Paisagem e Arte – Intervenções Contemporâneas

Objetivos:

• Capacitar os inscritos para a crítica da produção paisagística contemporânea. • Discutir projetos contemporâneos de intervenção na paisagem – na sua diversidade quanto à escala, meios, modos, técnicas e táticas empregados – com ênfase na relação Paisagem / Arte. • Ampliar as possibilidades e o alcance das práticas nos campos disciplinares relativos à Paisagem e à Arte com base no tensionamento mútuo entre estes dois campos.

Justificativa:

Apesar das especificidades dos seus respectivos assuntos, os campos da paisagem e da arte se interpenetram, redefinindo incessantemente as relações entre estes dois termos. Se a noção moderna de paisagem, que já se insinuava na primeira metade do século XIV, nasceu de uma operação estética do olhar informada pela arte da pintura, a influência recíproca não tardou a se manifestar, seja nas materializações in situ, por exemplo no ordenamento do micro cosmo dos jardins (por vezes de grandes dimensões) que passavam a incluir ou mesmo a criar paisagens, seja na tela dos pintores que elegiam as paisagens, por vezes aquelas artificializadas dos jardins (ou “artializadas”, de acordo com Alain Roger), como tema principal. Daí em diante, as relações entre a produção paisagística e a produção artística jamais deixaram de tensionar os dois campos, modificando seus limites, embora não se tratando, obviamente, de uma correspondência automática. Mesmo no período contemporâneo (a partir dos anos 1960) tal permeabilidade se observa de modo cabal nas manifestações da chamada land art e em todas as intervenções que fundem arte e paisagem (já com novos significados) de modo inextricável. Dadas as oscilações bruscas pelas quais ambas as noções vêm passando na contemporaneidade, justifica-se a reconsideração permanente das suas acepções seja no pensamento, seja na própria prática, em outros termos, no próprio fazer artístico-paisagístico. Atentar para o conteúdo artístico nas intervenções paisagísticas e para o conteúdo paisagístico nas intervenções artísticas – tema muitas vezes preterido ou tratado de modo marginal – parece então se colocar como condição indispensável para desenvolver a crítica das intervenções nos campos da paisagem e da arte.

Conteúdo:

O conteúdo da disciplina pode ser expresso na seguinte ementa: • Exame crítico de intervenções contemporâneas na paisagem nos campos do paisagismo e da arte. Ele está centrado no estudo das sintonias, inflexões e rupturas na relação Paisagem / Arte – presentes desde o nascimento da própria noção de paisagem – com vistas ao entendimento de como esta relação se expressa nas intervenções contemporâneas. Propõe-se o seguinte desdobramento do conteúdo: • Paisagem sem paisagistas: “pensamento paisagístico” e “pensamento da paisagem” (A. Berque). • Paisagem, natureza e estética (G. Simmel / J. Ritter):. a paisagem _ “natureza estéticamente presente” (J. Ritter) _ como sucedâneo da compreensão teórica do cosmos. Reflexos na produção pictórica e paisagística . • Destruição e reconstrução da paisagem: novos referenciais; a representação do inefável e do incomensurável (B. Lassus). Reflexos na produção artística e paisagística.

Forma de Avaliação:

Observação:

A avaliação estará baseada na efetiva contribuição dos alunos em suas intervenções no decorrer das aulas teóricas; no interesse, empenho e capacidade de reflexão expressos nas atividades de leitura, de análise de projetos e nas discussões durante os seminários organizados; na clareza, objetividade e substância da monografia que constituirá o trabalho final da disciplina.

Bibliografia:

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas, v. l, Magia e técnica, arte e política, trad. S.P. Rouanet. São Paulo: Brasiliense 1985.
________. Obras escolhidas, v. II, Rua de mão única, trad. de R.R. Torres F. e J.C.M. Barbosa, São Paulo: Brasiliense, 1987.

BERQUE, Augustin. La pensée paysagère. Paris, Archibooks / Sautereur Éditeur, 2008.

BESSE, Jean-Marc. Ver a Terra – Seis Ensaios sobre a Paisagem e a Geografia. Trad. Vladimir Bartalini. São Paulo, Perspectiva, 2006.

CASEY, Edward. Earth-Mapping. Minneapolis, University of Minnesota Press, 2005.

CAUQUELIN, Anne. A Invenção da Paisagem. São Paulo, Martins Fontes, 2007.
DARDEL, Eric. O homem e a Terra. Natureza da realidade geográfica. São Paulo, Perspectiva, 2011.

DE LUE, Rachel Ziady & ELKINS, James (ed.). Landscape theory. New York, Routledge, 2008

FERRIOLO, Massimo Venturi. Etiche del paesaggio. Il progetto del mondo umano. Roma, Editori Riuniti, 2002.

FERRIOLO, Massimo Venturi. Paesaggi rivelati. Passeggiare com Bernard Lassus. Milano, Guerini e Associati, 2006.

FOSTER, Hal. (ed.). The Anti-Aesthetic – Essays on Postmodern Cultures. N. York, The New Press, 2002.

GALOFARO, Luca. Artscapes – El Arte como Aproximación al Paisaje Contemporâneo. Barcelona, Gustavo Gili, 2004.

KASTNER, Jeffrey. & WALLIS, Brian. Land and Environmental Art. N. York, Phaidon, 1998.

KRAUSS, Rosalind E. The originality of the Avant-Garde and Other Modernist Myths. Cambridge, MIT Press, 1993.

KWON, Miwon. One place after another: site-specific art and locational identity, MIT Press, 2002.

LASSUS, Bernard. The landscape approach. Philadelphia, University of Pennsylvania Press, 1998.

LE DANTEC, Jean.Pierre. Jardins et Paysages. Paris, Larousse, 1996.

LEENHARDT, Jacques (org.). Nos jardins de Burle Marx. São Paulo, Perspectiva, 1996.

LENOBLE, Robert. A História da Ideia de Natureza. Lisboa, Edições 70, 2002.

LONG, Richard. Walking the Line. New York, W.W. Norton, 2005.

MADERUELO, Javier. Paisaje, el génesis de um concepto. Madrid, Abada, 2005.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. S”ao Paulo, Martins Fontes, 2006.

PALLAMIN, Vera. Arte Urbana. São Paulo. Região central (1945-1998).
In: http://www.usp.br/fau/fau/ensino/docentes/deptecnologia/v_pallamin/index.html

REED, Peter. Groundswell – Constructing the Contemporary Landscape. N. York, The Museum of Modern Art, 2005.

RITTER, Joachim. Paysage – Fonction de L’Esthétique dans Ia Societé Moderne. Besançon, Les Éditions de Ulmprimeur, 1997.
ROGER, ALAIN (dir.). La théorie du paysage en France 1974-1994. Seyssel, Champ Vallon, 1995.

ROGER, Alain. Court Traité du Paysage. Paris, Gallimard, 1997.

SALGUEIRO, Heliana Angotti. Paisagem e Arte. São Paulo, CBHA, CNPq, FAPESP, 2000.

SANTOS, Laymert Garcia dos. Politizar as novas tecnologias. São Paulo, Editora 34, 2003.

SIMMEL, Georg. La tragédie de la culture et autres essais. Trad. Sabine Cornille, Philippe Ivernel. Paris, Rivages, 1988.

SMITHSON, Robert. Um passeio pelos monumentos de Passaic, New Jersey, in Espaço & Debates 43-44. São Paulo, vol. 23, jan/dez 2003, pp. 120-8. Trad. Agnaldo Farias.

TABACOW, José (org.). Roberto Burle Marx – Arte e Paisagem – conferências escolhidas. São Paulo, Studio Nobel, 2004.

TARASANTCHI, Ruth S. Pintores paisagistas. São Paulo, Edusp, Imprensa Oficial SP, 2002.

TSAI, Eugenie, BUTLER, Cornelia (org.) Robert Smithson. Los Angeles, The Museum of Contemporary Art, 2004.

TIBERGHIEN Gilles A. Nature, art, paysage. Actes Sud/ENSP, Arles/Versailles, 2001

WALKER, Peter. & LEVY, Leah. Minimalist Gardens. Washington, DC, Spacemaker Press, 1997.

Código
Créditos
Área de Concentração