Sistemas de Informação Espacial

Objetivos:

1.apresentar conceitos de modelagem de dados; 2. identificar informações de interesse para estudos urbanos e regionais; 3. introduzir as diferentes tecnologias de aquisição, manipulação e análise de dados comuns e georreferenciados e; 4. ilustrar a aplicação dessas tecnologias nos meios urbano e regional.

Justificativa:

A utilização de Sistemas de Informação Geográfica (SIG) permite a realização de estudos e análises que antes eram consideradas impraticáveis. O conteúdo de mapas e documentos, uma vez armazenados e estruturados em bancos de dados, permitem recuperação rápida de informações, análises complexas e simulações. Sistemas de processamento de dados acessíveis e interfaces homem-máquina amigáveis, características dos microcomputadores atuais, são elementos que contribuem para a difusão dessa tecnologia. Como consequência, tem-se observado o uso crescente de sistemas de informação espacial tanto em órgãos públicos de gestão e planejamento como em empresas privadas, instituições essas que possuem arquitetos, quer em seus quadros técnicos, quer em cargos de direção. O uso dessa tecnologia no cadastro de bens, e mapeamento de de uso e ocupação do solo tem sido exigido tanto por órgãos governamentais como de financiamento em projetos e planos urbanos e regionais. Seu uso correto, entretanto, requer conhecimento teóricos, em especial a modelagem e o processamento de dados em geral e de geoprocessamento em particular. A disciplina proposta atende a este requisito, além de buscar transmitir a prática com base em estudos de casos reais. (A disciplina é parte integrante da Área de Concentração “Tecnologia da Arquitetura“ Linha de Pesquisa: “Processo de Produção da Arquitetura e do Urbanismo” parte integrante das linhas de pesquisa do Currículo Lattes do Docente Responsável, com produção acadêmica, projetos de pesquisa e orientações em andamento e/ou concluídos no tema. Inobstante, a disciplina tem sido cursada também por alunos de outras áreas de concentração da FAU e de outras unidades da USP.)

Conteúdo:

• uso de modelos, necessidades de informação, níveis de abstração de informações e dados tipos e modelos de dados; • bancos de dados, sistemas gerenciadores de banco de dados, linguagens de definição e de manipulação de dados; • uso de software de consulta e atualização de informações de interesse do planejamento urbano e regional; • dados espaciais, representação de objetos e do contínuo, imagens vetoriais e raster, integração e análise de dados espaciais; • sistemas de informação espacial, modelos e bancos de dados georreferenciados, extensões às linguagens de manipulação de dados; • mapas terrestres: projeções e sistemas de coordenadas; • fontes e tecnologias de aquisição de dados, digitalização, vetorização, geocodificação e análises espaciais; • exemplos práticos de aplicações como: mapeamento do uso do solo, estudos demográficos, gestão de patrimônio, análise da evolução do mercado imobiliário, simulação de políticas urbanas e regionais, estudos de localização de equipamentos sociais, análise de impactos de intervenções no meio urbano, avaliação de sistemas de transportes e de redes de serviços; • uso do software de análise espacial, interpretação dos resultados; • implantação e manutenção de sistemas de informação espacial: o valor da informação, a dimensão temporal da informação, requisitos institucionais, humanos e materiais, experiências de municípios brasileiros.

Forma de Avaliação:

Observação:

Avaliação individual com base em exercícios de geoprocessamento feitos em aula e exercícios conceituais feitos extraclasse, além de trabalho relacionando o conteúdo programático ao projeto de pesquisa de cada aluno, apresentado em seminário interno. Esta disciplina requer o uso de sala com computadores ligados em rede, com as seguintes características (mínimas): – Acesso em banda larga à Internet, a 100Mbps ponto-a-ponto e 1GBps compartilhado, em especial ao serviço WWW.tidia-ae.usp.br. – Aplicativos TerraView e MS-Office (mormente Excel e Access), uma licença por usuário (aluno inscrito); – Estações de trabalho individuais PC-Intel Core Duo, memória RAM de 1 GB, espaço exclusivo em HD de 10 GBytes, sistemas operacional Windows XP Pro.

Bibliografia:

Básica:
BORGES, K. A. V.; DAVIS Jr., C. A.; LAENDER, A. H. F. Modelagem conceitual de dados geográficos. In: CASANOVA, M.; CÂMARA, G.; DAVIS Jr., C. A.; VINHAS, L.; de QUEIROZ, G. R. (ed.) Bancos de dados geográficos. In: MundoGEO, Curitiba, 2005.
CÂMARA, G.; DAVIS Jr., C. A. Introdução In: CÂMARA, G.; DAVIS Jr., C. A.; MONTEIRO, A. M. V. (eds.). Introdução à ciência da geoinformação. INPE: São José dos Campos, 2001.
CÂMARA, G. Representação computacional de dados geográficos. In: CASANOVA, M.; CÂMARA, G.; DAVIS Jr., C. A.; VINHAS, L.; de QUEIROZ, G.R. (ed.) Bancos de dados geográficos. In: MundoGEO, Curitiba, 2005.
COUTO, R. A. S.; GIACAGLIA, M. E.; YURGEL, M. SISPAT – sistema informatizado de gestão patrimonial em base georreferenciada In: Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito, 18., 2011. p.857-865. Anais… Rio de Janeiro: ANTP, 2011.
de QUEIROZ, G. R.; CÂMARA, G. Arquitetura de sistemas de informação geográfica In: CÂMARA, G.; DAVIS Jr., C. A.; MONTEIRO, A.M.V. (eds.). Introdução à ciência da geoinformação. INPE: São José dos Campos, 2001.
D’ALGE, J. C. L. Cartografia para geoprocessamento. In: CÂMARA, G.; DAVIS Jr., C. A.; MONTEIRO, A. M. V. (eds.). Introdução à ciência da geoinformação. INPE: São José dos Campos, 2001.
EMBLEY, D.W. Object database development: concepts and principles. Reading, Massachussets: Addison Wesley Longman, 1998.
IBGE. Noções básicas de cartografia. www.ibge.gov.br: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (s/d)
IBGE. Glossário cartográfico. www.ibge.gov.br: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (s/d)
LISBOA FILHO, J. Estruturação e modelagem de bancos de dados In: Gis Brasil, Curitiba, 2001.
Complementar:
ATAS, A.; FREITAS, A. S. S.; NATIVIDADE, H. Mapeamento convencional básico para planos e estudos metropolitanos. Revista Spam, 1982, n.10, p.2-25.
BERRY, J.K. Beyond mapping: concepts, algorithms, and issues in GIS. Fort Collins, Colorado: GisWorld, 1993.
BON Jr, W. Planejamento de urbanização de favelas: caracterização sócio-econômica-ambiental de favelas a partir de dados censitários do IBGE. Dissertação (Mestrado). São Paulo: Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, 2005.
COUTO, R. A. S. O uso de ferramentas de geoprocessamento para o gerenciamento de bens patrimoniais e prediais. Dissertação (Mestrado em Tecnologia da Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.
FURUTI, C. A. Cartographical Map Projections. Disponível em: http://www.progonos.com/furuti/MapProj/Normal/TOC/cartTOC.html. 1997.
GIACAGLIA, M. E.; GUALDA, N. D. F. Proposta de modelo de dados para os indicadores-chave da ANTP. Revista da ANTP, n.88, p.103-122, 2000.
GIACAGLIA, M. E. Modelagem de dados para planejamento e gestão operacional de transportes. Tese (Doutorado). São Paulo: Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, 1998.
HASSAN, M.H.; HUTCHINSON, C. (eds.) Natural resource and environmental information for decision-making. Washington, D.C.: The World Bank, 1992.
HOHL, P. (ed.) GIS data conversion: strategies, techniques, and management. Santa Fe, New Mexico: On Word Press, 1998.
KORTE, G. The GIS book. Santa Fe, New Mexico: On Word Press, 1997.
LANGRAM, G. Time in geographic information systems. London: Taylor & Francis, 1991.
LIMA, D. G.; ROSA, F. S. A cartografia como instrumento de planejamento. Revista Spam, 1980, n.4, p.33-39.
LOGSDON, T. Understanding the Navstar: GPS, GIS, and IVHS. New York: Van Nostrand Reinhold, 1995.
MONMONIER, M. How to lie with maps. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.
MONTGOMERY, G.E.; SCHUCH, H. GIS data conversion handbook. Fort Collins, Colorado: GIS World, 1993.
SETZER, W. W. Bancos de dados. São Paulo: Edgard Blücher, 1986.
WORBOYS, M. GIS, a computing perspective. London: Taylor & Francis, 1995.

Código
Créditos
Área de Concentração