Técnicas Construtivas Tradicionais e a Preservação de Edifícios Históricos

Objetivos:

A disciplina tem como objetivo geral contribuir para a análise da relação entre arquitetura e técnicas construtivas, através do estudo da arquitetura brasileira do ponto de vista de suas características intrínsecas (técnicas de feitura, materiais construtivos, principais causas de deterioração) como, principalmente, em sua dimensão condicionadora dos partidos arquitetônicos adotados. Desse modo, a disciplina tem por objetivo também fornecer subsídios para a intervenção em edifícios de interesse para preservação, visando à manutenção de sua integridade física e o respeito a suas características arquitetônicas.

Justificativa:

A abordagem proposta para a disciplina – o conhecimento aprofundado da história da arquitetura brasileira, a partir do estudo das técnicas construtivas e dos materiais nela tradicionalmente utilizados – constitui importante instrumental para os interessados na preservação do patrimônio cultural brasileiro e para subsidiar a atividade profissional dos arquitetos em geral. A questão da preservação do patrimônio arquitetônico é central para a atividade do arquiteto na atualidade. Tal fato decorre das profundas alterações das formas como a questão tem sido tratada, com significativa ampliação daquilo que é considerado bem de interesse para a preservação, que passou de monumentos isolados (de excepcional valor histórico e artístico) para conjuntos arquitetônicos, ambientes urbanos inteiros e, mesmo, trechos do território, que caracterizam variados períodos da história. A reflexão sobre os assuntos tratados nas aulas e nos seminários é relevante para promover a conscientização sobre a preservação arquitetônica e para fornecer elementos para uma intervenção coerente e responsável no meio construído atual, respeitando a configuração, a constituição física e as várias estratificações que a obra (ou o conjunto de obras) adquiriu ao longo do tempo.

Conteúdo:

A disciplina tem como eixo norteador as técnicas construtivas tradicionalmente empregadas na arquitetura brasileira (desde o século XVI até meados do século XX), a saber: a taipa de pilão; a taipa de mão, de sopapo ou pau-a-pique; o adobe; a pedra; o tijolo; o ferro e o concreto armado. Assim, pretende-se apresentar aspectos da transformação da arquitetura brasileira em sua estreita relação com as possibilidades materiais de cada período, as quais, por sua vez, estão ligadas a seu contexto cultural, econômico e social mais amplo. São abordados também aspectos relativos à preservação da integridade física e das características arquitetônicas de edifícios construídos com as técnicas apresentadas.

Forma de Avaliação:

A avaliação será feita através de seminários e trabalho de documentação. Os seminários serão sobre alguns dos textos considerados de fundamental importância no

Observação:

Dada a abrangência dos temas tratados pela disciplina, em algumas de suas versões o curso poderá ser centrado na discussão de temas específicos (tais como a abordagem da tratadística dos séculos XVIII e XIX sobre as técnicas tradicionais de construção, os problemas colocados pela preservação da arquitetura moderna etc). Para tanto, está prevista a organização de ciclos de conferências de forma concentrada (três a quatro dias seguidos, por exemplo), com a participação de professores convidados de outras instituições.

Bibliografia:

ALBUQUERQUE, Alexandre. Construções Civis. São Paulo, Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais Ltda. 1948, 2.ed. (1a ed. 1929).
AMARAL, Aracy Abreu. A hispanidade em São Paulo. São Paulo, Nobel, l98l.
ANDRADE, Antonio Luiz Dias de. Vale do Paraíba, sistemas construtivos. São Paulo, FAUUSP, l984.
ASHURST, John & ASHURST, Nicola. Practical Building Conservation, 5 vols. Hants, Gower, 1989, 2.ed.
ASHURST, Nicola. Cleaning Historic Buildings, 2 vols. London, Donhead, 1994.
BAHIA, Secretaria da Indústria e Comércio. Coordenação de Fomento ao Turismo. IPAC-BA – inventário de proteção do acervo cultural. Salvador, l975-l988. 5v.
BARRÉ, Louis Auguste (org.). Petite Encyclopédie Pratique du Bâtiment. Paris, Bernard, 1898.
BREYMANN, G. A. Trattato generale di costruzioni civili, con cenni speciali alle costruzioni grandiose. Milano, Vallardi, 1899, 3a ed.
BRUNA, Paulo J. V. Arquitetura, Industrialização e Desenvolvimento. São Paulo, Perspectiva, 1976.
BURY, John. Arquitetura e arte no Brasil colonial. Org. Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira. São Paulo, Nobel, l99l.
CAMPANELLA, Christian. Obras de recuperação e restauro arquitetônico. Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, 2003.
CARBONARA, Giovanni. Avvicinamento al Restauro. Napoli, Liguori, 1997.
CARBONARA, Giovanni (org.). Trattato di Restauro Architettonico (11 vols, 13 tomos). Tornino, Utet, 1996-2008.
CARVALHO, Ayrton. Notas sobre o uso da Pedra na Arquitetura Religiosa do Nordeste. IN: FAUUSP e MEC-IPHAN. Arquitetura Religiosa. São Paulo, 1975, pp. 115-133.
CERROTI, Alessandra. Construções residenciais públicas em Roma no Segundo Pós-Guerra: O bairro INCIS em Decima, Pós. Revista do programa de pós-graduação em arquitetura e urbanismo da FAUUSP, 2008, n. 23, pp. 194-199.
CLOQUET, Louis. Traité d’Architecture, 5 vols. Paris, Baudry, 1898-1901.
CORONA, Eduardo & LEMOS, Carlos A. C. Dicionário de arquitetura brasileira. São Paulo, EDART, l972.
COSTA, Cacilda da. O Sonho e a Técnica.: a Arquitetura do Ferro no Brasil. São Paulo, EDUSP, 1994.
COSTA, Lúcio. A arquitetura jesuítica no Brasil. IN: FAUUSP e MEC-IPHAN. Arquitetura Religiosa. São Paulo, 1975, pp. 9-98.
______. Documentação necessária. Rev. do SPHAN, Rio de Janeiro (l):3l-9, l937.
______. Sobre Arquitetura. Porto Alegre, CEUA, 1962.
D’ ALEMBERT, Clara Correia. O Tijolo nas Construções Paulistanas do Século XIX. São Paulo, FAUUSP, 1993.
DERENJI, Jussara da S. (org.). Arquitetura do Ferro. Memória e Questionamento. Belém, Cejup, 1993.
DI STEFANO, Roberto – Il Consolidamento Strutturale nel Restauro Architettonico. Napoli, Edizioni Scientifiche Italiane, 1990.
FABRIS, Annateresa (org.). Ecletismo na Arquitetura Brasileira. São Paulo, Nobel, 1987.
FAUUSP e MEC-IPHAN. Textos escolhidos da Revista do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, sob os títulos: Arquitetura Civil (3 vol.), Arquitetura Oficial (2 vol.), Arquitetura Religiosa e Pintura e Escultura (2 vol.). São Paulo, 1975.
FEILDEN, Bernard. Conservation of Historic Buildings. London, Butterworth, 1982.
FRANCO, Afonso Arinos de Melo. Desenvolvimento da civilização material no Brasil. Conselho Federal de Cultura, 1971.
GIEDION, Siegfried. Mechanization Takes Command. New York, W.W. Norton & Co., 1969.
GONÇALVES, Cristiane Souza. Restauração arquitetônica – a experiência do SPHAN em São Paulo, 1937-1975. São Paulo, Annablume/FAPESP, 2007. ISBN 978-85-7419-680-0
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro, José Olympio, 1993.
KATINSKY, Julio Roberto. Casas bandeiristas – nascimento e reconhecimento da arte em São Paulo. São Paulo, IGEOG/USP, l976.
______. Técnicas Construtivas. In: VARGAS, Milton (org.). História da Técnica e da Tecnologia no Brasil. São Paulo, Editora da UNESP/Centro de Estudos de Educação Tecnológica Paula Souza, 1994.
KÜHL, Beatriz Mugayar. Arquitetura do Ferro e Arquitetura Ferroviária em São Paulo. São Paulo, SEC/FAPESP/Ateliê, 1998.
______. Preservação do patrimônio arquitetônico da industrialização: Problemas teóricos de restauro. Cotia, Ateliê / FAPESP, 2009.
______. O tratamento das superfícies arquitetônicas como problema teórico da restauração, Anais do Museu Paulista, 2004, v. 12, pp. 309-330
LAHR, Francisco Antonio Rocco. Aspectos históricos do emprego das estruturas de madeira para coberturas. In: USP. Escola de Engenharia de São Carlos. Departamento de Estruturas. Laboratório de Madeiras e de Estruturas de Madeira. Anais do I Encontro Brasileiro em Madeiras e em Estruturas de Madeira. Vol. IV. São Carlos, 20 a 22 de julho de 1983.
LEITÃO, Luiz Augusto. Curso Elementar de Construções. Lisboa, Imprensa Nacional,1986.
LEMOS, Carlos A. C. Alvenaria Burguesa. São Paulo, Nobel, 1985.
______. Arquitetura brasileira. São Paulo, Melhoramentos, l979.
______. Casa Paulista. São Paulo, EDUSP, 1999.
______. Cozinhas, etc. São Paulo, Perspectiva, l976.
______. Notas sobre a arquitetura tradicional de São Paulo. São Paulo, FAUUSP, l984.
MACAMBIRA, Yvoty de Macedo Pereira. Os mestres da fachada. São Paulo, Centro Cultural São Paulo, 1985.
MARCONI, Paolo. Dal piccolo al grande restauro. Venezia, Marsilio, 1988.
MARINO, Luigi. Il Rilievo per il Restauro. Milano, Hoepli, 1990.
MANUALE DEL RECUPERO DEL COMUNE DI ROMA. Roma, Tipografia del Genio Civile, 1997, 2a ed. (1a ed. 1989).
MATEUS, João C. O. M. Técnicas Construtivas Tradicionais de Construção de Alvenarias. A literatura técnica de 1750 a 1900 e seu contributo para a conservação de edifícios históricos. Lisboa, Horizonte, 2002.
MOTOYAMA, Shozo (org.). Tecnologia e Industrialização no Brasil: uma perspectiva histórica. São Paulo, Editora da UNESP, 1994, pp. 37-65.
NORONHA SANTOS. Um litígio entre Marceneiros e Entalhadores no Rio de Janeiro. In: Revista do SPHAN no. 6. Rio de Janeiro, 1942, pp. 295-317.
OLIVEIRA, Mário Mendonça de. Tecnologia da Conservação e da Restauração: Materiais e Estruturas – Roteiros de Estudos. Salvador, Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFBA/PNUD/UNESCO, 1995.
PALLADIO, Andrea. I Quattro Libri dell’Architettura. Milano, Hoepli, 1980.
PERGOLI CAMPANELLI, Alessandro. O restauro do complexo monumental do Templo-Catedral de Pozzuoli, Pós. Revista do programa de pós-graduação em arquitetura e urbanismo da FAUUSP, 2008, n. 23, pp. 187-193.
______. Restauro Contemporâneo: Algumas abordagens, Revista CPC, 2008, n. 7, pp. 20-42.
PRESERVATION BRIEFS. Washington D.C., U.S. Government Printing Office, 1991.
PINHEIRO, Maria Lucia Bressan. Algumas considerações sobre o Neogótico no Brasil. In: Arthur Valle; Camila Dazzi. (Org.). Oitocentos – Arte Brasileira do Império à República – Tomo 2. Seropédica/ Rio de Janeiro: EDUR-UFRRJ; DezenoveVinte, 2010, p. 437-451. Disponível em: www.dezenovevinte.net/800/tomo2
______. Arquitetura verticalizada em São Paulo nas décadas de 1930 e 1940. In: Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material Vol. 16 No. 1. Jan.-jun. 2008, pp. 109-149. ISSN 0101-4714
______. Dilemas na preservação da arquitetura moderna: o edifício da FAUUSP. Anais do 5o. Seminário DOCOMOMO Brasil [Em CD-ROM]. São Carlos, Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos – USP, 2003.
______. Neocolonial, modernismo e preservação do patrimônio no debate cultural dos anos 1920 no Brasil. São Paulo: EDUSP-FAPESP, 2011.
______. A preservação documental: o desafio dos arquivos de arquitetura. In: Leonardo Barci Castriota. (Org.). Arquitetura e Documentação: novas perspectivas para a história da arquitetura. Belo Horizonte: IEDS, 2011, pp. 93-112.
______. Reflexões sobre a Preservação da Capela Nossa Senhora do Rosário dos Pretos – São Paulo, Brasil. Anais do VIII Congreso Internacional de Rehabilitación del Patrimonio Arquitectonico y Edificación: La dimensión social del patrimonio – Memoria/Identidad; Itinerarios/Rutas; Paisaje Cultural; Participación/Turismo; Educación. Buenos Aires, Centro Internacional para la Conservación del Patrimonio-CICOP, 2006, pp. 167-172. ISBN 987-97641-7-X.
PRESERVATION AND CONSERVATION: Principles and Practices. Washington, The Preservation Press, 1972.
PRUD’HOMME, L. Cours Pratique de Construction, 2 vols. Paris, Baudry, 1883, 3. ed.
RAINVILLE, Cesar de. Vinhola brasileiro: novo manual prático. Rio de Janeiro, Lammert, 1880.
REIS FILHO, Nestor Goulart. Contribuição ao estudo da evolução urbana do Brasil (1500/1720). São Paulo, Pioneira, 1968.
______. Quadro da Arquitetura no Brasil. São Paulo, Perspectiva, 1970.
REYNAUD, Léonce. Traité d’Architecture, 2 vols. Paris, Dunod, 1867, 3. ed.
RODRIGUES, José Wasth. Documentário arquitetônico relativo à antiga construção civil no Brasil. 4ed. Belo Horizonte, Ed. Itatiaia; São Paulo, EDUSP, 1979.
RONDELET, Jean. Traité Théorique et Pratique de l’Art de Batir, 5 vols. Paris, Firmin Didot, 1864.
SAIA, Luis. Morada Paulista. São Paulo. Perspectiva, 1972.
SALVO, Simona. Arranha-céu Pirelli: crônica de uma restauração, Desígnio, 2006 (2007), n. 6, pp. 69-86.
______. A intervenção na arquitetura contemporânea como tema emergente do restauro, Pós. Revista do programa de pós-graduação em arquitetura e urbanismo da FAUUSP, 2008, n. 23, pp. 199-211.
______. A restauração do arranha-céu Pirelli: a resposta italiana a uma questão internacional, Pós. Revista do programa de pós-graduação em arquitetura e urbanismo da FAUUSP, 2006, n. 19, pp. 201-210.
______. Restauro e ‘restauros’ das obras arquitetônicas do século 20. Intervenções em arranha-céus em confronto, Revista CPC, 2007, n. 4, pp. 139-157.
SCHIMIDT, Carlos B. Construções de Taipa: alguns aspectos do seu emprego e da sua técnica. Boletim de agricultura, São Paulo, Secretaria da Agricultura, 1946, série 47A.
SEGURADO, João Emílio dos Santos. Alvenaria e Cantaria. Lisboa, Bertrand, s.d.
______. Edificações. Lisboa, Bertrand, s.d.
SILVA, Geraldo Gomes da. Arquitetura do ferro no Brasil. São Paulo, Nobel, 1986.
TELLES, Augusto Carlos da Silva. Atlas dos monumentos históricos e artísticos do Brasil. Rio de Janeiro, FENAME/DAC, l975.
TELLES, Pedro Carlos da Silva. História da Engenharia no Brasil. Rio de Janeiro, Livros Técnicos e Científicos Editora, 1984.
TOLEDO, Benedito Lima de. Do século XVI ao início do século XIX: maneirismo, barroco e rococó. In: ZANINI, Walther, org. História geral da arte no Brasil. São Paulo, Instituto Walther Moreira Salles, l983. v.1, p. 89-298.
______. O Real Corpo de Engenheiros na Capitania de São Paulo, destacando-se a obra do Brigadeiro João da Costa Ferreira. São Paulo, João Fortes Engenharia, l98l.
VARGAS, Milton (org.). História da Técnica e da Tecnologia no Brasil. São Paulo, Editora da UNESP/Centro de Estudos de Educação Tecnológica Paula Souza, 1994.
VASCONCELLOS, Salomão de. Ofícios Mecânicos em Vila Rica durante o século XVIII. In: Revista do SPHAN no.4. Rio de Janeiro, 1940, pp. 331-360.
VASCONCELLOS, Sylvio C. de. Arquitetura no Brasil – sistemas construtivos. Belo Horizonte, Escola de Arquitetura UFMG, l958.
VAUTHIER, L.L. Casas de Residência no Brasil. In: FAUUSP e MEC-IPHAN. Arquitetura Civil I. São Paulo, 1975.
VIOLLET-LE-DUC, Eugène Emmanuel. Dictionnaire Raisonné de l’Architecture Française du XI au XVI siècle, 10 vols. Paris, Gründ, s.d.
______. Entretiens sur l’Architecture, 2 vols. Paris, Morel, 1863 – 1872.
VITRUVIO. Da Arquitetura. São Paulo, FUPAM, 1999
ZANINI, Walther, org. História geral da arte no Brasil. São Paulo, Instituto Walther Moreira Salles, l983.

Código
Créditos
Área de Concentração