Trabalho de Pós-doutorado estuda importância das árvores para o clima urbano

Publicado em 5 de outubro de 2021
Comunicação

“As árvores e o clima urbano da cidade de São Paulo” é um dos projetos desenvolvidos atualmente pelo Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência Energética/ LABAUT, do Departamento de Tecnologia da FAUUSP.

As árvores plantadas nas calçadas compõem a Floresta Urbana e a Infraestrutura Verde nas cidades, e são capazes de trazer muitos benefícios ao meio ambiente e às pessoas. Um dos benefícios das Florestas Urbanas que costuma ser percebido mais facilmente é a redução da temperatura da cidade e dos edifícios, tanto pelo sombreamento das copas como também pelo fato de as folhas das árvores transpirarem e resfriarem o ar circundante. Os animais que vivem nas cidades também se beneficiam muito com alimentos e abrigos fornecidos pelas árvores.

Há também a remoção de carbono (C) da atmosfera, por meio do metabolismo das árvores, em seu processo bioquímico de fotossíntese, contribuindo para absorção de gases de efeito estufa. Um benefício muito importante advindo na presença de árvores nas cidades é a minimização das enchentes: quando chove muito, a presença de árvores, plantas e gramados auxilia toda a água que precipita a ser absorvida pelo solo.

Labtree em Pinheiros. Foto de Julia Rodrigues Leite

Como parte das pesquisas, foram montados dois experimentos de campo para o monitoramento e medição de serviços ecossistêmicos. Esses experimentos de campo são chamados LabTrees. Nesses laboratórios, as árvores estudadas recebem sensores de crescimento do tronco, sensores de fluxo de seiva e sensores de umidade e temperatura do solo. O primeiro experimento LabTree foi instalado no bairro Pinheiros e o segundo, dentro do Parque Ibirapuera.

O grupo de pesquisa prevê monitorar os dados coletados ao longo de um ano e definir, por meio de análises especificas, índices que vão avaliar a capacidade das árvores de promover serviços ecossistêmicos nos locais estudados, considerando as diferenças microclimáticas das situações urbanas em que estão localizados.

A pesquisa, financiada pela FAPESP, é de responsabilidade da Dra. Julia Rodrigues Leite, sob supervisão dos professores Denise Duarte e Thomas Rotzer.

*Texto adaptado do Portal de Educação Ambiental do Estado de São Paulo. Confira a íntegra do original aqui