Cambridge University Press.
HAUDRICOURT, A.G. & HÉDIN, L., 1987. L’Homme et les Plantes Cultivées. Paris: Éditions A.M. Métailié.
HOEHNE, F.C., 1937. Botanica e Agricultura no Brasil no Seculo XVI. São Paulo: Companhia Editora Nacional.
HOLANDA, Sergio Buarque de., 1999. Visões do Paraíso. São Paulo:Brasiliense
HUECK, K., 1972. As Florestas da América do Sul. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo & Editora Polígono.
KUPPERMAN, K.O. (Ed.),1997. America in European consciousness, 1493-1750. Chapel Hill: University of North Carolina Press.
LEVENSON, J.A. (Ed.), 1991. Circa 1492: Art in the Age of Exploration. Yale University Press.
LEVENSON, J.A. (Ed.), 2007. Encompassing the Globe: Portugal and the World in the 16th to 17th centuries. Washington DC: Smithsonian Books.
LOPES, F. & CORREIA, M.B., 2004. Patrimônio arquitectónico e arqueológico: cartas, recomendações e convenções internacionais. Lisboa: Livros Horizonte.
LOZOYA, Xavier.1984. Plantas y luces en México: la Real Expedición Científica a Nueva España (1787-1803). Barcelona: Serbal
MAGALHÃES, B. de, 1935. Expansão Geográfica do Brasil Colonial. São Paulo: Companhia Editora Nacional.
MARSH, G.P., 1965. Man and Nature. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.
MATTOSO, J. (Org.), 2010. Patrimônio de Origem Portuguesa no Mundo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
MONTEIRO, J.M., 1994. Negros da Terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras.
MORAIS, F., 2001. O Brasil na visão do artista: a Natureza e as Artes Plásticas. São Paulo: Prêmio Editorial.
MOREIRA, R., 1998. A arte luso-brasileira: modelos, sínteses, autonomia. In: BETHENCOURT, F. & CHAUDHURI, K. (Org.), História da Expansão Portuguesa. Navarra: Círculo de Leitores. Vol. III, p. 463-493.
NORBERG-SCHULZ, C., 1984. Genius Loci: towards a phenomenology of Architecture. Rizzoli.
PELAYO LÓPEZ, Francisco (Org.)1992. Pehr Löfling y la Expedición al Orinoco 1754-1761. Madrid: Real Jardín Botánico.
PERLIN, J., 1989. A Forest Journey: the Role of Wood in the Development of Civilization. New York: W.W. Norton.
PETRONE, P., 1995. Aldeamentos Paulistas. São Paulo: EDUSP.
PIMENTEL, Juan.2001. Viajeros científicos: tres grandes expediciones al Nuevo Mundo. Madrid: Nivela.
PRADO JÚNIOR, C., 1957. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Editora Brasiliense.
PROUS, A., 1992. Arqueologia brasileira. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.
RADKAU, J., 2008. Nature and Power: A Global History of the Environment. Cambridge: Cambridge University Press.
REAL Expedición botánica a Nueva España 1787-1803.1987 Madrid: Real Jardín Botánico.
REIS FILHO, N.G., 2000. Imagens de vilas e cidades do Brasil Colonial. São Paulo: EDUSP & Imprensa Oficial.
RIZZINI, C.T., 1976. Tratado de Fitogeografia do Brasil. São Paulo: HUCITEC & Editora da Universidade de São Paulo.
RYAL MILLER, Robert.1983 Por la ciencia y la gloria nacional: la expedición científica española a América (1862-1866). Barcelona: Serbal.
RUSSELL-WOOD, A.J.R., 1992. The Portuguese Empire, 1415-1808: a world on the move. Manchester: Carcanet Press & Fundação Calouste Gulbenkian.
SALGUEIRO, Heliana Angotti (Coord.) 2000. Paisagem e arte: a invenção da natureza, a evolução do olhar. São Paulo: Comitê Brasileiro de História da Arte; CNPq; FAPESP
SANTOS, M., 2008. A natureza do espaço. 4ª.ed. São Paulo: EDUSP.
SCATAMACCHIA, M.C.M., 2005. Cananéia tem história. Cananéia: Prefeitura Municipal de Cananéia.
SCATAMACCHIA, M.C.M., 1990. A tradição policrômica no leste da América do Sul evidenciada pela ocupação Guarani e Tupinambá: fontes arqueológicas e etno-históricas. Tese (Doutorado). Departamento de Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.
SCATAMACCHIA, M.C.M. & UCHÔA, D.P., 1993. O contato euro-indígena visto através de sítios arqueológicos do Estado de São Paulo. Revista de Arqueologia, São Paulo, v. 1, n. 7, p. 153-173.
SCAZZOSI, L., 2003. Le paysage, un document et un monument. Naturopa n. 99: 30-31.
SCHAMA, S., 1996. Paisagem e Memória. São Paulo: Companhia das
SCHIAVETTO, S.N. de O., 2003. A arqueologia Guarani: construção e desconstrução da identidade indígena. São Paulo: Annablume.
SCHIEBINGER, L., 2004. Plants and Empire: Colonial Bioprospecting in the Atlantic World. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.
SCHIEBINGER, L., & SWAN, C., 2005. Colonial Botany: Science, Commerce, and Politics in the Early Modern Wotrld. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.
SIMMONS, I.G., 1979. Biogeography: Natural & Cultural. London: Edward Arnold.
THOMAS, K., 2010. O Homem e o mundo natural. São Paulo: Companhia das Letras.
TURNER, F., 1983. Beyond geography: the Western Spirit against Wilderness. New Brunswick: Rutgers University Press.
WILLIAMS, M., 2006. Deforesting the Earth: From Prehistory to Global Crisis, an abridgment. Chicago: University of Chicago Press.

Código
Créditos
Área de Concentração