FAUUSP
 

O seminário propõe discutir as representações dos espaços e territórios ibero-americanos, com destaque para o papel das línguas na constituição dos imaginários, das paisagens e dos seus significados.

A narrativa como forma de reconhecimento, compreensão e proposição de um devir é, portanto, o foco de interesse do seminário: as línguas portuguesa, espanhola e nativas configuram os patrimônios culturais identificados com lugares e sistemas de comunicação de sentimentos, percepções e visões de mundos em trânsito e em diálogo por estes múltiplos territórios.

Conhecer a variedade das narrativas nos seus mais diversos propósitos, meios, suportes e linguagens é uma forma de abordar os significados construídos sobre os lugares ibero-americanos.

Voltemos a nossa atenção para as ações produzidas pela consciência inscrita nas línguas ao se confrontarem com o desafio do conhecimento do espaço, do território, da paisagem e do lugar: descrever, inventariar, discriminar, ordenar, cartografar, valorizar, eleger, formular, propor, fundamentar, imaginar, visualizar, representar e desenhar.

A viagem é um tema onipresente nos espaços narrados - a própria narrativa é, antes de tudo, viagem – espaços apresentados pela perspectiva do narrador a outrem. As línguas, sejam como instrumentos de representação dos territórios físicos ou imaginados, sejam como atividade do pensamento, são essencialmente viagem: trânsito entre o visto e o imaginado, entre o percebido e o interpretado, entre a forma e o significado, entre a imagem e a palavra, entre a fala e a escrita. E sendo viagem, as línguas são, sobretudo, aproximações.

 

Com igual importância, na proposta deste seminário emerge um outro tema central: o reconhecimento da valiosa contribuição da literatura para a arquitetura e o urbanismo, para a sensibilização e para o entendimento da nossa sociabilidade, das nossas imensas culturas urbanas, das nossas expressões sobre o morar e o viver, das nossas cidades e da nossa gente.

Livros, revistas e jornais; romances, crônicas e poesias; manifestos, discursos e aulas; relatos, descrições e inventários; mapas, cartas e documentos; pintura, fotografia e cinema – narrativas sobre espaços, narrativas sobre nós mesmos, presentes na arquitetura e no urbanismo.

 

Sub-temas

1. As crônicas, os inventários e a literatura na construção dos lugares

2. Paisagens culturais ibero-americanas: língua, patrimônio e narrativa.

3. As cidades e a navegação das idéias

4. Viagens: relatos e iconografias

5. Cartografia, desenho e palavra

6. Tradução e trânsito entre linguagens

 

Concepção e organização:

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) e Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da Universidade de São Paulo.
Data: 4 a 7 de junho de 2019.
Local: FAU e IEB – USP - Cidade Universitária – São Paulo, Brasil.