As Vidas dos Artistas no Mundo Globalizado

Publicado em 29 de outubro de 2021
Comunicação

De 04/11/2021, às 09:30 a 05/11/2021
Local: Evento online

A partir do século 16, as narrativas biográficas dos artistas serviram de modelo incontornável para o desenvolvimento da história da arte como disciplina.

Desde a publicação das obras de Ernst Kris e Otto Kurz, de Rudolf e Margot Wittkower, uma ampla bibliografia dedicou atenção às “vidas dos artistas”, destinadas a se tornar, ao longo do tempo, um gênero literário autônomo, dotado de características descritivas e fórmulas narrativas próprias, constantemente deslizando entre historiografia e literatura. Alguns tópicos frequentes cristalizaram-se como elementos constantes desses relatos: a predestinação do artista, a infância prodigiosa, a descoberta inesperada por um mestre, as relações com os modelos, o temperamento peculiar, as circunstâncias da morte.

As pesquisas que até agora se desenvolveram sobre o tema têm se concentrado quase exclusivamente nos contextos europeus, nos quais – de Vasari a Van Mander, de Palomino a Félibien – se formou o cânon narrativo do gênero. No entanto, muitos artistas fora da Europa, na medida em que desfrutavam de reconhecimento ao nível regional ou nacional, também foram tema de biografias e de imagens representando episódios de suas vidas.

A circulação e a tradução das biografias de artistas europeus certamente tiveram uma função importante para a difusão internacional dessas narrativas. Contudo, ainda é necessário investigar sobre a eventual existência de invariantes e / ou tradições autônomas nessas histórias, para além dos contextos europeu ou ocidental.

Organização:

Grupo de Pesquisa “Tempo, Memória e Pertencimento-IEA/USP (Brasil)
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo/USP (Brasil)
École Du Louvre
Deutsches Forum Für Kunstgeschichte (França)

Mais informações no site do IEA/USP.