Joana Mello de Carvalho e Silva

É docente do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto, grupo de disciplinas História e Teorias da Arquitetura. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAUUSP (1997), mestrado em Arquitetura e Urbanismo pelo Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (2005), doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo pela FAUUSP (2010) e pós-doutorado pelo Instituto de Filosofia e Ciência Humanas da Unicamp (2015). Foi professora da Escola da Cidade (2003-2016) e do Curso de Pós Graduação Lato Sensu O Projeto de Arquitetura na Cidade Contemporânea da Faculdade de Arquitetura do Mackenzie (2010-2012). Atuou como redatora da Enciclopédia de Artes Visuais do Itaú Cultural. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em História e Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo moderna. Integra o Laboratório para Outros Urbanismos (FAU-USP). 

E-mail:

 

Telefone
+55 (11) 3091-4553
Currículo Resumido

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP (1997), mestrado em Arquitetura e Urbanismo pelo Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (2005) e doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo pela FAUUSP (2010). É professora da FAUUSP e da Escola da Cidade. Foi professora do Curso de Pós Graduação Lato Sensu O Projeto de Arquitetura na Cidade Contemporânea da Faculdade de Arquitetura do Mackenzie e redatora da Enciclopédia de Artes Visuais do Itaú Cultural. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em História e Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo.

Principais Projetos
  • O avesso da arquitetura moderna: domesticidade e formas de morar na habitação privada brasileira 1930-1960
    Muito já se falou sobre o sucesso, aceitação e disseminação da arquitetura moderna brasileira, aquela que sintetizada no Rio de Janeiro com o Ministério da Educação e Saúde Pública MESP (1936-1945), teria alcançado a hegemonia e o ponto mais alto de prestígio com a construção de Brasília (1956-1960). Se a consagração internacional já encontrou explicações consistentes, assim como a interpretação das definições e características marcantes de nossa específica arquitetura moderna, o mesmo não se pode dizer com relação ao sucesso por ela alcançado internamente, sobretudo no âmbito das encomendas privadas. Esta pesquisa pretende enfrentar o desafio de compreender como e porque num espaço tão curto de tempo, a arquitetura moderna se consolidou no país, produzindo não apenas obras de exceção, mas um conjunto amplo de edifícios de alta qualidade que marcou os processos de metropolização das cidades brasileiras entre os anos de 1930 e 1960 e se mostrou mais diverso do que a linguagem canônica. Nossa investigação, contudo, não terá como foco o discurso autorizado dos arquitetos, historiadores e críticos, mas sim as falas dos clientes, dos consumidores dessa arquitetura, investigando os sentidos e os papéis que ela assumiu no período enfocado. Somente assim, pelo avesso, nos parece possível avançar sobre esse tema tão recorrente em nossa historiografia, investigando-se, inclusive, o alcance de seu triunfo.
Departamentos
Disciplinas da Graduação
Disciplinas da Pós-Graduação