Questões de História da Urbanização

Objetivos:

Tem por objetivo destacar as questões teóricas e metodológicas que fundamentam o estudo da História da Urbanização.

Justificativa:

O estudo da História da Urbanização apresenta algumas questões teórico-metodológicas, muito relevantes, que devem ser estudadas em seu caráter geral, sem vínculos diretos com um período determinado, especialmente no nível de pós-graduação. A disciplina busca enfrentar problemas inerentes à realidade urbana nacional e internacional, em perspectiva histórica de longa duração, instrumentalizando os alunos para a prática do Desenho Urbano, do Planejamento Territorial e Urbano e da Preservação e Conservação do Patrimônio Cultural (Arquitetônico, Urbanístico e Paisagístico). Visa fornecer arcabouço conceitual e metodológico, com base na leitura de bibliografia atualizada e no estudo de fontes primárias – textuais e visuais. Na perspectiva da História da Urbanização, entende a apropriação e produção do espaço – do território ao intraurbano – como um processo social, analisando os diversos atores envolvidos, as práticas e as representações, os encontros culturais e os processos de fertilização mútua, o jogo das escalas geográficas e das temporalidades.

Conteúdo:

As questões teóricas fundamentais no estudo da história da urbanização – conceitos de história, de urbanização, de urbanismo e de cidade. As questões sobre a origem e o desenvolvimento da urbanização. A urbanização na época industrial. Questões sobre a urbanização no Brasil no período colonial, nos séculos XIX, XX e, especialmente, no XXI. A cada ano são escolhidos diferentes temas para ilustrar o exame das mesmas questões.

Forma de Avaliação:

O aproveitamento será avaliado com base na entrega de um trabalho final sobre temática de interesse do aluno, no âmbito da História da Urbanização e do Urbanism

Observação:

Bibliografia:

CADERNOS DO LAP (Laboratório de Estudos sobre Urbanização, Arquitetura
e Preservação):

01 – Algumas experiências urbanísticas no início da República. Nestor Goulart Reis
02 – Habitação popular no Brasil: 1880-1920. Nestor Goulart Reis
03 – Notas sobre o urbanismo barroco no Brasil. Nestor Goulart Reis.
05 – O ideário do urbanismo em São Paulo em meados do século XX. O Padre Lebret: continuidades, rupturas e sobreposições. Celso Monteiro Lamparelli
06 – A vivência da realidade e a prática do fazer: Movimento Universitário de desfavelamento. Marta S. Tanaka & equipe LAP/FINEP
07 – Engenho S. Jorge dos Erasmos: estudos de preservação. Paul Meurs.
08 – Notas sobre o urbanismo no Brasil. Primeira Parte: período colonial. Nestor Goulart Reis.
09 – Nota sobre o urbanismo no Brasil – Segunda parte: séculos XIX e XX. Nestor Goulart Reis.
10 – Notas sobre planejamento e método. Rebeca Scherer
11 – Urbanização e planejamento no Brasil: 1960-1983. Nestor Goulart Reis.
12 – Notas sobre a organização das Regiões Metropolitanas. Nestor Goulart Reis
13 – O Brasil Urbano na Constituição – Nestor Goulart Reis
14 – Apropriação do solo Urbano e Política Habitacional – Nestor Goulart Reis
15 – Metodologia de Pesquisa aplicada à Arquitetura e ao Urbanismo – Celso Monteiro Lamparelli
16 – Por uma política de conservação: edifícios e bairros construídos no século XX. Nestor Goulart Reis Filho
17 – Nota Introdutória Sobre a Construção de um Objeto de Estudo: O Urbano – Celso Monteiro Lamparelli
19 – Resumo das aulas do Prof. Nestor Goulart Reis Filho na disciplina AUH 237 – Urbanização e Urbanismo no Brasil – I. Notas preparadas pelo arquiteto Ricardo Hernán Medrano.
20 – Notas sobre História da Arquitetura e aparência das vilas e cidades. Nestor Goulart Reis Filho.
21 – Política Habitacional no Brasil: retrospectivas e perspectivas. Suzana Pasternak Taschner.
22 – A política heterodoxa de habitação popular operacionalizada em São Paulo através do FUNAPS. Renata M. Gomide e Marta S. Tanaka.
25 – Arquitetura Jesuítica no Brasil – Robert Chester Smith.
26 – Modos de morar na rua – Suzana Pasternak Taschner e Elaine Rabnovich.
27 – Mutirões e autogestão em São Paulo. Habitação popular na gestão Erundina – Paulo Emílio Buarque Ferreira.
28 – Cidade dos Anéis – – Suzana Pasternak Taschner.
29 – Notas sobre a evolução dos estudos de História da Urbanização e do Urbanismo – Nestor Goulart Reis.
30 – A Urbanização e o Urbanismo na região das minas – Nestor Goulart Reis.
31 – Vilas paulistas do século XVII – Nestor Goulart Reis.
35 – Práticas urbanísticas contemporâneas. O urbanismo privado nos EUA – Roberto Silva e Nestor Goulart Reis.
36 – “Desenhar” (projetar) em Portugal e Brasil nos séculos XVI-XVIII – Beatriz Piccolotto Siqueira Bueno.
37 – A Arte da Ruação e a cidade luso-brasileira/ O arquiteto Miguel de Arruda e o primeiro projeto para Salvador – Rafael Moreira.
38 – Pierre Patte: Memória sobre os objetos mais importantes da Arquitetura – Ivone Salgado.
39 – Desenhando os espaços da pobreza – Suzana Pasternak.

BIBLIOGRAFIA SOBRE QUESTÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS

ALMEIDA, M.R.C. de. História e Antropologia. In: CARDOSO, C. F. e VAINFAS, R. Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2º edição, 2012.
ANDERSON, B. Comunidades imaginadas. São Paulo: Cia. das Letras, 2008.
ANDERSON, P. A crise da crise do Marxismo. São Paulo: Brasiliense, 1984.
ARGAN, G. C. Projeto e destino. São Paulo: Editora Ática, 2001.
BAIROCH, P. De Jericó a México. México: Gal Trillas, 1990.
BRAUDEL, F. Escritos sobre a História. São Paulo: Perspectiva, 2007.
BRESCIANI, S.; NAXARA, M. (orgs.). Memória e (res)sentimento. Campinas: Editora da UNICAMP, 2004.
BURKE, P. A Escola dos Annales (1929-1989): a Revolução Francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1997.
_________. História e teoria social. São Paulo: Editora da UNESP, 2002.
_________. O que é História Cultural? Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
CARDOSO, C.F. e VAINFAS, R. Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2º edição, 2012.
CARDOSO, C.F. “História e Conhecimento”. In: CARDOSO, C. F. e VAINFAS, R. Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2º edição, 2012.
CARR, E. H. O que é História? 3ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano. Artes de Fazer. 2ª.ed. Petrópolis: Vozes, 1994.
______________. A invenção do cotidiano. Morar, cozinhar. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.
CHARTIER, R. A História Cultural. Entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.
GINZBURG, C. et al. A micro-história e outros ensaios. Lisboa/ Rio de Janeiro: Difel/ Bertrand Brasil, 1989.
GINZBURG, C. Relações de força: história, retórica e prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
______________. Mitos, emblemas, sinais. Morfologia e História. 2ª. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
GORELIK, A. Miradas sobre Buenos Aires: História Cultural y Crítica Urbana. Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina, 2004.
GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. São Paulo: Civilização Brasileira, s/d.
HARLEY, K. (ed.). History and material culture. N. York: Routledge, 2009
HARVEY, D. Condição Pós-Moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 11ª. Ed. São Paulo: Edição Loyola, 2002.
____________. A produção capitalista do espaço. 2a. ed. São Paulo: Annablume, 2006.
HOBSBAWN, E. “From Social History to the History of Society”. In: GILBERT, F. GRAUBARD, S. Historical Studies Today. N. York: W. Norton, 1972, pp. 1-26.
HOBSBAWM, E. J. Nações e nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1990.
LEPETIT, B. Les Villes de La France moderne (1740-1840). Paris: Albin Michel, 1988.
__________. Por uma nova história urbana/ Bernard Lepetit; seleção de textos, revisão crítica e apresentação Heliana Angotti Salgueiro. São Paulo: Edusp, 2001.
MAGNANI, J. G. Na Metrópole: textos de Antropologia Urbana. São Paulo: EDUSP, 2000.
MENESES, U. B. de. “O objeto material como documento”, aula ministrada no curso “Patrimônio cultural: políticas e perspectivas”, organizado pelo IAB/ CONDEPHAAT em 1980. Mimeo.
___________________. A História, cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das Ciências Sociais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, v. 34, 1992, p. 9-24.
____________________. Morfologia das cidades brasileiras: introdução ao estudo histórico da iconografia urbana. Revista da USP: Dossiê Brasil dos viajantes. São Paulo, n. 30, jun.-ago., 1996, p. 144-155.
____________________. A problemática do imaginário urbano: reflexões para um tempo de globalização. Revista da Biblioteca Mário de Andrade. São Paulo, v. 5, jaN.-DEZ., 1997, p. 11-20.
____________________. “A paisagem como fato cultural”. In: YÁZIGI, Eduardo (org.). Turismo e Paisagem. São Paulo: Contexto, 2002, p. 29-64.
____________________. Fontes visuais, cultura visual, história visual. Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 23, n. 45, 2003, p. 11-36.
____________________. “A fotografia como documento – Robert Capa e o miliciano abatido na Espanha: sugestões para um estudo histórico. Tempo. Rio de Janeiro, n. 14, jan.-jun., 2003, p. 131-151.
____________________. “Rumo a uma História Visual”. In: MARTINS, J. S.; ECKERT, C.; NOVAES, S. C. (orgs). O imaginário e o poético nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 2005, p. 33-56.
____________________. “História e imagem: iconografia, iconologia e além”. In: CARDOSO, C. F. e VAINFAS, R. Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2º edição, 2012.
MONTEIRO, P. M. A queda do aventureiro. Aventura, cordialidade e os novos tempos em Raízes do Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP/ Fapesp, 1999.
MOTA, C. G. História e contra-história. Perfis e contrapontos. São Paulo: Globo, 2010.
NOVAIS, F. Aproximações. Estudos de História e Historiografia. São Paulo: Cosac Naify, 2005.
REDE, M. “História e cultura material”. In: CARDOSO, C. F. e VAINFAS, R. Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2º edição, 2012.
REIS FILHO, N. G. Algumas Raízes. Revista Pós – Número Especial – Anais do Seminário Nacional O Estudo da História na Formação do Arquiteto. São Paulo, FAUUSP, 1996.
RONCAYOLO, M. La ville et sés territoires. Paris: Éditions Gallimard, 1990.
RONCAYOLO, M.; PASQUOT, T. (dir.). Villes et civilisation urbaine: XVIIIe-XX siècles. Paris: Larrousse, 1992.
SANTOS, M. A natureza do espaço. 4ª. Ed. São Paulo: Edusp, 2008.
SCHAFF, A. História e Verdade. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1983.
SCHLERETH, T. J. Cultural History and Material Culture. Everyday life, landscapes, museums. Ann Arbor, Mich., UMI Research Press, 1990.
SINGER, P. Economia Política da Urbanização. SP: Brasiliense, s/d.
TILLEY, C. (ed.) Reading material culture. Cambridge, Mars: Basil Blackwell, 1990.
THERNSTROM, S. “Reflections on the New Urban History”. In: GILBERT, F. e GRAUBARD, S. Historical Studies Today. N. York: W. Norton, 1972, pp. 320-336.
THOMPSON, E. P. A miséria da teoria. RJ: Editora Zahar, 1981.

BIBLIOGRAFIA SOBRE O BRASIL

1 – PERÍODO COLONIAL

ABREU, M. de. Geografia Histórica do Rio de Janeiro (1502-1700). Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio, 2011. Vols. 1 e 2.
ANDRADE, F. de P. D. de. Subsídios para o estudo da influência da legislação na ordenação e na arquitetura das cidades brasileiras. São Paulo, POLI-USP, 1966. 376p. (Tese para Cátedra).
ARAÚJO, R. M. de. As cidades da Amazónia no século XVIII: Belém, Macapá e Mazagão. Porto: FAUP, 1998.
________________ et al. Colectânea de Estudos Universo Urbanístico Português 1415-1822. Lisboa: CNCDP, 1998, p. 507-536.
________________. A urbanização do Mato Grosso no século XVIII. Discurso e método. Tese de Doutorado em História da Arte, Universidade Nova de Lisboa – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, 2000. Vols. 1 e 2.
________________et al. Actas do Colóquio Internacional Universo Urbanístico Português 1415-1822. Lisboa: CNCDP, 2001.
AZEVEDO, A. de. Vilas e Cidades do Brasil Colonial. Ensaio de geografia urbana retrospectiva. São Paulo, FFLCHUSP, 1956, 96p. (Boletim da FFCL Geografia, 11).
BARRETO, P. T. “O Piauí e sua Arquitetura”. Revista SPHAN , nº 2, Rio, 1940.
BICALHO, M. F. A cidade e o Império: O Rio de Janeiro no século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
BORREGO, M. A.de M. A teia Mercantil. Negócios e poderes em São Paulo colonial (1711-1765). São Paulo: Alameda, 2010.
BUENO, B. P. S. Desenho e Desígnio: o Brasil dos engenheiros militares. Oceanos [A construção do Brasil urbano]. Lisboa: CNCDP, 41: 40-58, jan.-mar. 2000.
_______________. Desenho e Desígnio: o Brasil dos engenheiros militares (1500-1822). São Paulo: EDUSP/ Fapesp, 2011.
_______________.O ensino de arquitetura nas Aulas de Engenharia Militar da Bahia no século XVIII. Desígnio, n. 1. São Paulo: Anna Blume/ FAUUSP, mar/2004, pp. 93-100.
_______________.Decifrando mapas: sobre o conceito de território e suas vinculações com a cartografia. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, n.12, p. 193-234, 2004.
_______________.Tecido Urbano e mercado imobiliário em São Paulo; metodologia de estudo com base na Décima Urbana de 1809. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, n.13, p. 49-99, 2005.
CORREIA, J. E. H. Pragmatismo e utopismo na criação urbanística de raiz portuguesa no século XVIII. Comunicação apresentada no II Congresso do Barroco no Brasil, realizado em Ouro Preto em 1989.
DEFFONTAINES, P. Como se constituiu no Brasil a rede de cidades. Boletim Geográfico, São Paulo FFCLUSP (14): 14-8, 1933, (145: 229-308, 1944).
DELSON, R. M. Novas Vilas para o Brasil-Colônia. Planejamento espacial e social no século XVIII. Brasília: Ed. Alva-Ciord, 1997.
FLEXOR, M. H. O. “As vilas pombalinas do século XVIII: estratégias de povoamento”. In: V seminário de história da cidade e do urbanismo, São Paulo: PUCCAMP, 1998.
FONSECA, C. D. Comment mesurer lês écarts entre lês degrés d´urbanité et lês titres urbains? Les cãs des Villes coloniales portuguaises Du Minas Gerais (Brésil, XVIIIe – début Du XIXe siècle). Histoire & Mesure, v. XXIV, n. 2, 2009, p. 109-146.
________________. Arraiais e vilas d´el Rei. Espaço e poder nas Minas Setecentistas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.
FRANÇA, J. A. Lisboa Pombalina e o Iluminismo. 3a. ed. Lisboa: Bertrand Editora, 1987.
FRIDMAN, F. Donos do Rio em nome do Rei. Uma história fundiária da cidade do Rio de Janeiro. 2ª ed. Jorge Zahar Editor/ Garamond, 1999.
___________; ABREU, Maurício de (orgs.). Cidades latino-americanas. Um debate sobre a formação de núcleos urbanos. Rio de Janeiro: Casa da Palavra/ Faperj, 2010.
GLEZER, R. Chão de terra e outros ensaios sobre São Paulo. São Paulo: Alameda, 2007.
GUERREIRO, I. Fronteiras do Brasil Colonial: a cartografia dos limites na segunda metade do século XVIII. Oceanos [A formação territorial do Brasil], 40, out.-dez., 1999.
GUTIÉRREZ, R. Arquitectura y Urbanismo en Iberoamerica. Madrid: Ediciones Cátedra, 1992.
HARDOY, J. E. Evolución de la legislación urbana para hispanoamérica durante el siglo XVI In: ALOMAR, Gabriel (coord.). De Teotihuacán a Brasília. Estudios de História urbana iberoamericana y filipina. Madrid: Instituto de Estudios de Administración Local, 1987. p. 80-105.
HOLANDA, S. B. de. O semeador e o ladrilhador. In: Raízes do Brasil. 26ª ed. São Paulo, Companhia das Letras, 1995.
KANTOR, I.; BUENO, B. P. S.; FERLINI, V. Anais do Museu Paulista: Dossiê -Território em rede: cartografia vivida e razão de Estado no Século das Luzes. v. 17, n. 2, jul.-dez., 2009.
MARX, M. Nosso chão: do sagrado ao profano. São Paulo: EDUSP, 1989.
_________. Cidade no Brasil: Terra de quem? São Paulo: Nobel/Edusp, 1989.
_________. Cidade no Brasil em que termos? São Paulo: Studio Nobel, 1999.
MENEZES, J. L. M. Olinda e Recife: 1537-1630. Oceanos, 41. Lisboa: CNCDP, jan.-mar. 2000: 136-150.
REIS FILHO, N. G. Quadro da Arquitetura no Brasil. São Paulo, Perspectiva, 1987.
________________. Urbanização no Brasil: 1580/1750. In: História Urbana Iberoamericana – Tomo II – Madrid, Consejo Superior de Los Colegios de Arquitectos de España – Comisión Nacional – Quinto Centenário – Vol. II. (xerox)
________________. Urbanização no Brasil: 1750-1850. In: História Urbana Iberoamericana – Tomo II – Madrid, Consejo Superior de Los Colegios de Arquitectos de España – Comisión Nacional – Quinto Centenário – Vol. II. (xerox)
_________________. Evolução Urbana do Brasil 1500/1720. 2ª ed. São Paulo: PINI, 2001.
_________________. Imagens das Vilas e Cidades do Brasil Colonial. São Paulo:EDUSP/Imprensa Oficial do Estado, FAPESP, 2000.
Robert C. Smith (1912-1975). A investigação na História de Arte. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000. (Catálogo de exposição).
ROSSA, W. A cidade portuguesa In: História da Arte Portuguesa. Barcelona, Círculo de Leitores, 1995. Vol. III.
___________. “O urbanismo regulado e as primeiras cidades coloniais portuguesas”. In: ÁRAUJO, Renata et al. Colectânea de Estudos Universo Urbanístico Português 1415-1822. Lisboa: CNCDP, 1998, p. 507-536.
__________ (org.). Oceanos [A construção do Brasil Urbano], Lisboa, CNCDP, 41, 2000.
__________. Cidades Indo-Portuguesas. Contribuições para o estudo do urbanismo português no Hindustão Ocidental. Lisboa: CNCDP, 1997.
__________. A urbe e o traço. Uma década de estudos sobre o urbanismo português. Coimbra: Livraria Almedina, 2002.
SANTOS, P. F. Formação de Cidades no Brasil Colonial. RJ: Ed. UFRJ, 2001.
SMITH, R. C. “A Cidade”. In: As Artes na Bahia. 1ª Parte. Arquitetura Colonial. Livraria Progresso Editora, 1955.
TERAN, F. de. La ciudad hispanoamericana. El sueño de un orden. Madrid: CEHOPU, 1989. (Catálogo de exposição).
TEIXEIRA, M. e VALLA, M. O urbanismo português. Séculos XIII-XVIII. Portugal-Brasil. Lisboa: Livros Horizonte, 1999.
TODOROV, T. A conquista da América. A questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

2 – SÉCULOS XIX, XX e XXI

ANDRADE, C. R. M. de. A Peste e o Plano. O urbanismo sanitarista do Eng. Saturnino de Brito. São Paulo, Dissertação de Mestrado, FAUUSP, 1992. 2 vols.
_________________. Barry Parker: um arquiteto inglês na cidade de São Paulo. Tese de doutorado, FAUUSP, 1998.
BARBUY, H. A cidade-exposição. Comércio e cosmopolitismo em São Paulo, 1860-1914. São Paulo: EDUSP, 2006.
BRITO, M. S. Modernização e tradição: urbanização, propriedade imobiliária e crédito hipotecário em São Paulo, na segunda metade do século XIX. Tese de Doutorado, DG-FFLCH-USP, 2006.
____________. A participação da iniciativa privada na produção do espaço urbano. São Paulo, 1890-1911. São Paulo: FAUUSP, 2008.
BONDUKI, N. Origens da habitação social no Brasil. 2ª. ed. São Paulo: Estação Liberdade/ FAPESP, 1998.
BUENO, B.P. S. Aspectos do mercado imobiliário em perspectiva histórica. São Paulo, 1809-1950. São Paulo: FAUUSP, 2008.
BRUNO, Ernani da Silva. História e tradições da cidade de São Paulo. São Paulo, Hucitec, 1984. 3 vols.
CAMPOS NETO, C. M. Os rumos da cidade. Urbanismo e modernização em São Paulo. São Paulo: Editora SENAC, 2002.
CAMPOS, Cristina de. São Paulo pela lente da higiene. As propostas de Geraldo Horácio de Paula Souza para a cidade (1925-1945). São Paulo: Fapesp/ Rima, 2002.
CORBIN, A. O território do vazio. A praia e o imaginário ocidental. São Paulo: Cia das Letras, 1989.
FERREZ, M. O álbum da Av. Central. Um documento fotográfico da construção da Avenida Rio Branco. Rio de Janeiro, 1903-1906. São Paulo: João Fortes/ Ex-Libris, 1982.
FREHSE, F. Ô da Rua! O transeunte e o advento da Modernidade em São Paulo. São Paulo: EDUSP, 2011.
FICHER, S. Os arquitetos da Poli. São Paulo: EDUSP, 2005.
GITAHY, M. L. (org.). Desenhando a cidade do século XX. São Paulo: Rima, 2005.
GROSTEIN, M. D. A cidade clandestina: os ritos e os mitos. O papel da irregularidade na estruturação do espaço urbano no município de São Paulo 1900-1987. Tese de doutoramento, FAUUSP, 1987.
HOMEM, M. C. N. O Palacete Paulistano. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
________________. Higienópolis. São Paulo: EDUSP, 2011.
LEFÈVRE, J. E. de A. De beco a Avenida. A história da Rua São Luiz. São Paulo: EDUSP, 2006.
LEME, M. C. S. Urbanismo no Brasil 1895-1965. SP, Fupam/Nobel/ FAUUSP, 1999.
LEMOS, C. Alvenaria Burguesa. São Paulo: Nobel, 1985.
_________. A República ensina a morar (melhor). São Paulo: HUCITEC, 1999.
MARINS, P. C. G. Através da Rótula. Sociedade e Arquitetura Urbana no Brasil, séculos XVII a XX. São Paulo: Humanitas, 2001.
MEYER, R. Metrópole e Urbanismo. São Paulo Anos 50. Tese de Doutorado apresentada à FAUUSP, 1991.
_________ (org.). O Centro das Metrópoles. Reflexões e propostas para a cidade democrática do século XXI. São Paulo: Editora Terceiro Nome/ Viva o Centro/ Imprensa Oficial do Estado, 2001.
___________; GROSTEIN, Marta & BIDERMAN, Ciro. São Paulo Metrópole. São Paulo: EDUSP/ Imprensa Oficial, 2004.
OLIVEIRA, M. L. F. de. Entre a casa e o armazém. São Paulo: Alameda, 2005.
PECHMAN, S.e FRITSCH, L. A reforma e seu avesso. Cultura e Cidades. Revista Brasileira de História – ANPUR, nº 8 e 9 – 1984/85 – pg. 139.
PORTAS, N. Os tempos das formas nas cidades lusas do Brasil. Oceanos, 41. Lisboa: CNCDP, jan.-mar. 2000: 162-173.
REIS FILHO, N. G. Aspectos da História da Engenharia Civil em São Paulo 1860-1960. São Paulo, CBPO – Editora Kosmos, 1989. 255p.
_________________. São Paulo e outras Cidades. São Paulo: Hucitec, 1994.
__________________. Campos Elíseos: a Casa e o bairro. Tecnologia da construção civil em 1900. São Paulo: Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico/ IMESP, s/d.
___________________. São Paulo: Vila, Cidade Metrópole. São Paulo: Bank Boston, 2004.
___________________. Notas sobre Urbanização Dispersa e Novas Formas de Tecido Urbano. São Paulo: LAP/ FAPESP/ Via das Artes, 2006.
____________________. Dois séculos de projetos no Estado de São Paulo. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2010. Vols. 1-3.
ROLNIK, R. A cidade e a lei. Legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. 3ª ed. São Paulo: Studio Nobel/ Fapesp, 2003.
SEGAWA, H. Prelúdio da Metrópole. Arquitetura e urbanismo em São Paulo na passagem do século XIX ao XX.SP, Ateliê Editorial, 2000. (TGI-1979)
SAMPAIO, M. R. A. de (coord.). São Paulo: 1934-1938; os anos da administração de Fábio Prado. São Paulo: USP/ FAU, 1999.
___________________ (org.). A promoção privada de habitação econômica e a arquitetura moderna 1930-1964. São Paulo: Rima/ Fapesp, 2002.
SEVCENKO, N. A revolta da vacina. São Paulo: Cosac Naify, 2010.
SINGER, P. Desenvolvimento Econômico e Evolução Urbana. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1968.
SANTOS, M. A Cidade nos Países Subdesenvolvidos. Brasília: Ed. Civilização, 1965.
SANTOS, M. Espaço e Método. São Paulo: Ed. Nobel, 1985.
SANTOS, M. Espaço e Sociedade. Petrópolis: Ed. Vozes. 1979.
TOLEDO, B. L. de. São Paulo: três cidades em um século. São Paulo: Duas Cidades, 1983.
________________. Prestes Maia e as origens do urbanismo Moderno em São Paulo. São Paulo, Empresa das Artes, 1996.
Uma cidade em questão I: Grandjean de Montigny e o Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: PUC/FUNARTE/Fundação Roberto Marinho, 1979.
VILLAÇA, F. A Estrutura Territorial da Metrópole Sul Brasileira: áreas residenciais e comerciais. São Paulo, FFLCH, 1978.
___________. Espaço intra-urbano no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Studio Nobel/ Fapesp/ Lincoln Institute, 2001.
WOLFF, S. F. S. Jardim América: o primeiro bairro-jardim de São Paulo e sua arquitetura. São Paulo: PAPESP/ EDUSP/ Imprensa Oficial do Estado, 2001.

Código
Créditos
Área de Concentração