Projeto Arquitetônico: Critérios para Adequação Climática das Edificações

Objetivos:

A disciplina tem por objetivo apresentar procedimentos e métodos de cálculo de desempenho térmico de edificações, que quando aplicados na fase de concepção do projeto arquitetônico contribuem para a adequação climática de edificações, visando o conforto térmico por meio do condicionamento natural (ventilação natural). A aplicação dos principios para a adequação climática, assim como dos métodos de avaliação de desempenho também auxiliam a elaboração de projetos arquitetônicos voltados para o condicionamento artificial, com o objetivo de promover a minimização do consumo de energia para a climatização dos ambientes.

Justificativa:

O conforto térmico é pré-requisito indispensável na elaboração de projeto arquitetônicos de qualidade ambiental, inclusive quando associado à redução no consumo de energia elétrica de sistemas de ar condicionado. Preocupações para com o desempenho térmico e energético das edificações vem ganhando uma importancia crescente nos cenários nacional e internacional da produção arquitetônica, nas ultimas duas décadas. No ambito da arquitetura comercial, essa situação tem levado a uma revisão dos padrões convencionais de projeto e a retomada/ ou revalorização dos principios e métodos da arquitetura adequada ao clima. Assim sendo, cabe aos profissionais que atuam na área das edificações a busca de procedimentos e informações técnicas que levem a soluções que promovam o conforto térmico a partir de decisões de projeto desde a sua concepção.

Conteúdo:

1. Conceito de adequação da arquitetura ao clima. 2. Procedimentos para tratamento dos dados climáticos. 3. Diagnóstico climático e sua aplicação na fase de concepção do projeto. Critérios para identificar os períodos em que é possível obter conforto térmico sem recorrer aos sistemas ativos de condicionamento térmico. 3. Exigencia humanas. 4. Procedimentos para identificar os limites de conforto térmico em função das características climáticas locais. 4. Ênfase nas estratégias de ventilação natural. 5. Influência do entorno imediato no desempenho térmico das edificaões. 6. Normas relativas as condições de conforto térmico. 7. Métodos analíticos de avaliação de desempenho térmico , inclusive com a apresentação de aplicações e resultados de métodos computacionais. O embasamento teorico sobre o tema do conforto térmico será acompanhado da apresentação de estudos de caso e aulas práticas com exercicios de cálculo.

Forma de Avaliação:

Observação:

O desempenho dos alunos é feito com base na qualidade e no rigor técnico do trabalho de curso (avaliado de zero a dez). O estudo técnico consiste na investigação do desempenho térmico do edificio selecionado como estudo de caso, incluindo duas partes: pesquisa de campo com a mediação de variáveis ambientais nos espaços internos e trabalhos analiticos com o suporte de metodos de calculo simplificado e estudos de geometria. O trabalho da disciplina deve ser desenvolvido em grupo de pelo menos dois alunos. O programa da disciplina preve pelo menos uma apresentação intermediária do trabalho em andamento e tres atendimentos antes da entrega final, que por sua vez, também é acompanhada por uma apresentação sussinta do trabalho final.

Bibliografia:

ASHRAE handbook of fundamentals.-Atlanta, American Society of Heating, Refrigerating and Air-conditioning Engineers. 1985.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6401, Instalações centrais de ar condicionado para conforto: parâmetros básicos de projeto-Procedimentos. Rio de Janeiro, 1978. 19. ALUCCI, M.P., Conforto térmico, conforto luminoso e conservação de energia elétrica. Procedimentos para desenvolvimento e avaliação de projeto de edificações, 1992. (Tese de Doutorado, FAUUSP).
CENTRE SCIENTIFIQUE ET TECHINIQUE DU BATIMENT. Règles de calcul de caracteristiques thermiques utiles des parois de construction. Paris. 1977 (Document Thecnique Unifié, REEF 58).
CLEMENT, D. et alii, Vers une base de connaissancesen modélisation thermique du bâtiment. Elément d´analyse d´une modélothèque. Third International congress on Building Energy Management, Lausanne, 1987.
FANGER, P.O., Thermal confort, analysis and application in environmental engineering. New York, McGraw-Hill, 1972.
FUNARI, F.L., Insolação, radiação solar global e radiação líquida no Brasil. São Paulo, 1984 (Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Geografia da FFLCH-USP).
GIVONI, B,. Man, climate and architecture. London, Elsevier, 1976.
GONCALVES, Joana Carla Soares. The Environmental Peformance of Tall Buildings. London: Earthscan, 2010.
GONZALEZ, E. et alii, Proyecto clima y arquitectura, Universidad Del Zulia, Facultad da Arquitectura, México, Gustavo Gili, 1986.
GUISI, E., GOSCH, S., LAMBERTS, R. Electricity end-uses in the residential sec¬tor in Brazil. Energy Policy 35. Elsevier, 2007.
INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO SA., Desempenho térmico de edificações habitacionais e escolares: Manual de procedimentos para avaliação. São Paulo, 1987 (Anexo do relatório IPT n.º 24918).
INTERNATIONAL ENERGY AGENCY, Source book for energy auditors, vol. 1 and 2., Stockholm Ed. M.B. Lyberg, 1987.
INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO SA., Elaboração de diretrizes para avaliação de projetos arquitetônicos visando racionalizar o consumo energético em sistemas de condicionamento térmico de ambientes. São Paulo, 1989 (relatório IPT n.º 27409).
IPT, Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado De São Paulo SA., Elaboração de diretrizes para avaliação de projetos arquitetônicos visando racionalizar o consumo energético em sistemas de condicionamento térmico de ambientes. São Paulo, 1989 (relatório IPT n.º 27409) –
MATHEWS, E.H. & JOUBERT, P.H., Minimising energy consumptionin passive buildings by apropriate design. Third International Congress on Building Energy Management, Lausanne, Proceedings, 1987.
Marcondes, M. P. Solucoes de fachadas para edificios de escritorio com ventilacao natural em São Paulo. FAUUSP, São Paulo, 2010. (Tese de Doutorado, FAUUSP)
MEIR, I., ROAF, S. The Future of Vernacular. In: Vernacular Architecture in the Twenty-First Century. Taylor and Francis, 2006.
NICOL, F., WILSON, M. An overview of European Standard EN 15251. In: Adapting to Change: New Thinking on Comfort., 2010.
OLGYAY, V & OLGYAY, O., Design with climate. New Jersey, Princeton University, 1963 –
RIVERO, R., Arquitetura e clima: condicionamento térmico natural, Porto Alegre: D.C. Luzzato Editores: Ed. da Universidade, UFRGS, 1985. 16. KUSUDA, T., A variable-base degree day method for simplified residential energy analysis. Washington, National Bureau of Standards, 1981.
SATTLER, M.A., A computer program for the thermal design of unconditioned buildings. Sheffield, Department of Building Science, University of Sheffield, 1986.
SATTLER, M.A., The generation of climatic building design data from meteorological data, with particular reference to Porto Alegre, Brasil. Sheffield, Department of Building Science, University of Sheffield, 1986.
VAN STRAATEN, J.F. & WENTZEL, J.D., The prediction of the thermal perfomance of buildings by simplified empirical procedure. National Building Research Institute. Pretoria, 1981.
Yannas, S. Solar Control. In: Design for Summer Comfort. Book 1, Chapter 4. EC Atlener Programme, 2000.