FAU NA MÍDIA – Sobre túmulos e arquivos, cadáveres e documentos: Ensaios de Giselle Beiguelman comenta facetas de um país fadado à amnésia

Giselle Beiguelman / Agnaldo Farias

Publicado em Agosto de 2019 – Portal Vitruvius

Hoje, nem o tempo é mais o que era. Antigamente, reconhecia-se o passado como algo que dizia respeito ao que havia acontecido, o presente ao que estava acontecendo e o futuro ao que iria acontecer. Como aqui demonstra a artista e pensadora Giselle Beiguelman, a partir de ensaios textuais e visuais, a presumida linearidade do tempo explodiu, e a temporalidade parece estruturar-se numa nuvem de fragmentos com espessuras e velocidades distintas e em direções desencontradas. Sobre esse caráter essencialmente contraditório, a autora lembra que a mesma cidade onde foi inaugurado o Museu do Amanhã, instituição que quer nos fazer crer que o amanhã já é hoje, transformou em cinzas o Museu Histórico Nacional, um patrimônio de 20 milhões de itens. Rasurou irreversivelmente uma parte significativa do passado não só brasileiro e português, mas da humanidade.

Ler na íntegra em http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/18.212/7437