Guia de Bolsas e Auxílios

Este Guia de Bolsas e Auxílios é uma publicação da Comissão de Pesquisa da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), da Universidade de São Paulo, e seu ponto de partida é o Boletim Informativo “Agências de Fomento à Pesquisa”.
O objetivo é divulgar aos alunos de graduação, pós-graduação e professores informações relacionadas à obtenção de auxílio à pesquisa em entidades nacionais de fomento à pesquisa, assim como acesso aos recursos dos Programas Internos da Universidade que têm por escopo apoiar projetos em curso ou estimular a implantação de novos projetos.
A partir de dezembro de 2007 este guia passa a ser atualizado regularmente pela Comissão de Pesquisa da FAUUSP.

Entidades de fomento à pesquisa:

  • CNPq
  • Fapesp
  • Capes
  • Finep
  • Pró- Reitoria de Pesquisa da USP
  • Fundap

Programas especiais de incentivo à pesquisa:

  • Bolsas de Iniciação Científica
  • Programa de Aperfeiçoamento de Ensino PAE
  • Bolsas Internacionais
  • Bolsas & Auxílio para a Mobilidade Internacional na França
  • Bolsas de Estudos na Alemanha

Bolsas de Iniciação Científica

As bolsas de iniciação científica se destinam a alunos de cursos de graduação para desenvolvimento de atividades de pesquisa sob orientação e responsabilidade de pesquisador qualificado.
Além de despertar a vocação científica e incentivar talentos potenciais em pesquisa, essa modalidade de bolsa tem por objetivo possibilitar a aprendizagem de técnicas, bem como estimular o desenvolvimento do pensar e do criar cientificamente.
A Fapesp e o CNPq oferecem bolsas de iniciação científica.

FAPESP

Destinam-se a alunos de graduação em instituições de ensino superior localizadas no estado, para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica (IT). As bolsas de iniciação científica devem ser propostas pelo orientador diretamente à entidade. A solicitação deve ser encaminhada em formulário próprio, em qualquer época do ano. O prazo de análise é de aproximadamente 75 (setenta e cinco) dias.
A bolsa é concedida, em circunstâncias normais, por período de 1 (um) ano, sendo renovável após análise do desempenho do bolsista e de seu histórico escolar atualizado. Não se concede bolsa por período inferior a 6 (seis) meses. A vigência da bolsa não pode ultrapassar a data do término do último semestre letivo do curso de graduação do bolsista. 
Os formulários podem ser retirados na Comissão de Pesquisa de cada unidade ou diretamente pela Fapesp e ainda pelo site.

CNPq

As bolsas de iniciação científica do CNPq são destinadas à universidade, pelo PIBIC, em forma de cotas, e também ao pesquisador qualificado, por meio do Projeto Integrado de Pesquisa. Na USP, a Pró-Reitoria de Pesquisa é o órgão responsável pela administração e distribuição das cotas para as unidades. Esse programa recebe o nome de Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/USP/CNPq.
O processo de seleção dos estudantes participantes do programa comporta particularidades próprias de cada unidade. Para maiores informações, o interessado deve contatar a Comissão de Pesquisa da unidade.

CNPq

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

O CNPq é um órgão ligado diretamente ao Ministério da Ciência e Tecnologia, na formação de recursos humanos e na difusão de informação. Para o avanço do conhecimento, o conjunto de ações de fomento do CNPq compreende, basicamente, o suporte às atividades de C & T, cobrindo diversas modalidades de apoio ao pesquisador individual ou como parte de um grupo de pesquisas, contribuindo decisivamente no fomento e execução de pesquisa de capacitação, e a tecnológica visando, com a aplicação e valorização dos resultados, ao desenvolvimento socioeconômico e cultural do país.

Como Solicitar Apoio

As propostas devem ser apresentadas em formulário único, acompanhado da documentação específica exigida.
O formulário único e folhetos explicativos podem ser obtidos na Comissão de Pesquisa de cada unidade ou no site CNPq.

A. Bolsas Individuais no País – Fomento Científico

  1. Produtividade em Pesquisa (PQ)
  2. Pesquisador Visitante (PV)
  3. Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora (DT)
  4. Pós-Doutorado Júnior (PDJ)
  5. Pós-Doutorado Sênior (PDS)
  6. Doutorado Sanduíche no País (SWP)
  7. Pós-Doutorado Empresarial (PDI)
  8. Doutorado Sanduíche Empresarial (SWI)

B. Bolsas Individuais no País – Fomento Tecnológico de Curta Duração

  1. Estágio/ Treinamento no país (BEP)
  2. Bolsa a Especialista Visitante (BEV)
  3. Estágio/ Treinamento no Exterior (BSP)

C. Bolsas Individuais no País – Fomento Tecnológico de Longa Duração

  1. Iniciação Tecnológica e Industrial (ITI)
  2. Extensão no País (EXP)
  3. Desenvolvimento Tecnológico e Industrial (DTI)
  4. Especialista Visitante (EV)
  5. Apoio Técnico em Extensão no País (ATP)

D. Bolsas Individuais no Exterior

  1. Doutorado Pleno no Exterior (GDE)
  2. Pós-Doutorado no Exterior (PDE)
  3. Doutorado Sanduíche no Exterior (SWE)
  4. Estágio Sênior no Exterior (ESN)
  5. Treinamento no Exterior (SPE)
  6. Estágio/Treinamento no Exterior (BSP)

E. Bolsas por Cota à Instituição

  1. Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC)
  2. Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI)

F. Bolsas por Cota ao Curso

  1. Bolsas de Mestrado no País (GM)
  2. Bolsas de Doutorado no País (GD)
  3. Doutorado Direto (PDD) e PG Integrada (PGI)

G. Bolsas por Cota ao Pesquisador

  1. Apoio Técnico (AT)

H. Auxílios de Curta Duração

  1. Pesquisador Visitante (APV)
  2. Participação em Eventos Científicos (AVG)
  3. Promoção de Eventos Científicos (ARC)
  4. Auxílio para Projeto Individual de Pesquisa (APQ)
  5. Auxilio Editoração (AED)

I. Programas Especiais

  1. Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (PRONEX)

A. Bolsas Individuais no País – Fomento Científico

1. Produtividade em Pesquisa (PQ)

A bolsa será concedida individualmente, em função do mérito da proposta, a pesquisador que satisfaça os pré-requisitos estabelecidos pelo CNPq e os critérios de qualificação definidos pelos Comitês de Assessoramento de cada área ou pelo Conselho Deliberativo – CD do CNPq, no caso de Pesquisador Sênior.
O pesquisador deverá possuir o título de doutor ou perfil científico e/ou tecnológico equivalente e será classificado de acordo com sua qualificação, experiência, capacidade de formação de pesquisadores e produção científica. 
O valor da bolsa varia de R$ 976,00 a R$1.254,00, de acordo com categoria do pesquisador; como benefício o Adicional de Bancada, de R$1.000,00 a R$1.300,00 deverá ser aplicado, exclusivamente, em despesas de capital (inclusive equipamentos) ou custeio (inclusive passagens e diárias). A duração é de 36 (trinta e seis) meses
Inscrições: entre 1º de março a 30 de maio de 2008
Íntegra da norma: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_016_anexo1.htm

2. Pesquisador Visitante (PV)

A bolsa visa possibilitar ao pesquisador brasileiro ou estrangeiro, de reconhecida liderança científica, a colaboração com grupos de pesquisa emergentes ou consolidados, de instituições públicas ou comunitárias nacionais, para o desenvolvimento de linhas de pesquisa ou desenvolvimento tecnológico, consideradas relevantes pelo Comitê de Assessoramento da área respectiva e pela Diretoria do CNPq. 
O valor da bolsa é de R$ 5.200,00 mensais, por um período mínimo é de 3 (três) e o máximo de 12 (doze) meses, excepcionalmente prorrogáveis por até 12 (doze) meses a critério da Diretoria do CNPq.
Íntegra da norma: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_016_anexo3.htm

3. Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora (DT)

Visa distinguir o pesquisador (Professor Doutor), valorizando sua produção em desenvolvimento tecnológico e inovação segundo critérios normativos, estabelecidos pelo CNPq, e específicos, pelo Núcleo de Assessores em Tecnologia e Inovação (NATI) do CNPq.
O valor da bolsa varia de R$ De 887,00 a 1.140,00, de acordo com categoria do pesquisador. A duração da bolsa é de 36 (trinta e seis) meses.
A solicitação deve ser feita por pesquisadores doutores ou com perfil equivalente, em:
http://efomento.cnpq.br/efomento/

4. Pós-Doutorado Júnior (PDJ)

As bolsas visam possibilitar, no país, a consolidação e atualização dos conhecimentos e/ou o redirecionamento da linha de pesquisa do candidato. Isto ocorrerá por meio de estágio e desenvolvimento de projetos de pesquisa em grupos e instituições de reconhecido nível de excelência na área de especialização do candidato.
Destinam-se a candidatos que possuem o título de doutor há menos de 7 (sete) anos.
A duração é de 6 (seis) a 12 (doze) meses, prorrogáveis por até mais 12 (doze) meses.
O valor da bolsa PDJ é de R$ 2.218,56; a taxa de bancada é de R$ 400,00 mensais.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_016_anexo4.htm

5. Pós-Doutorado Sênior (PDS)

Possibilitar, no País, a consolidação e atualização dos conhecimentos e/ou o redirecionamento da linha de pesquisa do candidato. Isto será feito por meio de estágio e desenvolvimento de projetos de pesquisa junto a grupos e instituições de reconhecido nível de excelência na área de especialização do candidato.
Destinam-se a candidatos que possuem o título de doutor há mais de 7 (sete) anos.
O valor da bolsa PDS é de R$ 3.000,00; a taxa de bancada é de R$ 400,00 mensais.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_016_anexo5.htm

6. Doutorado Sanduíche no País (SWP)

O objetivo da bolsa é apoiar aluno formalmente matriculado em curso de doutorado no Brasil, para desenvolvimento parcial de sua tese junto de outro grupo de pesquisa nacional. 
São condições para o candidato estar formalmente matriculado há pelo menos 12 (doze) meses,  em curso de doutorado no Brasil, reconhecido pela CAPES e não acumular a presente bolsa com quaisquer outras bolsas concedidas por agência de fomento nacional.
O valor da bolsa é de R$ 1.500,00, com duração de, no mínimo, 2 (dois), no máximo, 6 (seis) meses. 
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_016_anexo6.htm

7. Pós-Doutorado Empresarial (PDI)

A bolsa visa possibilitar ao pesquisador com título de doutor a consolidação e atualização de seus conhecimentos, assim como agregar competência às ações de pesquisa, desenvolvimento e inovação de empresa no país, com vista à melhoria de sua competitividade.
O valor é de R$ 2.218,56, com duração de 6 (seis) a 12 (doze) meses, prorrogáveis até 12 (doze) meses. 
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_016_anexo7.htm

8. Doutorado Sanduíche Empresarial (SWI)

O objetivo é apoiar aluno formalmente matriculado em curso de doutorado no Brasil, que necessite completar sua formação, participando de ações de pesquisa, desenvolvimento e inovação em empresa no país. 
A bolsa tem valor de R$ 1.500,00, e duração de, no mínimo, de 2 (dois) e, no máximo, de 6 (seis) meses. 
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_016_anexo8.htm

B. Bolsas Individuais no País – Fomento Tecnológico de Curta Duração

As bolsas de Fomento Tecnológico e Extensão Inovadora são destinadas à formação e capacitação de recursos humanos e à agregação de especialistas, que contribuam para a execução de projetos de pesquisa básica, aplicada ou de desenvolvimento tecnológico, assim como atividades de extensão inovadora e transferência de tecnologia.

1. Estágio/ Treinamento no país (BEP)

Essa bolsa é destinada ao treinamento de profissionais no país, mediante a participação em cursos e estágios ou outros eventos de natureza congênere, previamente definidos no projeto institucional.
Tem duração de até 3 (três) meses, sem renovação.
O bolsista deve pertencer à equipe do projeto, ter perfil adequado à atividade pretendida e obter comprovante de participação no evento.
Nos beneficios estão incluídas diárias no país (de R$ 187,83) e passagens aéreas ou terrestres, se houver deslocamento.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_019_anexo7.htm

2. Bolsa a Especialista Visitante (BEV)

Essa bolsa visa possibilitar a participação de consultores ou instrutores especializados, brasileiros ou estrangeiros, como forma de complementação da competência das equipes. O candidato não pode estar vinculado às instituições participantes do projeto e dever dedicar-se em tempo adequado ao projeto.
Tem duração de até 3 (três) meses  (esta bolsa poderá ser concedida à mesma pessoa e no mesmo projeto até 4 (quatro) vezes, desde que não sejam consecutivas.). Nos beneficios estão incluídas diárias no país (de R$ 187,83) e passagens aéreas ou terrestres, se houver deslocamento.
Mais informações:  http://www.cnpq.br/normas/rn_06_019_anexo6.htm

3. Estágio/ Treinamento no Exterior (BSP)

Essa bolsa é destinada ao treinamento de profissionais no exterior, mediante a participação em cursos e estágios ou outros eventos de natureza congênere, previamente definidos no projeto institucional.
Tem duração de até 3 (três) meses, sem renovação.
Nos beneficios estão incluídas diárias com valores estabelecido pelo CNPq, de acordo com o destino escolhido, e passagens aéreas e terrestres.
Mais informações:  http://www.cnpq.br/normas/rn_06_019_anexo8.htm

C. Bolsas Individuais no País – Fomento Tecnológico de Longa Duração

1. Iniciação Tecnológica e Industrial (ITI)

Esta bolsa visa estimular o interesse para a pesquisa, o desenvolvimento tecnológico e a participação em atividades de extensão em  estudantes do nível médio, superior ou de técnicos de nível médio.
A duração mínima é de um mês e a máxima limitada pela vigência do projeto ao qual o bolsista se vincula e, ainda, respeitado o limite orçamentário do projeto. Um mesmo bolsista poderá usufruir desta bolsa até completar a graduação. Os valores de bolsa são R$ 300,00 (aluno do nível superior) e R$ 160,00 (aluno de segundo grau ou de nível médio).
Mais informações:  http://www.cnpq.br/normas/rn_06_019_anexo2.htm

2. Extensão no País (EXP)

Tem como objetivo apoiar profissionais e especialistas visando ao desenvolvimento de atividades de extensão inovadora ou transferência de tecnologia. Compreende ações voltadas para o desenvolvimento de produtos e processos inovadores e a disseminação de conhecimento, cuja relevância possa contribuir para a inclusão social e o desenvolvimento econômico do País.
A duração varia de 1 a 36 meses, no mesmo projeto ou em projetos distintos, consecutivos ou alternados, vinculada ao mesmo projeto ou a projetos diferentes e, ainda, respeitado o limite orçamentário do projeto; profissionais com vínculo empregatício/funcional receberão 60% (sessenta por cento) do valor da bolsa, no nível em que forem enquadrados.
As bolsas variam de R$ 1.045,89 a R$ 3.169,37, conforme o nível do bolsista.
Mais informações:  http://www.cnpq.br/normas/rn_06_019_anexo4.htm

3. Desenvolvimento Tecnológico e Industrial (DTI)

A bolsa é destinada a possibilitar o fortalecimento da equipe responsável pelo desenvolvimento de projeto de pesquisa, desenvolvimento ou inovação, por meio da incorporação de profissional qualificado para a execução de uma atividade específica.
Tem duração de 1 a 36 meses, no mesmo projeto ou em projetos distintos, consecutivos ou alternados, vinculada ao mesmo projeto ou a projetos diferentes e, ainda, respeitado o limite orçamentário do projeto.
As bolsas variam de R$ 1.045,89 a R$ 3.169,37, conforme o nível do bolsista.
Mais informações:  http://www.cnpq.br/normas/rn_06_019_anexo1.htm

4. Especialista Visitante (EV)

A bolsa é destinada a possibilitar a vinda de consultores e/ou instrutores altamente qualificados, de fora da entidade, nacionais ou estrangeiros, como forma de complementação da competência das equipes, visando contribuir para a execução do projeto institucional.
Tem duração mínima de 1 mês e máximo de 12 meses.
Os benefícios são passagens aéreas e mensalidades que variam de R$ 2.852,43 a R$ 4.120,18, de acordo com a categoria.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_019_anexo3.htm

5. Apoio Técnico em Extensão no País (ATP)

Visa auxiliar o desenvolvimento de projeto mediante a participação de profissional técnico.
Tem duração de 1 a 36 meses, no mesmo projeto ou em projetos distintos, consecutivos ou alternados, vinculada ao mesmo projeto ou a projetos diferentes e, ainda, respeitado o limite orçamentário do projeto.
As bolsas variam de R$ 241,51 a R$ 483,01, conforme o nível do bolsista.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_019_anexo5.htm

D. Bolsas Individuais no Exterior

Os valores das bolsas individuais no exterior variam de acordo com o país no qual a bolsa for pleiteada.

1. Doutorado Pleno no Exterior (GDE)

Formar doutores no exterior em instituições de reconhecido nível de excelência, em áreas do conhecimento consideradas de vanguarda científico-tecnológica, naquelas em que a pós-graduação no País ainda seja deficiente ou em áreas prioritárias definidas pelo Conselho Deliberativo do CNPq.
A duração da bolsa é de até 36 meses, prorrogáveis, no máximo, por mais 12 (doze) meses, mediante justificativa do bolsista e parecer confidencial do orientador no exterior. Entre os benefícios oferecidos, além de mensalidades, estão auxílio-instalação, passagens aéreas para o bolsista e o primeiro dependente, seguro-saúde, taxas escolares, pesquisa de campo no Brasil e bolsa de Pós-Doutorado Júnior a candidato sem vínculo funcional ou empregatício no Brasil, quando de seu retorno no País.
Valores de bolsas GDE: € 1.100,00 (Europa), US$ 1.100,00 (EUA), £ 776,00 (Reino Unido), C$ 1.462,00 (Canadá), ¥ 148.882,00 (Japão),  A$ 1.647,00 (Austrália); além de acréscimos relativos a outros benefícios.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_07_021_anexo4.htm

2. Pós-Doutorado no Exterior (PDE)

Visa possibilitar ao pesquisador a reciclagem e atualização de seus conhecimentos por meio de estágio e desenvolvimento de projeto com conteúdo científico ou tecnológico inovador, em instituição no exterior de nível de excelência internacionalmente reconhecido.
O candidato deve possuir o título de doutor quando da implementação da bolsa, no caso de proposta aprovada, além de ter vínculo empregatício no Brasil.
O candidato deve ser doutor há mais de 3 (três) anos.
A duração é de 6 a 12 meses, sendo permitida uma prorrogação 6 meses de bolsa. 
Entre os benefícios oferecidos, além de mensalidades, estão auxílio-instalação, passagens aéreas para o bolsista e o primeiro dependente, seguro-saúde.
Valores de bolsas PDE: € 1.800,00 (Europa), US$ 1.800,00 (EUA), £ 1.264,00 (Reino Unido), C$ 2.390,00 (Canadá), ¥ 243.455,00 (Japão),  A$ 2.695,00 (Austrália); além de acréscimos relativos a outros benefícios.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_07_021_anexo2.htm

3. Doutorado Sanduíche no Exterior (SWE)

Tem o objetivo de apoiar aluno formalmente matriculado em curso de doutorado no Brasil, o qual comprove qualificação inequívoca, para usufruir, no exterior, da oportunidade de: aprofundamento teórico, coleta e/ou tratamento de dados ou desenvolvimento parcial da parte experimental de sua tese que será defendida no Brasil.
O candidato deve estar matriculado há mais de um ano no curso de doutorado no Brasil.
A duração é de 3 a 12 meses, improrrogáveis.
Entre os benefícios oferecidos, além de mensalidades, estão auxílio-instalação, passagens aéreas para o bolsista e o primeiro dependente e seguro-saúde.
Valores de bolsas SWE: € 1.100,00 (Europa), US$ 1.100,00 (EUA), £ 776,00 (Reino Unido), C$ 1.462,00 (Canadá), ¥ 148.882,00 (Japão),  A$ 1.647,00 (Austrália); além de acréscimos relativos a outros benefícios.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_07_021_anexo3.htm

4. Estágio Sênior no Exterior (ESN)

Propicia ao pesquisador sênior o desenvolvimento de projeto de pesquisa ou parte dele em instituição estrangeira de competência internacionalmente reconhecida.
A duração é de 3 a 6 meses.
O candidato deve ser pesquisador nível 1 do CNPq ou equivalente; ter vínculo funcional/ empregatício com instituição de pesquisa no Brasil; cumprir interstício mínimo de 3 (três) anos entre um estágio e o subseqüente; não acumular outras bolsas de agências nacionais de fomento.
Valores de bolsas ESN: € 2.100,00 (Europa), US$ 2.100,00 (EUA), £ 1.475,00 (Reino Unido), C$ 2.787,00 (Canadá), ¥ 283.945,00 (Japão),  A$ 3.144,00 (Austrália); além de acréscimos relativos a outros benefícios
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_07_021_anexo1.htm

5. Treinamento no Exterior (SPE)

Sua finalidade é apoiar a participação de pesquisadores, especialistas e técnicos em atividades de aperfeiçoamento, reciclagem ou treinamento no exterior, por meio da realização de estágios e cursos de média e longa duração. A concessão desta modalidade é específica para utilização no âmbito de convênios e programas de cooperação internacional mantidos pelo CNPq.
A duração é de 4 a 12 meses.
Entre os benefícios estão mensalidades equivalentes ao valor da bolsa de Doutorado Pleno no Exterior (GDE) sem direito à inclusão de dependente, passagens aéreas para o bolsista, seguro-saúde.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_07_021_anexo5.htm

6. Estágio/Treinamento no Exterior (BSP)

(Bolsa de Fomento Tecnológico e Extensão Inovadora)

Seu objetivo é apoiar a participação de integrantes da equipe do projeto em eventos no exterior, previamente definidos, tais como: eventos tecnológicos para apresentação de resultados do projeto ou intercâmbio, ou estágios, visitas e cursos de curta duração, para aquisição de conhecimentos específicos e necessários ao desenvolvimento do projeto.
A duração é de 3 meses, sem renovação e respeitado o limite orçamentário do projeto. Os benefícios concedidos são passagens aéreas ou terrestres e diárias no exterior, conforme tabela do CNPq.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_019_anexo8.htm

E. Bolsas por Cota à Instituição

1. Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC)

O programa tem como objetivos despertar vocação científica e incentivar novos talentos potenciais entre estudantes de graduação, contribuindo para a formação de recursos humanos para a pesquisa.
O PIBIC visa também incentivar as instituições à formulação de uma política de iniciação científica, possibilitar maior interação entre a graduação e a pós-graduação, e qualificar alunos para os programas de pós-graduação.
Ao bolsista, orientado por pesquisador qualificado, proporciona a aprendizagem de técnicas e métodos de pesquisa, bem como estimular o desenvolvimento do pensar cientificamente e da criatividade, decorrentes das condições originadas pelo confronto direto com os problemas de pesquisa;
A bolsa com valor de R$ 300,00 por mês tem duração de 12 (doze) meses, admitindo-se renovações a critério do orientador.
O bolsista não pode ter vínculo empregatício.
Mais informações na Comissão de Pesquisa da FAUUSP, ou no site do CNPq: http://www.cnpq.br/programasespeciais/pibic/index.htm

2. Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI)

O PIBITI foi criado no sentido de estimular estudantes do ensino técnico e superior ao desenvolvimento e transferência de novas tecnologias e inovação. As bolsas de iniciação tecnológica serão destinadas a instituições públicas, comunitárias ou privadas. As quotas institucionais deverão ser repassadas aos pesquisadores vinculados à instituição, que atenderem aos termos do Edital publicado anualmente pela instituição.
A bolsa com valor de R$ 300,00 por mês tem duração de 12 (doze) meses, podendo ser renovada anualmente, mediante resultados da avaliação institucional.
Mais informações na Comissão de Pesquisa da FAUUSP, ou no site do CNPq: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_017_anexo6.htm

F. Bolsas por Cota ao Curso

1. Bolsas de Mestrado no País (GM)

Sua finalidade é apoiar a formação de recursos humanos em nível de pós-graduação.
O candidato deve estar regularmente matriculado no curso de pós-graduação e participar da seleção anual organizada pela instituição de ensino.
O valor da bolsa é de R$ 940,00. A duração é de até 24 (vinte e quatro) meses, improrrogáveis.
Mais informações na Comissão de Pesquisa da FAUUSP e na Secretaria da Pós-Graduação,
ou no site do CNPq: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_017_anexo4.htm

2. Bolsas de Doutorado no País (GD)

Sua finalidade é apoiar a formação de recursos humanos em nível de pós-graduação.
O candidato deve estar regularmente matriculado no curso de pós-graduação e participar da seleção anual organizada pela instituição de ensino.
O valor da bolsa é de R$ 1.394,00. A duração é de até 48 (quarenta e oito) meses, improrrogáveis.
Mais informações na Comissão de Pesquisa da FAUUSP e na Secretaria da Pós-Graduação,
ou no site do CNPq: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_017_anexo4.htm

3. Doutorado Direto (PDD) e PG Integrada (PGI)

Os programas PDD e PGI são casos especiais de doutoramento, de adesão voluntária. As regras gerais são as mesmas do doutorado (inclusive valor de bolsa).
Apenas alunos de mestrado com bolsa do CNPq poderão ingressar na PGI. Para implementação de bolsas PDD o coordenador do curso enviará ao CNPq o formulário eletrônico e em seguida emitirá o termo de aceitação do bolsista.
A duração das bolsas é de até 60 meses improrrogáveis, incluídos os meses de bolsa de mestrado.
Mais informações na Comissão de Pesquisa da FAUUSP e na Secretaria da Pós-Graduação,
ou no site do CNPq: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_017_anexo4.htm

G. Bolsas por Cota ao Pesquisador

1. Apoio Técnico (AT)

Essa bolsa é concedida sob a forma de cota ao pesquisador, com base em projeto de pesquisa aprovado e financiado por instituição pública. Tem como objetivo apoiar grupo de pesquisa, mediante a participação de profissional técnico especializado.
O valor da bolsa é de R$ 300,00 ou R$ 483,01, variando de acordo com a categoria, e a duração é de até 24 meses. 
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_017_anexo1.htm

H. Auxílios de Curta Duração

1. Pesquisador Visitante (APV)

Tem o objetivo de propiciar ao pesquisador brasileiro ou estrangeiro a colaboração com grupos de pesquisa, de instituições públicas ou comunitárias nacionais, para o desenvolvimento de linhas de pesquisa ou desenvolvimento tecnológico.
O visitante deve ser doutor, e a visita tem duração mínima de 10 dias e máxima de 90 dias.
Os itens de custeio financiáveis são passagens nacionais ou internacionais e diárias no país (R$ 187,83).
Mais informações:  http://www.cnpq.br/normas/rn_06_015_anexo1.htm

2. Participação em Eventos Científicos (AVG)

Apóia a participação de pesquisador em eventos científicos no exterior, tais como: congressos e similares, intercâmbio científico e/ou tecnológico, além de visitas de curta duração. O candidato deve possuir título de Doutor, ter carta convite da instituição organizador do evento, além de ser proficiente no idioma local.
A duração do auxílio para congressos e similares é em função da duração do(s) evento(s); para visitas de curta duração é de, no máximo, 90 (noventa) dias.
Os itens de custeio financiáveis são: passagem aérea internacional; diárias no exterior, conforme tabela específica; e auxílio para seguro-saúde, no valor equivalente a R$ 150,00, nos países que não ofereçam assistência médica gratuita.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_015_anexo2.htm

3. Promoção de Eventos Científicos (ARC)

Tem como objetivo apoiar a realização no País, de congressos, simpósios, seminários, ciclos de conferências e outros eventos similares de curta duração relacionados à ciência, tecnologia e inovação. A duração é de no máximo de 12 meses, abrangendo a organização e realização do evento, bem como a publicação dos anais, quando for o caso.
Os itens de custeio financiáveis são passagens e diárias para conferencistas e participantes com apresentação de trabalho, e transporte terrestre dos mesmos; publicação de anais, impressão de pôster para divulgação do evento, aluguel de salas de conferência com respectiva infra-estrutura e tradução simultânea.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_015_anexo3.htm

4. Auxílio para Projeto Individual de Pesquisa (APQ)

Apóia, de forma individual, o desenvolvimento de projeto com características de inovação científica e tecnológica, conduzido por pesquisador doutor, contribuindo para a geração de novos conhecimentos.
A duração do projeto individual de pesquisa será especificada em edital.
São itens financiáveis as despesas de custeio e capital, conforme especificado em edital.
Mais informações: http://www.cnpq.br/normas/rn_06_015_anexo4.htm

5. Auxilio Editoração (AED)

Apoia a editoração e publicação de periódicos científicos brasileiros impressos, sendo considerado prioritário o apoio às revistas divulgadas simultaneamentepor meio eletrônico, em todas as áreas do conhecimento. Essas publicações devem ser mantidas e editadas por instituições de âmbito nacional que contribuam para elevar o nível de qualidade, forma e conteúdo das revistas nacionais dedicadas à Ciência, Tecnologia e Inovação, para divulgação no Brasil e no exterior.
A duração é por um período máximo de 12 meses abrangendo a compilação, impressão e circulação da publicação.
São ítens financiáveis: material de consumo, despesas com correio, contratação de serviços de terceiros, contratação de serviços gráficos de arte-final e impressão, e contratação de serviços para a preparação, geração e manutenção da página que hospeda a publicação eletrônica.
Mais informações:

I. Programas Especiais

1. Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (PRONEX)

O PRONEX é um instrumento de estímulo à pesquisa e ao desenvolvimento científico no país, por meio de apoio continuado e adicional aos instrumentos hoje disponíveis, a grupos de alta competência, os quais tenham liderança e papel nucleador no setor de sua atuação. 
Visa promover o esforço integrado de fomento à pesquisa do conjunto das agências federais, dos órgãos estaduais e municipais, articulando-se com o setor produtivo, quando couber, buscando desenvolver ações comuns e complementares; explorar as vantagens das novas formas e mecanismos de financiamento, criar e aplicar mecanismos adequados de avaliação e controle de desempenho; catalisar e desenvolver núcleos emergentes.
São financiáveis itens de custeio e capital, compreendendo: recuperação de laboratórios de pesquisa; compra de equipamentos; aquisição de material de consumo para pesquisa; serviços de terceiros para pesquisa; estágios de professores, pesquisadores e cientistas de outros centros do Brasil e do exterior; recrutamento, por tempo limitado, de pessoal necessário ao núcleo; organização de seminários e cursos; participação de pesquisadores em congressos, seminários e atividades externas; reequipamento das bibliotecas, integrando-as em rede por área de conhecimento; passagens e diárias. 
Informações mais detalhadas acerca desse programa, bem como a solicitação de apoio e calendários, favor contatar diretamente a CNPq: http://www.cnpq.br/programasespeciais/pronex/index.htm

CNPq

Edifício Sede CNPq
SEPN – Quadra 507 – Bloco B 
Brasília – DF – CEP: 70740-901
Central de Atendimento: 0800 61 96 97
Tel.: Geral/Pabx: (61) 2108.9000
Fax: (61) 2108.9394
Site: www.cnpq.br

FAPESP

Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo

A Fapesp está prevista nas constituições estaduais de 1947 e 1989 como órgão de privativa administração, tendo sido criada com base na Lei n. 5.918, de 18 de outubro de 1960. A fundação começou a funcionar, efetivamente, em 1962, e tem por objetivo apoiar o desenvolvimento científico e tecnológico do estado em todas as áreas de conhecimento, contribuindo para a realização de projetos de pesquisa, a difusão do conhecimento científico e a formação e aperfeiçoamento de pesquisadores.
No desempenho dessa função, a Fapesp apóia todas as áreas da ciência e da tecnologia, por meio da concessão de bolsas, e de auxílios e projetos de pesquisa e outras atividades ligadas à investigação e ao intercâmbio científico, propostas apresentadas pelos pesquisadores do estado, e decide em função de seu mérito, avaliado por assessoria científica.

A. Bolsas no País

  1. Bolsa de Iniciação Científica;
  2. Bolsa de Mestrado;
  3. Bolsa de Doutorado;
  4. Bolsa de Doutorado Direto;
  5. Bolsa de Pós-Doutorado;
  6. Bolsa de Treinamento Técnico (TT).

B. Auxílios

  1. Auxílio à Pesquisa;
  2. Projeto Temático;
  3. Vinda de Pesquisador Visitante;
  4. Organização de Reunião Científica e/ou Tecnológica;
  5. Participação em Reunião Científica e/ou Tecnológica;
  6. Auxílio à Publicação;
  7. Reparo de Equipamentos.

C. Bolsas no Exterior

  1. Bolsa de Pesquisa no Exterior (Pq-EX);
  2. Novas Fronteiras;

D. Programas

  1. Apoio a Jovens Pesquisadores;
  2. Programa Equipamentos Multiusuários;
  3. Consórcios Setoriais para Inovação Tecnológica (ConSITec);
  4. Programa de Apoio à Propriedade Intelectual;
  5. Programa de Pesquisa em Políticas Públicas.

E. Chamadas de Propostas

A. Bolsas no País

As bolsas concedidas pela Fapesp, desde a iniciação científica até o pós-doutoramento, são um instrumento para a formação e o aperfeiçoamento de pesquisadores de alto nível, indispensável ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia no estado de São Paulo.
As bolsas são vinculadas ao desenvolvimento de um projeto de pesquisa e podem ser outorgadas a:

  • Candidatos de dentro ou de fora do estado, para desenvolvimento de projetos de pesquisa em instituições localizadas no estado, desde que não tenham vínculo empregatício nem exerçam atividade autônoma remunerada;
  • Candidatos residentes no estado, para desenvolvimento de projetos de pesquisa no exterior, desde que tenham vínculo empregatício ou garantia de emprego no estado após a conclusão do programa.

1. Bolsa de Iniciação Científica

Destina-se a alunos de graduação em instituições de ensino superior localizadas no estado, para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica (IT), sob a direção de um orientador com título de doutor ou qualificação equivalente, avaliada por sua súmula curricular. 
A bolsa é concedida, em circunstâncias normais, por período de 1 (um) ano, sendo renovável após análise do desempenho do bolsista e de seu histórico escolar atualizado. Não se concede bolsa por período inferior a 6 (seis) meses. A vigência da bolsa não pode ultrapassar a data do término do último semestre letivo do curso de graduação do bolsista. 
O valor é de R$ 396,00 mensais. 
Mais informações:  http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=248

2. Bolsa de Mestrado

Destina-se a alunos regularmente matriculados em programas de pós-graduação stricto sensu para o desenvolvimento de projeto de pesquisa que resulte em dissertação. O orientador deve ter título de doutor ou qualificação equivalente, avaliado por sua súmula curricular. 
A bolsa tem duração máxima de 24 (vinte e quatro) meses e é concedida em dois níveis (MS-I e MS-II). 
O valor é de R$ 1.164,00 para MS-I e R$ 1.236,00 para MS-II.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=259

3. Bolsa de Doutorado

Destina-se a alunos regularmente matriculados em programas de pós-graduação stricto sensu para o desenvolvimento de projeto de pesquisa que resulte em tese. O orientador deve ter título de doutor ou qualificação equivalente, avaliado por sua súmula curricular. 
A duração ordinária da bolsa de doutorado é de 36 (trinta e seis) meses, podendo ser prorrogada, em condições excepcionais e muito bem definidas e justificadas, por período não-superior a 12 (doze) meses, dependendo da avaliação de mérito. 
O valor da bolsa é de R$ 1.716,00 para DR-I e R$ 2.124,00 para DR-II.
Mais informações:  http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=261

4. Bolsa de Doutorado Direto

Destina-se a alunos regularmente matriculados em programas de pós-graduação stricto sensu, sem o título de mestre, para o desenvolvimento de projeto de pesquisa que resulte em tese. O orientador deve ter título de doutor ou qualificação equivalente, avaliado por sua súmula curricular. 
A duração ordinária da bolsa é de 48 (quarenta e oito) meses, podendo ser prorrogada, em condições excepcionais e muito bem definidas e justificadas, por período não-superior a 12 (doze) meses, dependendo da avaliação de mérito. 
O valor da bolsa varia entre R$ 1.164,00 (DD-I), R$ 1.236,00 (DD-II), R$ 1.716,00 (DD-III) e R$ 2.124,00 (DD-IV).
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=278

5. Bolsa de Pós-Doutorado

A bolsa de pós-doutorado destina-se a portador de título de doutor obtido recentemente com destacado desempenho, para o desenvolvimento de pesquisa em instituição localizada no estado de São Paulo. 
A duração é de 1 (um) ano, podendo ser renovada por até mais 2 (dois) anos, ou por até mais 3 (três) anos, se for bolsa vinculada a Projeto Temático, CEPID, Genoma, Biota ou Jovem Pesquisador. 
O valor da bolsa é de R$ 4.203,14. 
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=270

6. Bolsa de Treinamento Técnico (TT)

A bolsa destina-se ao treinamento e aperfeiçoamento de técnicos e alunos de cursos técnicos de nível médio e superior (recém-graduados) que participem de atividades de apoio a projetos de pesquisa em instituição do Estado de São Paulo, financiados pela FAPESP. 
São fornecidos dois tipos de bolsas e um de auxílio: Bolsa de Treinamento Técnico; Bolsa de Participação em Curso ou Estágio Técnico no País ou no Exterior; Auxílio para Organização de Curso de Treinamento Técnico. 
As Bolsas de Capacitação Técnica (Treinamento Técnico ou Participação em curso ou estágio técnico) podem ser solicitadas durante a vigência de projetos de pesquisa que já estejam sendo financiados ou com solicitação de financiamento pela FAPESP. Auxílios para Organização de Curso de Treinamento Técnico podem ser solicitados quando houver projeto de auxílio a pesquisa em andamento.
A duração é de no mínimo de 6 (seis) meses e máximo de 1 (um) ano, renovável por até mais um ano, para Bolsa de Treinamento Técnico; e no mínimo de 30 (trinta) dias e máximo de 6 (seis) meses para Bolsa de Participação em Curso ou Estágio Técnico e para Auxílio para Organização de Curso de Treinamento Técnico.

São cinco níveis de bolsa: 

  • Nível I, para alunos de graduação de instituição de ensino superior, com valor de R$ 250,00.
  • Nível II, para alunos recém-graduados em escola técnica de nível médio ou que estão no último ano, com valor de R$ 500,00.
  • Nível III, para recém formados em curso superior, com valor de R$ 700,00.
  • Nível IV, para especialistas em tecnologia da informação, com experiência na área de análise de sistemas, com valor de R$ 1.770,00.
  • Nível V, para especialistas em tecnologia da informação, com larga experiência na área de análise de sistemas, com valor de R$ 4.203,14.

Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=174

B. Auxílios

1. Auxílio à Pesquisa

O auxílio consiste em financiamento de projeto de pesquisa individual a ser desenvolvido sob a responsabilidade de um pesquisador com título de doutor ou qualificação equivalente, avaliado por sua súmula curricular, vinculado a entidades que realizam pesquisa com ou sem funções de ensino, públicas ou privadas, localizadas no Estado de São Paulo.
A duração é de 1 (um) a 2 (dois) anos, prorrogáveis, dependendo da análise do pedido do pesquisador.
Podem fazer parte do orçamento proposto itens de Material Permanente, Material de Consumo, Serviços de Terceiros, Transportes e Diárias, necessários e diretamente vinculados à realização do projeto de pesquisa. A solicitação pode ser feita em qualquer época do ano.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=137

2. Projeto Temático

Essa modalidade financia grandes pesquisas, em geral de 4 (quatro) anos, envolvendo equipes maiores de pesquisadores, geralmente de vários departamentos ou instituições, visando à obtenção de resultados científicos ou tecnológicos e socioeconômicos de maior impacto. Visa à obtenção de um conjunto de resultados conceitualmente coerentes sobre um tema de pesquisa, com objetivos bem definidos. A solicitação pode ser feita em qualquer época do ano.
Os membros da equipe podem estar vinculados a um ou vários departamentos ou instituições de pesquisa do país ou do exterior. Além do coordenador e do(s) pesquisador(es) principal(is), a equipe poderá incluir pós-graduandos, estagiários, pessoal técnico, e pessoal administrativo.
A duração é de até 4 (quatro) anos.
Mais informações sobre formulários, valores de bolsas, auxílios, reserva técnica, benefícios complementares, auxílio para infra-estrutura e solicitações complementares, acesse: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=176

3. Vinda de Pesquisador Visitante

Destina-se a cobrir, total ou parcialmente, as despesas referentes à visita de pesquisador experiente, vinculado à instituição de pesquisa do Brasil ou do exterior, a uma instituição de pesquisa no estado de São Paulo, por um período contínuo e não- superior a 1 (um) ano. O objetivo principal é viabilizar a colaboração entre pesquisadores no desenvolvimento de projetos de pesquisa em andamento, ou a ponto de serem iniciados na instituição anfitriã.
A duração é de até 12 (doze) meses consecutivos e improrrogáveis. A solicitação do auxílio pode ser feita em qualquer época do ano.
Os benefícios são: custeio das despesas de transporte do visitante do local de origem ao local da visita (uma passagem de ida e volta); ajuda de custo para manutenção do visitante no local da visita (não se paga pró-labore); o valor da ajuda de custo é definida pela assessoria científica da Fapesp, com base no currículo do visitante.
O valor do auxílio à vinda do pesquisador visitante pode variar de R$ 400,00 a R$ 6.865,50, de acordo com a categoria do mesmo.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=147

4. Organização de Reunião Científica e/ou Tecnológica

Destina-se a apoiar, parcialmente, a realização de reunião de reconhecida importância ao intercâmbio científico ou tecnológico para participação de pesquisadores do estado de São Paulo. A solicitação do auxílio pode ser feita em qualquer época do ano.
Os tipos de reunião são:

  • Reunião no estado de São Paulo: Apóia-se apenas a participação de pesquisadores do estado de São Paulo e do exterior. Os pesquisadores de outros estados deverão solicitar apoio às Fundações de Amparo à Pesquisa estaduais (FAPs) locais ou às agências federais.
  • Reunião em outro estado: Deve ser solicitado por pesquisador do estado de São Paulo, na forma de pedido coletivo. Apóia-se somente a participação de pesquisadores do estado de São Paulo. Apresentar lista dos pesquisadores, indicando titulação e filiação institucional e os documentos solicitados.

A duração é conforme o termo de outorga.
São itens financiáveis: passagem individual ou transporte coletivo; diárias; serviços de terceiros, tais como: despesas de correspondência e publicações de programas e de resumos (somente quando se tratar de eventos no estado de São Paulo). 
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=156

5. Participação em Reunião Científica e/ou Tecnológica 

Destina-se a financiar, parcialmente, a participação de pesquisadores do estado de São Paulo em reuniões científicas ou tecnológicas, no Brasil ou no exterior, para apresentação de trabalho de sua autoria, não-publicado, resultado de projeto de pesquisa financiado pela Fapesp, que exponha resultados inéditos de pesquisa. 
A apresentação de trabalho de pesquisa científica e/ou tecnológica, não- resultante de apoio da Fapesp, poderá ser financiada apenas em condições excepcionais. 
Serão avaliados a importância do evento, a modalidade de apresentação, a regularidade da produção divulgada em publicações e o conjunto de solicitações referentes ao mesmo evento, bem como a relação do trabalho a ser apresentado com projetos de pesquisa financiados pela Fapesp. 
A duração varia conforme mencionado no termo de outorga.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=177

6. Auxílio à Publicação

Destina-se ao financiamento parcial e proporcional de publicação de periódicos, artigos e livros que exponham resultados originais de pesquisa realizada por pesquisador do estado de São Paulo.
A duração varia conforme mencionado no termo de outorga, e a  solicitação do auxílio pode ser feita em qualquer época do ano.
Mais informações, formulários e manual de solicitação do auxilio, acesse: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=555

7. Reparo de Equipamentos 

Destina-se a reparo de equipamento relevante para a execução de projeto de pesquisa em instituição no estado de São Paulo.
O auxílio tem duas modalidades:

  • Tipo I – No caso de equipamento para projeto de pesquisa em andamento, deverá ser encaminhado pedido de aditivo, mencionando-se o número do processo. Se o equipamento for de uso comum a vários projetos financiados pela Fapesp, eles deverão estar listados na justificativa, com os respectivos resumos e números de processo.
  • Tipo II – Não havendo projeto de pesquisa financiado pela Fapesp, deverá solicitar auxílio reparo de equipamentos.

A duração é conforme mencionado no termo de outorga.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=1551

C. Bolsas no Exterior

1. Bolsa de Pesquisa no Exterior (Pq-EX)

Essa modalidade de bolsa se destina a pesquisador com título de doutor ou qualificação equivalente, para a realização de atividade de pesquisa em instituição no exterior.
A duração da bolsa é de até 5 (cinco) meses. 
Os itens financiáveis são:

  • Diárias, até o limite de 20 (vinte) diárias quando a duração da atividade de pesquisa é inferior a 1 mês, mediante análise da FAPESP;
  • Manutenção mensal de US$ 2200,00 ou fração, quando a duração da atividade de pesquisa é igual ou maior que 1 mês.
  • Bolsa Casal: manutenção mensal de US$ 1500,00 ou fração (considera-se a “Bolsa Casal” quando um dos cônjuges é bolsista da FAPESP e o outro é bolsista de qualquer instituição, do Brasil ou do exterior, inclusive FAPESP);
  • Passagem Aérea (classe promocional, ou no máximo em classe econômica normal);
  • Passagem Terrestre (exceto táxi);
  • Seguro Saúde conforme tabela vigente disponível no site da FAPESP.

Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=2429

2. Novas Fronteiras

Em 2001, a FAPESP definiu uma nova política de pós-doutoramento, que conjugava os propósitos de propiciar aos jovens pesquisadores possibilidades de formação e aperfeiçoamento excelentes, incentivar sua inserção imediata no sistema de pesquisa do Estado de São Paulo e fortalecer os núcleos de excelência do Estado.
O objetivo é apoiar a realização de estágios de longa duração em centros de excelência no exterior, em áreas de pesquisa ainda não bem implantadas no Estado de São Paulo. Podem participar pesquisadores que tenham obtido doutorado há não mais de dez anos e com firme vínculo empregatício com instituição de pesquisa do Estado.
O apoio se dará na forma da concessão de bolsas, com duração improrrogável de 12 meses. As solicitações serão recebidas uma vez por ano.
Os itens financiáveis são:

Para o bolsista:

  • Manutenção mensal de US$ 2.200,00 ou fração.
  • No caso dos bolsistas que desenvolverão projetos em países na Europa e na Ásia, será concedido um adicional de 20% no valor supramencionado da Bolsa.
  • Bolsa Casal: manutenção mensal de US$ 1.500,00 ou fração (considera-se a “Bolsa Casal” quando um dos cônjuges é bolsista da FAPESP e o outro é bolsista de qualquer instituição, do Brasil ou do exterior, inclusive FAPESP);
  • Passagem aérea;
  • Passagem terrestre (exceto táxi);
  • Seguro-saúde, conforme valor vigente.
  • Para dependentes (somente para os dependentes que forem permanecer com o bolsista durante todo o período da bolsa):
  • Passagem aérea para um dos dependentes (procedimento igual ao da passagem do bolsista);
  • Manutenção mensal de dependentes, até o limite de 4 (quatro):

                               US$ 300,00 (trezentos dólares) para um dependente;
                               US$ 550,00 (quinhentos e cinquenta dólares) para dois dependentes;
                               US$ 750,00 (setecentos e cinquenta dólares) para três dependentes;
                               US$ 900,00 (novecentos dólares) para quatro dependentes.

  • Seguro-saúde para um dos dependentes, conforme valor vigente.

Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=2033

D. Programas

1. Apoio a Jovens Pesquisadores

A finalidade do programa é possibilitar a criação adequada de trabalho para jovem pesquisador ou grupo de jovens pesquisadores de grande potencial, de preferência em centros emergentes de pesquisa, favorecendo a nucleação de novos grupos e a descentralização do sistema estadual de pesquisa.
Os recursos serão concedidos de forma a garantir, rapidamente, as condições mínimas para o desenvolvimento pleno e autônomo do projeto. Facilidades em pedidos complementares serão assegurados aos grupos de pesquisadores, pela agilidade nos processo de análise de solicitações de bolsas, apoio à vinda de pesquisador visitante, etc. Haverá também investimento na infra-estrutura de pesquisa desses centros emergentes, objetivando viabilizar o desenvolvimento dos projetos aprovados dentro do programa.
O apoio é dado na forma de concessão de auxílio à pesquisa. Aos jovens pesquisadores ainda sem vínculo empregatício com a instituição, na qual desenvolvem a pesquisa, é concedida Bolsa de Jovem Pesquisador.
O financiamento do projeto poderá incluir material permanente nacional e importado; material de consumo nacional e importado, serviços de terceiros (especializados e de curta duração); despesas de transporte, diárias e reparo de equipamentos. As solicitações de apoio podem ser feitas durante todo o ano.
A duração é de até 4 (quatro) anos para auxílios, 1 (um) ano para bolsa, passível de renovação anual.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=48

2. Programa Equipamentos Multiusuários 

O Programa de Equipamentos Multiusuários financia a aquisição de material permanente de grande porte orçamentário, solicitado por consórcios de grupos de pesquisa, bem como suprimentos e serviços necessários à sua instalação e operacionalização.
O programa concede particular atenção a instrumentos científicos de custo inacessível a pedidos de auxílios individuais. A importância desses equipamentos para o desenvolvimento dos projetos de pesquisa de um conjunto de pesquisadores, com ampla experiência e comprovada competência, pode justificar o extraordinário dispêndio exigido. 
O programa contempla também a estruturação de laboratórios que atendam às necessidades de vários grupos. 
O período de vigência do auxílio é de 24 (vinte e quatro) meses.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=1609

3. Consórcios Setoriais para Inovação Tecnológica (ConSITec)

O ConSITec foi criado em 2000, com o objetivo de estimular a colaboração entre grupos de pesquisa ligados a instituições paulistas e aglomerados de empresas de um mesmo setor, para resolver problemas tecnológicos de interesse comum. 
As propostas de pesquisa devem permitir interação abrangente e sustentável por prazos mais dilatados. O programa oferece auxílios para a implantação e modernização da infra-estrutura de laboratórios de grupos voltados para a pesquisa tecnológica, instalados em uma ou mais instituições de pesquisa e também concede auxílios individuais a pesquisadores. 
Por meio desse programa, a Fapesp concederá: auxílios para a implantação e modernização da infra-estrutura laboratorial de um grupo instalado em uma ou mais instituições de pesquisa e voltado para a pesquisa tecnológica, solicitados pelo consórcio; auxílios à pesquisa, solicitados individualmente por membros do grupo, nos moldes habituais.
O primeiro auxílio concedido pela Fapesp a um consórcio terá um período de vigência de 3 (três) anos, condicionado ao bom andamento das atividades de pesquisa e à manutenção do apoio das empresas. O apoio direto ao grupo de pesquisa consistirá num auxílio de, no máximo, R$ 200.000,00 por ano, destinado a permitir que o Consórcio gerencie seu programa de pesquisa de forma efetiva, em parceria com seus outros patrocinadores. O propósito desse apoio é complementar o volume de recursos provenientes das empresas e de outros eventuais patrocinadores.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=55

4. Programa de Apoio à Propriedade Intelectual / Núcleo de Patenteamento e Licenciamento de Tecnologia

O programa foi criado em maio de 2000, em decorrência da necessidade de proteger a propriedade intelectual e licenciar os inventos resultantes de pesquisas financiadas pela Fapesp. 
O objetivo é orientar e auxiliar pesquisadores quanto à avaliação do projeto no que diz respeito à viabilidade técnica, originalidade, potencial de mercado e necessidade e custos de protótipo, além de emitir pareceres relativos ao potencial de mercado e originalidade e, nos casos favoráveis, auxiliar os inventores a preparar relatórios e fazer o depósito de patentes no Brasil e/ou de uma patente provisória no exterior. 
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=57

5. Programa de Pesquisa em Políticas Públicas

Lançado em agosto de 1998, o Programa de Pesquisa em Políticas Públicas financia pesquisas voltadas ao atendimento de demandas sociais concretas e busca a aproximação do sistema de ciência e tecnologia paulista com a sociedade.
Sua finalidade é financiar atividades de pesquisa que possam beneficiar a formulação e implementação de políticas públicas de significativa importância social e projetos de pesquisa desenvolvidos em parceria com organizações responsáveis pela implementação de políticas públicas, cujos resultados tenham impacto no Estado de São Paulo.
São exigidos como requisitos dos projetos apresentados: ter um coordenador/pesquisador, ter características de pesquisa aplicada, apresentar objetivos claramente definidos, ser adequado aos objetivos do Programa de Pesquisa em Políticas Públicas.
O Programa de Políticas Públicas não é uma modalidade de apoio de fluxo contínuo, estando condicionada a apresentação de propostas à vigência de editais. A FAPESP informará a respeito da abertura de novos editais.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=2083

E. Chamadas de Propostas

A FAPESP ainda utiliza o recurso de Chamadas de Propostas para programas em parcerias com agências nacionais e estrangeiras, apoiando projetos de pesquisa nos mais diversos temas.
Mais informações: http://www.fapesp.br/materia.php?data[id_materia]=2185

Duração e Prazos

Em alguns programas especiais, a Fapesp estabelece datas inicial e final para recebimento de propostas.
Os demais prazos para inscrição, bem como a duração das concessões, constam das instruções específicas para cada tipo de auxílio ou bolsa.

Algumas Normas da Fundação 

Não se complementam bolsas, no país ou no exterior, de outras entidades nacionais.
Não se liberam recursos concedidos a pesquisadores, orientadores ou bolsistas os quais estejam em débito com a Fapesp, no que concerne à devolução de processo de que sejam assessores e à apresentação de relatório científico ou prestação de contas.
Não se acolhem pedidos de bolsas no exterior para candidatos que já estejam fora do Brasil e não tenham vínculo empregatício ou garantia de emprego no estado de São Paulo.

Como Solicitar Apoio

As propostas devem ser encaminhadas em formulários apropriados a cada tipo de auxílio ou bolsa, acompanhados da documentação pertinente. Os formulários podem ser obtidos na Comissão de Pesquisa de cada unidade, diretamente na Fapesp ou no site.

Contatos:
www.fapesp.br / Fone (11) 3838 4000 

FAPESP

Rua Pio XI, 1.500
São Paulo – SP – CEP: 05468-901
Fone: (11) 3838.4000
Fax: (11) 3645.2421
Site: www.fapesp.br

CAPES

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior

A Capes é uma fundação pública do Ministério da Educação e do Desporto, criada pelo Decreto n. 29.741, de 11 de julho de 1951 e instituída com base na Lei n. 8.405, de 9 de janeiro de 1992. Tem por objetivo principal subsidiar esse órgão na formulação das políticas de pós-graduação, coordenando e estimulando – mediante a concessão de bolsas de estudos, auxílios e outros mecanismos – a formação de recursos humanos altamente qualificados para a docência em grau superior, a pesquisa e o atendimento da demanda profissional dos setores público e privado.
A Capes é a única agência de fomento à pós-graduação, no Brasil, a manter um sistema de avaliação de cursos, reconhecido e utilizado por outras instituições nacionais.
No plano geral a Capes tem as seguintes finalidades: I) elaborar a proposta do Plano Nacional de Pós-Graduação, acompanhar e coordenar sua execução; II) elaborar planos de atuação setoriais ou regionais; III) promover estudos e avaliações necessários ao desempenho de suas atividades; IV) fomentar estudos e atividades que, direta ou indiretamente, contribuam para o desenvolvimento e consolidação das instituições de ensino superior; VI) apoiar o processo de desenvolvimento científico e tecnológico nacional; VII) manter intercâmbio e contato com outros órgãos da administração pública ou entidades privadas nacionais e internacionais, visando à celebração de convênios, acordos, contratos e ajustes relativos à consecução de seus objetivos.

Programas e Atividades da Capes

  1. Programa de Apoio a Projetos Institucionais com a Participação de Recém-Doutores (PRODOC) 
  2. Programa de Demanda Social (DS) e Programa de Apoio à Pós-Graduação (PROAP) 
  3. Bolsas no Exterior
  4. Programa Professor Visitante Estrangeiro (PVE) 
  5. Programa de Apoio a Eventos no País (PAEP)
  6. Programa Nacional de Cooperação Acadêmica (PROCAD)
  7. Programa de Qualificação Institucional (PQI)
  8. Programa de Apoio a Eventos no Exterior (PAEX) 
  9. Acordos de Cooperação Internacional
  10. Programa Nacional de Pós Doutorado (PNPD)

A. Programa de Apoio a Projetos Institucionais com a Participação de Recém-Doutores (PRODOC) 

O programa viabiliza a complementação da formação de recém-doutores e, ao mesmo tempo, estimula o desenvolvimento de projetos institucionais voltados para a integração das atividades de ensino, pesquisa e extensão, e a melhoria do desempenho dos programas brasileiros de pós-graduação. 
O PRODOC abrange duas modalidades de apoio para os projetos aprovados:

  1. bolsa de pós-doutoramento, no valor mensal de R$3.300,00, paga ao bolsista diretamente pela Capes, para a participação de um recém-doutor durante o período de execução do projeto;
  2. auxílio financeiro no valor máximo anual de R$12.000,00, a ser repassado ao coordenador do programa, para o custeio de atividades de ensino, pesquisa e extensão referentes ao projeto apoiado.

Editais anuais convocam as instituições a apresentarem projetos a serem contemplados.
Mais informações: http://www.capes.gov.br/bolsas/nopais/prodoc.html

B. Programa de Demanda Social (DS) e Programa de Apoio à Pós-Graduação (PROAP) 

A DS promove a formação de recursos humanos de alto nível necessários ao país, por meio da concessão de bolsas aos programas de pós-graduação stricto sensu – mestrado e doutorado – avaliados pela Capes.
O Programa de Demanda Social concede o maior número de bolsas da pós-graduação brasileira, mantendo um total de 15.800 bolsas de estudo, distribuídas entre 11.417 de mestrado e 4.383 de doutorado, atendendo, assim, a 1.322 programas de pós-graduação de 105 instituições de ensino superior e de pesquisa no país.
As bolsas são gerenciadas pelas instituições e programas de pós-graduação, os quais são responsáveis pela seleção, concessão e acompanhamento do bolsista, conforme as orientações da Capes.
O Programa de Apoio à Pós-Graduação (PROAP) tem a finalidade de financiar as atividades dos cursos de pós-graduação, proporcionando melhores condições para a formação de recursos humanos. 
Mais informações na Comissão de Pesquisa da FAUUSP.

C. Bolsas no Exterior

  • Bolsa de doutorado: A bolsa de doutorado no exterior destina-se a candidatos de comprovado desempenho acadêmico e que se dirijam a instituições de excelência e prestígio internacional, formando doutores em áreas nas quais se verifique carência de grupos consolidados no país.
  • Estágio de doutorando: A modalidade de bolsa visa proporcionar aos estudantes a oportunidade de desenvolver parte de sua pesquisa de doutorado em instituição no exterior, de reconhecida excelência, e baseia-se no princípio da cooperação entre professores e pesquisadores para a formação de novos doutores no país. 
  • Estágio pós-doutoral: Bolsas de estágio, de até 12 (doze) meses, com o objetivo de permitir que o professor e/ou pesquisador possa desenvolver atividades conjuntas com seu(s) colega(s) ou grupo congênere no exterior, das quais resulte produção inserida em seu contexto institucional de atuação. 

Mais informações: http://www.capes.gov.br/bolsas/bolsas-no-exterior

D. Programa Professor Visitante Estrangeiro (PVE) 

O programa fomenta visitas de média ou longa duração, de professores estrangeiros convidados por cursos de doutorado de Instituições de Ensino Superior (IES) brasileiras.
Benefícios para o professor visitante: Concessão de bolsa cujo valor varia de R$ 3.300,00 a R$ 7.100,00, passagem aérea e Auxílio instalação.
Mais informações: http://www.capes.gov.br/bolsas/cooperacao/multinacional/pve.html

E. Programa de Apoio a Eventos no País (PAEP)

Concede recursos a eventos de caráter científico, tecnológico e cultural de curta duração, promovidos por associações e sociedades nacionais científicas, de pós-graduação e de pesquisa, com abrangência nacional e internacional. 
Os eventos apoiados devem apresentar interesse inequívoco para a pós-graduação stricto sensu. Os pedidos devem ser encaminhados à CAPES até 120 dias antes do evento.
Mais informações: http://www.capes.gov.br/bolsas/nopais/paep.html

F. Programa Nacional de Cooperação Acadêmica (PROCAD)

Visa à formação de recursos humanos de alto nível, vinculada a projetos conjuntos de pesquisa de média duração, nas diversas áreas do conhecimento. Simultaneamente, busca intensificar o intercâmbio científico no país, por intermédio do envolvimento de equipes acadêmicas de diversas instituições de ensino superior e de pesquisa brasileiras, criando condições para a elevação geral da qualidade do ensino superior e da pós-graduação. 
Os projetos são apoiados por meio do financiamento de missões de estudo, missões de docência e pesquisa e estágio pós-doutoral. As missões devem ser planejadas de modo a assegurar a implementação das ações necessárias, destinadas a facilitar e possibilitar a interação entre as equipes, consolidando, desse modo, as redes de cooperação.
Editais anuais convocam as instituições a apresentarem projetos a serem contemplados.
Mais informações: http://www.capes.gov.br/bolsas/especiais/procad.html

G. Programa de Qualificação Institucional (PQI)

Programa de apoio a missões de estudo e de trabalho voltado à formação de docentes de instituições públicas de ensino superior, vinculado a projetos conjuntos de pesquisa e pós-graduação entre equipes de diferentes regiões do país ou de diferentes cidades da mesma região e de diferentes instituições. 
Mais informações: http://www.capes.gov.br/bolsas/nopais/pqi.html

H. Programa de Apoio a Eventos no Exterior (PAEX) 

O objetivo do programa é incrementar a visibilidade internacional da produção científica, tecnológica e cultural gerada no país, por intermédio do financiamento da apresentação de trabalhos de professores e pesquisadores doutores em eventos no exterior. 
A Capes analisa as solicitações encaminhadas até 90 dias antes do início do evento. O resultado da análise será comunicado em até 15 dias antes do evento. As solicitações podem ser feitas on-line, em: http://www.capes.gov.br/bolsas/noexterior/paex.html

I. Acordos de Cooperação Internacional 

A Cooperação Internacional da Capes visa ao desenvolvimento das atividades da pós-graduação brasileira no contexto mundial. A Capes busca apoiar os grupos de pesquisas brasileiros, principalmente, por meio do intercâmbio internacional, procurando a excelência de nossa pós-graduação. 
A principal atividade da Cooperação Internacional se dá por meio de acordos bilaterais. São os programas que fomentam projetos conjuntos de/entre grupos de pesquisa brasileiros e estrangeiros. A Capes financia missões de trabalho (intercâmbio de professores), bolsas de estudo (intercâmbio de alunos), além de uma quantia para o custeio das atividades do projeto. É imprescindível que os grupos de pesquisadores brasileiros estejam ligados a programas de pós-graduação reconhecidos pelo MEC. 
A Capes, no âmbito internacional, possui, também, programas de parcerias universitárias binacionais. Esses programas foram iniciados em 2001 e objetivam, principalmente, o aumento do intercâmbio de estudantes de graduação, além de fomentá-lo entre alunos de pós-graduação e professores. As parcerias são implementadas entre universidades brasileiras e estrangeiras, sendo fundamental a garantia do reconhecimento mútuo dos créditos aos alunos na área escolhida pelo projeto. O programa busca, ainda, a aproximação das estruturas curriculares dentre as instituições e cursos participantes.
A Capes mantém acordo com Alemanha, Argentina, Chile, China, Cuba, Espanha, Estados Unidos, França, Portugal e Uruguai.
Mais informações: http://www.capes.gov.br/bolsas/cooperacao/

J. Programa Nacional de Pós Doutorado (PNPD)

O programa visa fomentar as atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, mediante a seleção de propostas que visem: a absorção temporária de jovens doutores para atuarem em projetos de pesquisa e desenvolvimento em áreas estratégicas; o reforço à pós-graduação e aos grupos de pesquisa nacionais; a renovação de quadros nas universidades e instituições de pesquisa; o apoio à Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE), à Lei nº 10.973/04 – Lei da Inovação e à Lei Nº 11.487 que disciplina e concede incentivo fiscal ao desenvolvimento de projetos de P&D&I conjuntos de Instituições de Ciência e Tecnologia e Empresas; apoio às empresas de base tecnológica (EBT´s).
Poderão apresentar propostas de projetos de pesquisa, instituições de ensino superior (IES), centros e institutos de pesquisa, programas de pós-graduação, empresas da área tecnológica e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq, na categoria 1 ou equivalente. Terão prioridade para receber apoio do PNPD os projetos que envolvam a interação de universidade, centro ou instituto de pesquisa com empresas e/ou de formação de pós-graduandos para o ensino e a pesquisa.
Inscrições: Até 28 de fevereiro de 2008
Mais informações: http://www.capes.gov.br/bolsas/nopais/pnpd.html

Calendário

Os prazos de inscrição e a duração das concessões constam das instruções específicas para cada tipo de auxílio ou bolsa.
Informações mais detalhadas acerca desse programa, favor contatar diretamente a Capes:
www.capes.gov.br / Fone (61) 2104-8860 

CAPES

Ministério da Educação
Anexos I e II – 2o andar
Brasília – DF – CEP: 70359-970
Fone: (61) 2104.8860
Fax: (61) 225.2279
Site: www.capes.gov.br

FINEP

Financiadora de Estudos e Projetos

A Finep [empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia] promove e financia a inovação e a pesquisa científica e tecnológica, cujos resultados possam contribuir para a expansão do conhecimento e/ou geração de impactos positivos no desenvolvimento socioeconômico brasileiro, objetivando: expandir e aperfeiçoar o Sistema Nacional de C,T&I, incentivando o aumento da produção do conhecimento e da capacitação científica e tecnológica do país; estimular e apoiar atividades que promovam a ampliação da capacidade de inovação, de geração e incorporação de conhecimento científico e tecnológico, na produção de bens e serviços; colaborar para o sucesso das metas definidas pelas políticas públicas do governo federal.
Os clientes da Finep são organizações nacionais que desenvolvem atividades de C&T, desde a fase de estudos e projetos até a implantação industrial, tais como empresas públicas e privadas, universidades, institutos de pesquisa tecnológica, órgãos do governo e outro agentes usuários ou produtores da inovação e candidatos à capacitação tecnológica.

Atuação

Enquanto o CNPq apóia, prioritariamente, pessoas físicas, por meio de bolsas e auxílios, a Finep apóia ações de C,T&I de instituições públicas e privadas. Os procedimentos operacionais da Finep são norteados pelo apoio a ações de C,T&I voltadas para as seguintes finalidades:

  • Ampliação do conhecimento e capacitação de recursos humanos do sistema nacional de ciência e tecnologia;
  • Pesquisa, desenvolvimento e inovação de produtos e processos no setor empresarial;
  • Aumento da qualidade e do valor agregado de produtos, processos e serviços para o mercado nacional, visando à melhoria da qualidade de vida da população e à substituição seletiva de importações;
  • Aumento da competitividade de produtos, processos e serviços para o mercado internacional, visando ao aumento das exportações;
  • Promoção da inclusão social e da redução das disparidades regionais;
  • Valorização da capacidade científica e tecnológica instalada e dos recursos naturais do Brasil.

Financiamentos

A Finep concede financiamentos reembolsáveis e não-reembolsáveis.
O apoio abrange todas as etapas e dimensões do ciclo de desenvolvimento científico e tecnológico: pesquisa básica, pesquisa aplicada, inovações e desenvolvimento de produtos, serviços e processos. A Finep apóia, ainda, a incubação de empresas de base tecnológica, a implantação de parques tecnológicos, a estruturação e consolidação dos processos de pesquisa, o desenvolvimento e a inovação em empresas já estabelecidas, e o desenvolvimento de mercados.
A Finep também conta com uma linha de apoio para realização de eventos, aceitando solicitações em fluxo contínuo, de acordo com os prazos e as orientações apresentadas em seu portal.

1. Financiamento não-reembolsável

Apoio financeiro concedido a instituições públicas ou organizações privadas sem fins lucrativos para: realização de projeto de pesquisa científica ou tecnológica ou de inovação; realização de estudos ou de eventos e seminários voltados ao intercâmbio de conhecimento entre pesquisadores.
O financiamento é concedido pela Finep por meio de um convênio celebrado com a organização proponente, no qual são especificados os objetivos, os resultados esperados, o plano de trabalho, os indicadores de desempenho, o cronograma de desembolso, o prazo de apresentação do relatório técnico e da prestação de contas.
Os financiamentos não-reembolsáveis são feitos com recursos do FNDCT, atualmente formado, preponderantemente, pelos fundos setoriais de C,T&I. Eles são destinados a instituições sem fins lucrativos, em programas e áreas determinadas pelos comitês gestores dos fundos. As propostas de financiamento devem ser apresentadas em resposta a chamadas públicas ou encomendas especiais. 
São elegíveis para esse tipo de financiamento: universidades e outras instituições de ensino e pesquisa, públicas ou privadas, desde que sem fins lucrativos; instituições e centros de pesquisa tecnológica, públicas ou privadas, desde que sem fins lucrativos; outras instituições públicas e organizações não-governamentais sem fins lucrativos. 

2. Financiamento reembolsável

Crédito concedido a instituições que demonstrem a capacidade de pagamento e condições para desenvolver projetos de C,T&I. Os prazos de carência e amortização, assim como os encargos financeiros, variam de acordo com as características do projeto e da instituição tomadora do crédito. 
Os financiamentos reembolsáveis são realizados com recursos próprios ou provenientes de repasses de outras fontes. As empresas e outras organizações interessadas em obter crédito podem apresentar suas propostas à Finep a qualquer tempo. O primeiro passo é encaminhar uma consulta prévia e, caso esta seja enquadrada, a Finep receberá a solicitação de financiamento.

3. Bolsas RHAE

Programa que concede bolsas a empresas ou instituições as quais executam atividades de desenvolvimento científico e/ou tecnológico para empregar especialistas (aprovadas pela Finep e operadas pelo CNPq). 

4. Cooperação Internacional

A Finep mantém convênio com entidades congêneres em dois países:

  • Na Espanha, com o Centro para o Desenvolvimento Tecnológico e Industrial (CDTI) 
  • Na França, com a Agência Nacional de Valorização de Pesquisa (ANVAR)

A Finep também representa o Brasil como organismo gestor do programa Projetos IBEROEKA, com outras 20 instituições de países ibero-americanos. O IBEROEKA oferece oportunidades de parceiros para projetos inovadores entre empresas dos países participantes.
Além disso, a Finep participa em comitês gestores de mais de 20 acordos de cooperação firmados entre o Ministério da Ciência e Tecnologia do Brasil e seus parceiros de outros países.

Informações mais detalhadas acerca desse programa, bem como a solicitação de apoio e calendários, favor contatar diretamente a Finep.
www.finep.gov.br / Fone (11) 3874-0300

FINEP

Av. das Nações Unidas, 10.989 – 15o Andar
São Paulo – SP – CEP: 04578-000
Fone: (11) 3847.0300
Fax: (11) 3849.9514
Site: www.finep.gov.br

PRP

Pró-Reitoria de Pesquisa

Os projetos da PRP oferecem, em sua maioria, recursos financeiros ou humanos em complemento ao auxílio fornecido por agências de fomento. Isso visa estimular a submissão de propostas de pesquisa às financiadoras. Em função da otimização que o investimento nos projetos de longo prazo garante, a fração dos recursos financeiros da PRP destinada a eles é grande e tende a crescer.
Parte dos recursos da PRP provem das receitas orçamentárias da Universidade de São Paulo, distribuídas anualmente pelo Conselho Universitário, e outra parte provem da taxa de convênios com entidades externas. 
Além de gerenciar os projetos de longa duração, de coordenar o Programa de Pós-Doutoramento e supervisionar as atividades dos Núcleos de Apoio à Pesquisa, a PRP desempenha um trabalho menos estruturado, porém igualmente importante. Além de procurar isolar e resolver os problemas de âmbito geral que dificultam o trabalho do pesquisador, ela deve identificar oportunidades e buscar caminhos alternativos para aumentar a eficácia do esforço de pesquisa, estimular a divulgação dos resultados para o grande público e facilitar o contato entre pesquisadores e agências de fomento. 

Programas e Atividades PRP

1. Projeto 1 – “Recursos Complementares para Apoio a Grupos de Pesquisa” 

Visa oferecer, por processo rápido e desburocratizado, verbas complementares a professores, cujos projetos de pesquisa foram qualificados por agências de fomento nacionais e estrangeiras. A meta é custear despesas com itens que as agências consideram contrapartida da instituição (material de construção, mão-de-obra, aparelhos de ar-condicionado, etc.) ou mesmo itens os quais não estejam nesta categoria, mas que são importantes para o desenvolvimento do projeto (custeio de viagens necessárias para desenvolvimento do projeto, equipamentos, programa de computadores, pagamento de mão-de-obra especializada para tarefas específicas, aquisição de livros especializados, etc.). 

  • Poderão ser pagos custos de publicação em periódicos, mas não custos de separatas; 
  • Programa não contempla auxílios em forma de bolsas;
  • Teto para concessões desse projeto é de R$ 3.000,00.

2. Acordo de Cooperação Interuniversitária USP/COFECUB

O Programa USP/COFECUB é uma parceria entre a Universidade de São Paulo e o Comité Français d´evaluation de la Cooperation Universitaire avec le Brésil, mantida pelos Ministérios das Relações Exteriores e da Educação do governo francês. Por meio de intercâmbio de pesquisadores, o programa propicia: 

  • Desenvolvimento de pesquisas científicas conjuntas;
  • A formação e aperfeiçoamento de professores e pesquisadores;
  • A troca de informações científicas, de documentação especializada e publicações universitárias;
  • Duração de 2 (dois) anos para os projetos, podendo ser prorrogada por igual período, quando justificada sua continuação.

Para o ano de 2008 cada parceiro do projeto colaborativo contemplado contará com 2 missões Brasil-França e 2 missões França-Brasil, com duração mínima de 10 e máxima de 21 dias cada, sendo que as passagens serão pagas pelo país de origem e as diárias pelo país de destino. Tais missões devem ser completadas antes do final de dezembro de 2008.
A USP e o COFECUB assumirão os gastos de passagens e diárias dos pesquisadores, da seguinte forma: as despesas de viagem aérea ida/volta serão custeadas pelo país de origem dos pesquisadores; as diárias serão custeadas pelo país anfitrião.

3. Programa de Contratação de Técnicos de Nível Superior (PROCONTES)

O programa reflete nova visão da universidade em relação à contratação de pessoal técnico para apoio à pesquisa. Vincula a concessão e a manutenção de contratos com pessoal técnico à captação de recursos de agências de fomento.
Em linhas gerais, são priorizados, dentre os pedidos para receberem apoio substancial de agências de fomento, aqueles que provêm de pesquisadores mais produtivos e melhor evidenciarem suas necessidades de apoio técnico. 
As inscrições são semestrais. Os projetos devem ter duração mínima de 2 (dois) anos.

4. Projeto 4 – “Programa de Bolsas de Treinamento de Estudantes de Graduação em Técnicas Especializadas” 

O programa proporciona condições para que estudantes de graduação de alto desempenho acadêmico, especialmente do curso noturno (não está vedado a alunos do período diurno), permaneçam na universidade não somente no período em que assistem a aulas. 
Objetiva-se possibilitar a estudantes de bom desempenho acadêmico, aprendizado sistemático de técnicas especializadas e participação na atividade de grupos de pesquisa qualificados e competitivos. Deve ser enfatizada a importância da manutenção do rendimento acadêmico nos cursos em que estão matriculados. 
As bolsas têm duração de 1 (um) ano, com valor de R$ 500,00 por mês, e a jornada de trabalho é de 35 horas semanais. As bolsas somente serão concedidas para alunos associados a grupos de pesquisa que possuam, em andamento, projetos qualificados na Fapesp, CNPq ou outra agência de auxílio à pesquisa.

5. Projeto 5 – “Programa de Apoio a Seminários Gerais”

O programa é destinado a apoiar a manutenção de seminários de caráter geral nas unidades da USP.
O objetivo dessa iniciativa é promover a divulgação da atividade científica realizada dentro e fora da USP.
O apoio ajudará a custear viagem e estadia de alguns palestrantes de outras cidades, produzir material de divulgação e pagar outras despesas necessárias para a realização das palestras. 
As solicitações devem respeitar o teto anual de R$ 5.000,00.

6. Programa de Apoio a livros de Divulgação Científica (PRODIVULGA)

O programa visa à publicação de conteúdo de boa qualidade, com redação em linguagem acessível ao grande público, com autoria de pesquisador da USP especializado no assunto coberto pelo livro.
A contribuição máxima do programa é de R$ 10.000,00 e uma versão preliminar da obra deve estar disponível no momento da solicitação do auxílio.

7. Programa de Pós-Doutorado (POSDOC)

Por meio desse programa, a universidade oferece a pesquisadores, pós-doutores e coordenadores vantagens semelhantes às ofertadas a seus estudantes de pós-graduação.
Dentro da proposta incluem-se benefícios dos serviços de saúde da universidade, acesso a bibliotecas e recursos computacionais. Possuem acesso a tais benefícios tanto os bolsistas de pós-doutorado das agências de fomento quanto os jovens pesquisadores da Fapesp, e os bolsistas dos Programas PROFIX, do MCT e PRODOC da Capes. Aceitam-se, também, pesquisadores que trabalham sem o apoio de agências de fomento, desde que seus projetos de pesquisa sejam reconhecidos pelos conselhos departamentais e pelas comissões de pesquisa das unidades da USP, ou órgãos equivalentes.

8. Programa de Incentivo à Pesquisa (ProIP)

Visa oferecer oportunidade para que pesquisadores ou grupo de pesquisadores possam desenvolver e consolidar suas investigações, visando aprimorar a produção intelectual e aumentar as possibilidades de captação de recursos junto às agências de fomento.
Cada pesquisador ou grupo de pesquisadores poderá participar como executor de uma única proposta, que deverá ser apresentada à Pró-Reitoria de Pesquisa como projeto de no máximo 10 páginas (incluindo referências), acompanhado de Currículo Lattes do coordenador. Os demais membros da equipe (alunos e técnicos) deverão ser listados, com designações de suas atividades para o projeto.
Os valores a serem destinados para o Programa são definidos a cada edital.

Informações mais detalhadas acerca dos programas, bem como a solicitação de apoio e calendários, favor contatar diretamente a Pró-Reitoria de Pesquisa.
www.prp.usp.br
Fone (11) 3091-3548

FUNDAP

Fundação do Desenvolvimento Administrativo

A Fundap foi criada em 1974 e tem por objetivo elevar os níveis de eficiência da administração pública do estado de São Paulo, propondo formas mais eficazes de intervenção governamental e colaborando para a racionalização administrativa da máquina pública.
As atividades da Fundap se distribuem em cinco áreas de trabalho: formação de recursos humanos, pesquisa e criação de tecnologias administrativas e pesquisa econômica aplicada, consultoria organizacional, projetos internacionais em administração pública, e administração de programas especiais de bolsas e estágios na administração pública paulista.
A Fundap administra o Programa de Bolsas de Estágios para estudantes de nível técnico e superior, oferecendo oportunidades de aprendizado profissional a estudantes interessados em conhecer os trabalhos da administração pública estadual.
O programa representa iniciativa para complementar a formação oferecida pelo sistema regular de ensino, mediante estágios remunerados em órgãos da administração direta e autárquica do estado de São Paulo.

Programa de Estágios

A Fundap oferece estágios há mais de 25 anos, por meio de um programa reconhecido pelas melhores escolas. Os estágios Fundap acontecem em diversos locais – secretarias de Estado, fundações públicas, museus, parques ecológicos, bibliotecas públicas, espaços culturais, etc.
Podem candidatar-se ao programa estudantes regularmente matriculados em cursos de nível superior ou técnico profissionalizante, a partir do segundo ano de curso.
Os estágios são remunerados e com duração de 1 (um) ano.
A carga horária é de 20 horas semanais de trabalho.

Inscrições

As inscrições podem ser feitas durante o ano todo no escritório da Fundap.

Informações mais detalhadas acerca desse programa, favor contatar diretamente a Fundap.
www.fundap.sp.gov.br
Fone 3066-5500

FUNDAP

Rua Alves Guimarães, 429
São Paulo – SP – CEP: 05410-002
Fone: (11) 3066.5500
Site: www.fundap.sp.gov.br

PAE

Programa de Aperfeiçoamento de Ensino

O Programa de Aperfeiçoamento de Ensino – PAE tem por objetivo aprimorar a formação de alunos de pós-graduação, desenvolvendo suas capacidades didáticas por meio de estágio nas atividades de ensino da graduação.
O programa é aberto aos estudantes de pós-graduação da USP, regularmente matriculados em cursos de doutorado ou de mestrado, desde que não possuam qualquer vínculo empregatício com a universidade.

Para participar

  • Os mestrandos devem ter concluído 80 dos créditos exigidos em disciplina para seus respectivos cursos;
  • O professor responsável pela disciplina da graduação de interesse do candidato será o supervisor do projeto (o professor deve ser contatado pelo estudante e a disciplina deve estar relacionada com seu projeto de pesquisa).

Inscrições

As inscrições devem ser feitas na unidade em que a disciplina é oferecida, apresentando solicitação de inscrição, projeto de participação, elaborado pelo responsável pela disciplina, e autorização do orientador do pós-graduando.

Análise dos Projetos

Os projetos serão analisados pela Comissão Coordenadora do PAE na unidade e pelo CTA.
Concluído o projeto, devem ser encaminhados à Comissão Coordenadora da unidade dois relatórios: um, elaborado pelo estudante, e outro, elaborado pelo supervisor.

Bolsas na França

Acordos CAPES-COFECUB E USP-COFECUB

Ministério das Relações Exteriores – Direção da Cooperação 
Científica e Técnica – Bolsas & Auxílio para a modalidade internacional

Estadia Científica de Longa Duração

  • Nível e candidatos concernentes: pesquisadores confirmados, titulares de uma tese de doutorado há menos de 4 (quatro) anos.
  • Idade: Não há limite de idade.
  • Disciplinas: ciências exatas, ciências aplicadas.
  • Duração da estadia: 1 (um) ano, renovável uma vez.
  • Seleção: por edital de concorrência a laboratórios franceses.
    Outubro: seleção de equipes de ponta, em setores promissores, por um comitê científico, cujo presidente é membro da Academia das Ciências (são aceitos somente os candidatos apresentados por essas equipes).
    Março: seleção anual por esse comitê para recepção dos pesquisadores em outrubro.
  • Financiamento: Auxílio-estadia. Não há cobertura para a viagem.

Endereço: Ministère des Affaires Estrangères
Direction de la Coopération Scientifique et technique
Mission de l’Appui Scientifique et Techinique
224, bd Saint-Germain
75303 Paris 07 – SP

Bolsas de Estudos na Alemanha

  • (DAAD) Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico.
  • Fundação Alexander von Humboldt; bolsas de pesquisa da Humboldt.
  • Fundação Alexander von Humboldt: bolsas de pesquisa da Georg Forster.
  • Fundação Krupp – Fundação germano-brasileira de fomento aos estudos.
  • PAD – Pädagogischer Austauschdienst (Serviço de Intercâmbio Pedagógico).

1. Bolsas Universitárias para Pós-Graduados

O Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (Deutscher Akademischer Austauschdienst – DAAD) oferece, em colaboração com a Capes, bolsas de aperfeiçoamento científico em quase todas as áreas.

Requisitos: 

  • Certificado de mestrado – Serão aceitos pedidos de candidatos em vias de concluir o mestrado até o fim do ano corrente.
  • O candidato deve ter esgotado todas as possibilidades de aperfeiçoamento oferecidas no Brasil.
  • Vínculo empregatício com uma universidade brasileira.
  • Contato com uma universidade ou instituição de pesquisa na Alemanha.
  • Idade máxima: 32 anos no início da bolsa (36 anos para as bolsas tipo sandwich).

Duração das bolsas: 12 (doze) meses, com possibilidade de prorrogação, especialmente para bolsistas que desejam se doutorar na República Federal da Alemanha. Para estes existem duas possibilidades: permanecer na Alemanha até concluir o doutoramento, o que pode requerer de 3 (três) a 5 (cinco) anos, ou a modalidade sandwich: o bolsista faz os créditos do doutorado no Brasil, permanece na Alemanha por 1 (um) a 2 (dois) anos, a fim de coligir o material para a tese, e defende a tese de doutorado no Brasil.
Prazo de Inscrição: 30 de março de cada ano.

2. Bolsas para especialização (que não requerem o mestrado)

Em determinadas áreas, poderá ser feita uma especialização por intermédio de bolsas com duração de 15 (quinze) a 30 (trinta) meses.

3. Bolsas de curta duração

Existe a possibilidade, para doutorados, de estágios de 3 (três) até 6 (seis) meses para pesquisa, coleta de material ou estudos bibliográficos na Alemanha. Os pesquisadores, que já devem ter o título de mestre, podem candidatar-se com um plano detalhado de pesquisa.
Informações mais detalhadas sobre as bolsas dos ítens 1, 2 e 3 podem ser obtidas em:

Consulado Geral da República
Federal da Alemanha em São Paulo
Av. Brig. Faria Lima, 2.092, 12o andar
01451-905 – São Paulo – SP
(das 8:00 às 11:30 horas)
Tel.: (11) 3814.6644
Fax: (11) 3815.7538

Universidade Estadual de Campinas – Unicamp – CEL
Centro de Ensino de Línguas
Cidade Universitária “Zeferino Vaz”
13081-970 – Campinhas – SP
Tel.: (019) 3788.7210
Fax: (019) 3788.7213
Site: www.unicamp.br

Departamento de Letras Modernas da FFLCH da USP
Curso de Língua e Literatura Alemã 
Av. Prof. Luciano Gualberto, 403 – sala 15
Cidade Universitária
05508-900 – São Paulo – SP
Tel.: (11) 3091.5041
Fax: (11) 3032.2325

Instituto Goethe
Rua Lisboa, 974
05413-001 – São Paulo – SP
Tel.: (11) 3088.4288
Fax: (11) 3060.8413

4. Bolsas de Pesquisa

A Fundação Alexander von Humboldt oferece a cientistas estrangeiros a possibilidade de realizar, na República Federal da Alemanha, projetos de pesquisa de alto nível, de sua própria escolha.

Requisitos:

  • Formação científica com grau acadêmico equivalente ao doutorado alemão.
  • Experiência de pelo menos 2 (dois) anos em atividade docente ou de pesquisa em uma universidade ou instituto de pesquisas de alto nível no Brasil.
  • Idade máxima: 40 anos

Duração das bolsas: 10 (dez) meses
Informações: em qualquer época nos endereços constantes do item 1.
Inscrições: Consulado Geral da República Federal da Alemanha em São Paulo.

5. Estágios Científicos

O Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) oferece, a cientistas e pesquisadores universitários estrangeiros de alto nível, bolsas para estágios científicos na República Federal da Alemanha a fim de que possam realizar projetos de pesquisa em instituições científicas, bibliotecas e arquivos.

Requisitos:

  • Doutorado e vinculação a uma universidade ou instituição de pesquisa brasileira.
  • Contato com a instituição alemã na qual deseja estagiar.
  • Cronograma detalhado da estadia na República Federal da Alemanha.
  • Conhecimentos de alemão. Não há bolsa adicional para o aprendizado da língua.

Duração: 1 (um) a 3 (três) meses
Informações: em qualquer época, nos endereços constantes do item 1.
Inscrições: no Consulado Geral da República Federal da Alemanha em São Paulo.

6. Estágios no Âmbito da Cooperação Técnica 

Oferecem-se bolsas de treinamento e aperfeiçoamento prático em determinadas especialidades nas quais, no Brasil, as possibilidades são inexistentes ou limitadas, de preferência nos setores que contribuem para o desenvolvimento técnico, econômico e social do Brasil. Oferecem-se também estágios fora da República Federal da Alemanha.

Requisitos:

  • Formação profissional básica e, se possível, experiência profissional de alguns anos.
  • Conhecimentos básicos do idioma alemão.
  • Idade máxima: 35 anos

Duração das bolsas: 12 (doze) meses
Informações: Carl Duisberg Brasil S/C Ltda., Av. Brig. Faria Lima, 1.572, cj. 708 – 01463-900 – São Paulo – SP, Tel.: 210.6420, Fax: 814.3766, e-mail: rstanna@psi.com.br
Inscrições: Consulado Geral da República Federal da Alemanha em São Paulo (Departamento Econômico).

7. Bolsas de Estudo para Estágios em Empresas na República Federal da Alemanha 

A Fundação Krupp oferece bolsas para aperfeiçoamento ou especialização de futuros dirigentes e líderes empresariais em empresas ou instituições na Alemanha. As bolsas se destinam, entre outros, a profissionais de áreas técnicas, administrativas, sociais ou científicas.

Requisitos:

  • Formação universitária e experiência profissional de 2 (dois) a 3 (três) anos após a conclusão do curso superior.
  • Conhecimento básico de alemão.
  • Idade: entre 25 e 35 anos (até 45, em casos especiais).

Duração: 12 (doze) meses, prorrogáveis, antecedidos, se necessário, por um curso intensivo de alemão.
Informações e inscrições: FUBAE – Fundação Brasil – Alemanha de Estudos, Av. Brig. Faria Lima, 1.572, 7o andar, sala 707, 01463-900 – São Paulo – SP. Tel.: 210.6420 e Fax: 814.3766.

8. Bolsas de Estudo para o Treinamento e Aperfeiçoamento de Técnicos 

O Ministério Federal de Cooperação Econômica oferece bolsas para profissionais que possuam qualificação profissional e experiência na área. Estes estágios poderão ser realizados na República Federal da Alemanha e em outros países, segundo o programa escolhido.

Requisitos:

  • Experiência profissional de alguns anos
  • Idiomas: alemão, inglês ou espanhol, conforme cada programa.

Idade máxima: 35 anos.
Áreas: indústria e artesanato, formação profissional e técnica; proteção ao meio ambiente, administração marítima; administração pública, fotogrametria; agricultura e economia florestal.
Duração: 6 (seis) até 18 (dezoito) meses.
Informações: Carl Duisberg Brasil S/C Ltda., Av. Brig. Faria Lima, 1.572, cj. 708 – 01463-900 São Paulo – SP, Tel.: 210.6420, Fax: 814.3766, e-mail: rstanna@psi.com.br
Inscrições: Consulado Geral da República Federal da Alemanha em São Paulo (Departamento Econômico).

Obs.: A cada ano, o Ministério Federal de Cooperação Econômica redefine as áreas indicadas, assim como o número de bolsas oferecidas e os prazos para inscrição.

Os candidatos aos programas de bolsa descritos deverão comprovar conhecimentos básicos da língua alemã antes de viajar. De acordo com o nível de seu conhecimento da língua, ser-lhes-ão concedidas, em alguns casos, bolsas adicionais para cursos intensivos de 2, 4 e 6 meses na República Federal da Alemanha, precedendo a bolsa de aperfeiçoamento científico ou profissional, propriamente dita, exceto para os estágios científicos e profissionais.
Os formulários de inscrição e informações mais detalhadas sobre as bolsas e os documentos necessários para o pedido, etc. podem ser solicitados às entidades relacionadas a seguir:

Consulado Geral da República
Federal da Alemanha em São Paulo
Av. Brig. Faria Lima, 2.092, 12o andar
01451-905 – São Paulo – SP
(das 8:00 às 11:30 horas)
Tel.: (11) 3814.6644
Fax: (11) 3815.7538

Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD)
Rua Presidente Carlos de Campos, 417
22231-080 – Rio de Janeiro – RJ
Tel: (21) 2553.3296
Fax: (21) 2553.9261
Site: rio.daad.de

9. Outros Programas

As fundações ligadas aos partidos políticos alemães também oferecem bolsas de estudos ou de pesquisa sob determinadas condições. São elas:

Fundação Konrad Adenauer
Representação no Brasil
Rua Dr. Eduardo de Souza Aranha, 99 – 2o andar
04543-120 – São Paulo – SP
Tel.: (11) 3045.9974
Fax: (11) 3044.4902
Site: www.adenauer.com.br

Instituto Friedrich – Naumann
Rua Catanumi, 556
04788-010 – São Paulo – SP
Tel.: (11) 5666.9266 / 5667.3234
Fax: (11) 5667.3036

Instituto Latino-Americano de Desenvolvimento
Econômico e Social-ILDES
(Friedrich-Ebert Stiffung)
Av. Paulista, 2.001, 13o andar, cj. 1313
01311-931 – São Paulo – SP
Tel.: (11) 3253.9090
Fax: (11) 3253.3131
Site: www.fes.org.br

Pedidos de informação deverão ser dirigidos diretamente aos endereços citados.

10. Estágios Remunerados para Estudantes de Graduação ou Recém-Graduados 

Informamos que a Central de Intercâmbio em São Paulo oferece um programa de estágios remunerados no exterior para universitários ou recém-formados nas áreas técnicas (engenharia, arquitetura, desenho industrial, informática, nutrição, matemática e veterinária) e na área médica.

Informações mais detalhadas poderão ser obtidas junto na:
Central de Intercâmbio
Praça Charles Miller, 152
Pacaembu
01234-010 – São Paulo – SP
Tel.: (11) 3677.3600
Fax: (11) 3672.4022
Site: www.ci.com.br

Órgãos da USP

CCInt

Rua do Anfiteatro, 181 – Favo 5 e 14
Cidade Universitária
São Paulo – SP – CEP: 05508-900
Fone: (11) 3091.3529
Site: www.usp.br/ccint

CECAE

Av. Prof. Luciano Gualberto, Travessa J, 374 – 7o andar (Edifício da antiga Reitoria)
Cidade Universitária
São Paulo – SP – CEP:05508-900
Fones: (11) 3091.3910
Site: www.cecae.usp.br

Comissão de Pesquisa da FAU

Rua do Lago, 876
Cidade Universitária
São Paulo – SP – CEP: 05508-900
Fone: (11) 3091.4534
Site: www.usp.br/fau

Pró-Reitoria de Graduação 

Rua da Reitoria, 109 – Prédio da Reitoria
Cidade Universitária 
São Paulo – SP – CEP: 05509-900 
Fone: (11) 3091.3290
Site: www.usp.br/prg

Pró-Reitoria de Pós-Graduação

Rua da Reitoria, 109 – Prédio da Reitoria
Cidade Universitária
São Paulo – SP – CEP – 05509-900
Fone: (11) 3091.3190
Site: www.usp.br/prpg

Pró-Reitoria de Pesquisa

Rua da Reitoria, 109 – Prédio da Reitoria
Cidade Universitária
São Paulo – SP – CEP: 05508-900
Fone: (11) 3091.3548
Site: www.usp.br/prp