Priscila Lena Farias

Priscila Lena Farias é designer gráfica, pesquisadora e professora na área de design. É Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Possui graduação em Comunicação Visual (Desenho Industrial) pela Fundação Armando Alvares Penteado (1984), mestrado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (1997) e doutorado pelo mesmo programa (2002). É professora do Departamento de Projeto da FAUUSP e do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da mesma instituição, onde coordena o LabVisual (Laboratório de Pesquisa em Design Visual). É editora do periódico científico InfoDesign – Revista Brasileira de Design da Informação, e membro do corpo editorial de outras publicações da área de design, no Brasil e no exterior, tais como The Design Journal, Design and Culture, Information Design Journal e Journal of Communication Design. Atua como parecerista para várias entidades científicas, tais como FAPESP, CAPES e CNPq. Tem experiência na área de desenho industrial, com ênfase em programação visual, atuando principalmente nos seguintes temas: design gráfico, semiótica, tipografia, design de tipos, história do design e design da informação. [foto por Claudia Guimarães]
Outros links:
http://usp-br.academia.edu/PriscilaFarias
http://www.researchgate.net/profile/Priscila_Farias
http://www.researcherid.com/rid/A-3876-2010
http://scholar.google.com.br/citations?user=GVmoy7MAAAAJ
http://orcid.org/0000-0002-2540-770X
(Texto informado pelo autor)

E-mail:

 

Currículo Lattes
http://lattes.cnpq.br/7204930940034076
Currículo Resumido

Priscila Lena Farias é designer gráfica, pesquisadora e professora na área de design. É Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Possui graduação em Comunicação Visual (Desenho Industrial) pela Fundação Armando Alvares Penteado (1984), mestrado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (1997) e doutorado pelo mesmo programa (2002). É professora do Departamento de Projeto da FAUUSP e do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da mesma instituição, onde coordena o LabVisual (Laboratório de Pesquisa em Design Visual). É editora do periódico científico InfoDesign - Revista Brasileira de Design da Informação, e membro do corpo editorial de outras publicações da área de design, no Brasil e no exterior, tais como The Design Journal, Design and Culture, Information Design Journal e Journal of Communication Design. Atua como parecerista para várias entidades científicas, tais como FAPESP, CAPES e CNPq. Tem experiência na área de desenho industrial, com ênfase em programação visual, atuando principalmente nos seguintes temas: design gráfico, semiótica, tipografia, design de tipos, história do design e design da informação.

Principais Projetos
  • Memória Gráfica Paulistana: a tipografia em São Paulo no século XIX e início do século XX (2013-atual, apoio: CNPq)
    Resumo: O objeto de estudo deste projeto são os caracteres tipográficos disponíveis para a diagramação e impressão com tipos móveis na cidade de São Paulo entre o século XIX e o início do século XX. O recorte temporal é delimitado pelos 100 anos que se seguem à data de lançamento daquele que é considerado o primeiro artefato impresso em oficina tipográfica na então província de São Paulo (o jornal O Farol Paulistano, 1827), e seu desfecho, portanto, coincide com o momento em que a impressão com tipos móveis passou a ser substituída pelo uso de máquinas de composição ?a quente?, como os linotipos. Pretende-se, em um primeiro momento, identificar e mapear os principais usuários (oficinas tipográficas) e fornecedores (importadores, distribuidores, fabricantes) de tipos móveis na cidade de São Paulo neste período, para, em seguida, selecionar e descrever os modelos de letras mais utilizados, tendo em vista a compreensão da formação de um certo repertório ou 'gosto tipográfico' paulistano ao longo destes anos. Com isso, espera-se contribuir para uma melhor compreensão da linguagem gráfica paulistana do período, e para a ampliação do conhecimento acerca da atuação de fabricantes, distribuidores e usuários de tipos na capital paulista durante o século XIX.
  • Em busca das origens de uma prática de letreiramento paulistana: uma investigação sobre as epígrafes arquitetônicas britânicas (2014, apoio: FAPESP)
    Resumo: Epígrafes arquitetônicas são inscrições contendo os nomes de arquitetos, engenheiros e construtores gravadas em fachadas de edifícios. Estudos realizados anteriormente indicaram que elas são muito freqüentes na área central da cidade de São Paulo, e que ocorrem também em outras cidades latino-americanas e européias, inclusive Londres. Este projeto de pesquisa teve como objetivo principal compreender melhor a incidência, distribuição e configuração das epígrafes arquitetônicas londrinas, para poder compará-las àquelas encontradas na cidade de São Paulo, buscando verificar se a prática de incluir este tipo de inscrição na fachada de edifícios paulistanos poderia ter sido influenciada por prática similar encontrada no Reino Unido. A investigação foi realizada duranhte estágio pós-doutoral na University of the Arts London / Central Saint Martins instituição relevante para a pesquisa em design, e, em particular, para a pesquisa em tipografia e letreiramento na paisagem urbana.
  • Memória Gráfica Paulistana: estudos exploratórios sobre tipografia e identidade (2011 - 2013, apoio: FAPESP)
    Resumo: Quais são as principais características visuais apresentadas pelos artefatos tipográficos produzidos e veiculados na cidade de São Paulo? Este projeto tem como objetivo a compreensão da configuração da identidade visual da cidade de São Paulo através destes artefatos, partindo do pressuposto de que a resposta para esta questão pode indicar os atributos visuais que contribuem para a configuração do sentido de lugar ou espírito de lugar da metrópole. Entende-se que esta configuração se concretiza a partir das escolhas gráficas e tipográficas realizadas pelos habitantes da cidade ao longo do tempo, e veiculadas de forma pública através de formas e letras impressas, escritas, gravadas ou desenhadas. Através de um método que adapta a teoria fundamentada para estudos de cultura material e visual, aliado a elementos de análise derivados da semiótica Peirceana, espera-se obter, como resultados, um banco de dados com imagens e informações sobre memória gráfica paulistana, a formulação teorias e hipóteses acerca da tipografia e identidade paulistanas, e o desenvolvimento de família tipográfica digital baseada nos dados coletados.
  • Memória Gráfica Brasileira: estudos comparativos de manifestações gráficas nas cidades do Recife, Rio de Janeiro e São Paulo (2008 - 2013, apoio: CAPES, em parceria com os PPGs de Design da PUC-Rio e UFPE)
    Resumo: O papel histórico e social do design no Brasil é assunto pouco estudado e compreendido, apesar de sua importância para a constituição da paisagem construída, para as diversas experiências de interação por meio do comércio e da comunicação, e para a formação de identidades visuais que, por extensão, ajudam a delimitar a identidade coletiva. O presente projeto parte do pressuposto que o design precisa ser compreendido de modo integrado, como uma faceta do fenômeno maior da Cultura, no sentido antropológico desse termo. Ele tem, como objetivo principal, identificar e analisar exemplos relevantes de manifestações gráficas que marquem a memória, a paisagem urbana e a identidade das cidades do Rio de Janeiro, Recife e São Paulo.
Departamentos
Disciplinas da Graduação
Disciplinas da Pós-Graduação